Uma das vantagens do Unschooling e Mais aniversários

Caderno Verde

Uma das vantagens do Unschooling e Mais aniversários

Estávamos os dois, eu e o Alexandre, a ver um vídeo na internet sobre a Expo 98. Isto porque já tínhamos visto um sobre a construção da linha de comboios sob a ponte 25 de abril e a sua inauguração e andávamos à procura de um sobre a construção da estação do Oriente e como esta está ligada à Expo 98, encontrámos então esse vídeo, de 45 minutos, sobre vários passos anteriores à inauguração da exposição. O Alexandre ficou logo interessado em saber todos os pormenores que pudesse saber sobre a Expo, na altura ele ainda não era nascido e adoraria estar lá para ver… Em algumas alturas do vídeo vão assinalando “faltam 500 e tal dias para a Expo’98”, “faltam 365 dias…” (um ano, pois…), até que apareceu “faltam 182 dias…” e o pequeno diz: “São quase mais cem dias que um ano em Mercúrio!”

_Um ano em Mercúrio???” _ pergunto de volta, que isto às vezes o meu raciocínio não o acompanha…

_”Sim, mãe, um ano do planeta Mercúrio são 88 dias dos nossos.”

_”Ah, bom! Percebi… são mesmo 88?”

Pois que eu já estudei isso, claro e talvez até me tenha deparado com o número num destes anos em que acompanho o Alexandre em ensino doméstico, pois ele gosta muito de saber coisas sobre o Universo, a diferença é que nós retemos as coisas que verdadeiramente nos interessam e o resto ficamos com uma vaga ideia. Ele interessa-se mesmo e volta e meia debita estes números e outros conhecimentos que eu fico a pensar “Como é que ele ainda se lembra disto?”.

Esta é, para mim, uma das grandes vantagens do unschooling: realmente “aprender”, porque temos interesse e curiosidade e fazemos as nossas ligações de ideias e acontecimentos e a maior parte das coisas, assim, nunca mais esquecem…

Se estiverem interessados no tal video da Expo 98 que estivémos a ver, foi este aqui.

 

E agora vamos a mais dois aniversários que nos fizeram passar dois dias muito divertidos.

O aniversário do pai, a 14 de maio:

Embora num dia de semana, fomos, ao fim do dia, fazer um passeio divertido como comemoração: irmos todos juntos de comboio até ao restaurante, comermos, cantarmos os parabéns e voltarmos de novo de comboio, numa grande animação (nós os três, as manas, o Bato e dois dos nossos vizinhos). Foram um fim de tarde e noite bem animados!

 

IMG_0324

IMG_0329

20150514_212611

20150514_212726

20150514_215812

(a volta, em cima à espera do comboio e em baixo, a selfie dentro do comboio)…

:)

 

IMG_0151

O outro foi o aniversário de uma nossa amiguinha, também em unschooling, em sua casa. Lá nos reunimos com a sua família e outros amiguinhos que conhecemos na altura e foi uma diversão pegada. As imagens em baixo são do jogo “Suspend” e do “Catan”.

20150516_180151

(o Alexandre a explicar as regras do Catan a uma nova amiguinha)

20150516_200950

20150516_221338

20150516_221349

Também foi um dia de aniversário muito bem passado! Obrigada a todos!

Leave a comment »

Arquitetura e Urbanismo V – Redes, suburbanos, metro e barco – passeio ao Barreiro

Caderno Verde

Arquitetura e Urbanismo V – Redes, suburbanos, metro e barco – passeio ao Barreiro

Continuando a exploração das redes de transportes, logo depois da nossa “avaliação da linha da Azambuja” em fevereiro, a 1 de março  fomos, de transportes públicos, até ao Barreiro.

O Alexandre preparou o itenerário com a devida antecedência (normalmente anota numa folha de papel, após consultar na internet os mapas das redes e itenerários possíveis, o itenerário que pretende explorar nessa próxima viagem e depois consulta-nos (se queremos “alinhar” nesse passeio).

Ainda não tinha começado a primavera, mas por todo o lado já despontavam as flores e já havia “cheiro a primavera”…

20150301_144127

A caminho da estação de Algueirão-Mem Martins

20150301_144714

Os seus pins de coleção (da CP…)

20150301_150524

20150301_150547

A estação do Rossio (há tempos que eu não parava por lá… )

20150301_155218

O Alexandre fotografou a a estrutura da cobertura da estação do Rossio (sempre o fascinaram as estruturas)

20150301_155251

O itenerário tinha começado então pela linha de Sintra, de Algueirão-Mem Martins ao Rossio, depois iríamos a pé até ao Terreiro do Paço para apanhar o barco até ao Barreiro.

Enquanto a pé, fomos apreciando a baixa de Lisboa por onde também já não passeávamos a pé há alguns anitos e aqui está mais uma estrutura, esta antiga e em arco, o Arco da Rua Augusta:

20150301_161826

20150301_162044

O cais para apanhar o barco para o Barreiro

20150301_164133

20150301_164153

20150301_164226

20150301_164816

20150301_164836

Eu não me lembro se há uns anos atrás já tínhamos apanhado este para o Barreiro, creio que só os que atravessam até Cacilhas, mas talvez… Fiquei surpresa com a rapidez (num quarto de hora estamos lá do outro lado) e com o tamanho e conforto do barco (bem espaçoso, neste dia tinha poucos passageiros, fim-de-semana…)

20150301_170215

(aqui está um cheirinho do interior do barco)

20150301_170243

Vistas…

20150301_170549

20150301_171532

Chegada ao Barreiro…

20150301_172202

Fomos pesquisar a estação logo ao pé, dos suburbanos que nos levam a Praias do Sado, a Setúbal… Não fomos fazer esse percurso, mas o Alexandre magicou logo voltar com a mana Celina para depois percorrer esta linha numa próxima oportunidade.

20150301_172558

20150301_172645Aqui ainda estava a “fazer contas de cabeça” de como viria cá então, numa próxima vez, com a irmã.

20150301_172655

À volta, já ao entardecer…

20150301_180918

20150301_181026

20150301_181142

20150301_181217

20150301_181326

E depois lá voltámos, não a pé até ao Rossio, mas apanhando o metro no Terreiro do Paço até 7 Rios e depois de volta à linha de Sintra (ainda trocámos de comboio numa estação entre Benfica e Cacém, já não me lembro qual que o Alexandre gosta de ir variando as estações em que podemos trocar para não irmos parar a Mira-Sintra-Meleças e chegarmos bem ao nosso destino: Casa!)

:)

 

Depois, no dia seguinte, andei a fotografar a sua performance com o programa Lego-Design, onde “constrói” todas estas estações e comboios e pormenores de ligação, de construção e de design e me vai explicando como o faz e todos os pormenores que acha importantes:

20150302_182917

20150302_182943

20150302_182948

 

20150302_183002

20150302_183106

20150302_183112

20150302_183139

20150302_183143

20150302_183155

20150302_183223

20150302_183356

 

20150302_183750

20150302_183756

20150302_183807

(é ele que “desenha” estes comboios, no programa).

 

Comments (2) »

Encontros e reencontros

Olá, vivam!

Pois que os últimos posts têm sido muito sobre desnhos urbanos, passeios, viagens, documentários (e ainda vão continuar), mas temos feito muitas outras coisas, inclusivé estar com pessoas, amigos, família, mais amigos e estes ligados oa Ensino Doméstico e ao Unschooling, etc., etc.

Desde o Natal e fim do ano passado que não falo aqui de festas e bolos e almoços´, lanches e jantares em convívio, mas também porque tenho muitas fotos para selecionar e as coisas aqui no blog vão andando devagar. O passeio de reconhecimento da linha de Azambuja do post passado foi feito em fevereiro, só para terem uma ideia e desde aí tenho muitos outros ainda para relatar.

Então os encontros e reencontros, que não vou contar por ordem, mas talvez por temas:

No Sábado passado, dia 2 de maio, juntámo-nos três famílias praticantes de ED/Unschooling. Aqui em nossa casa. Foi um dia em cheio! Chuvoso, mas em casa brilha o sol! Comidinha da boa, brincadeira, jogos da wiiU, jogo no computador do Train Fever, montagem de pistas de comboio da Lego e muita conversa da parte das três mães envolvidas (também estavam dois pais, muito interessados no jogo do Benfica…)

:)

20150502_212041

20150502_212112

20150502_212308

20150502_212318

Na Páscoa, tínhamos também estado com uma destas famílias, dessa vez em casa deles, também com muita troca de informações, de coisas feitas, interesses, conversa e brincadeira.

Também houve as festas de aniversário, em fevereiro, a minha e a da mana Catarina. Como fiz 50 anos, os meus filhos e maridinho e genro(!), que esse foi incansável, foi de propósito a Coimbra buscar a minha mãe e uma amiga minha que eu já não via há tanto tempo para me fazerem uma grande surpresa! Também vieram os meus primos, de Coimbra (que desistiram de uma ida à neve só para estar comigo) e uns queridos amigos que vivem no Reino Unido, mas estavam por cá na altura. Foi uma festa muito divertida, jantar, bolo de aniversário feito pelas filhotas (e que coincidiu com a comemoração do Dia dos Namorados, que eu faço anos nesse dia). Jogámos Dixit no final e a minha amiga que eu já não via há muito tempo disse-me que já não se divertia tanto há muito tempo…

:)

20150214_231022

20150214_231453

A festa da Catarina foi também boa, familiar, acolhedora… experimentámos umas “lemon bars” feitas por mim amontoadas em castelo e decoradas com marshmallows que ela adora… as lemon bars ficaram aprovadíssimas!

:)

20150224_214026

20150224_214055

20150224_214219

20150224_214225

E agora há menos dias (também no fim de semana passado logo no dia após ao nosso encontro de “famílias em ED”) foi o Dia da Mãe! Os meus queridos filhotes fizeram-me um pequeno almoço daqueles muito grandes que serviu de almoço e de lanche também, com panquecas, scones, ovos mexidos com feijão em molho de tomate e salsichas de soja fritas, muito chá… são uns queridos! E deram-me uma orquídea azul (porque eu adoro a cor) para além de outros presentes.

20150506_153944

Leave a comment »

Arquitetura e Urbanismo IV – Redes, Suburbanos e passeio à Azambuja

Caderno Verde

Arquitetura e Urbanismo IV – Redes, Suburbanos e passeio à Azambuja

Do Urbanismo fazem evidentemente parte as redes de transportes (para além de muitas outras redes de infraestruturas que o Alexandre também “estuda” por conta própria, neste e noutros países, como podemos analisar ao ver os documentários propostos no meu último post, por exemplo). Eu utilizei a palavra “estuda”,  porque no fundo, ele é um verdadeiro estudioso do assunto e chega a ter “discussões” com o pai, dizendo-lhe que os percursos, formas de construção (e outras questões) não são como o pai está a dizer e sim de outra forma e argumenta: “Pai, eu sei o que estou a dizer, eu ESTUDO isso!”

Os transportes sempre o fascinaram, mas ultimamente interessa-se bastante pelas suas redes, história e expansão, chegando a projetar as suas próprias redes (de linhas ferroviárias, de metropolitano, de barco), muitas vezes a partir das redes já existentes. Num próximo post colocarei mais fotos destes projetos (ele desenha mapas das linhas (redes), tanto das existentes como das projetadas).

Entretanto “iniciámos” (iniciou ele e nós acompanhámos) um ciclo de explorar na prática o início e o terminus de algumas das redes de transportes de Lisboa (extendendo, quando podemos, a outras zonas do país). O primeiro desses passeios (acompanhado de um estudo prévio das linhas suburbanas de Lisboa), foi percorrer a Linha da Azambuja. A Linha da Azambuja começa na Estação de Alcântara-Terra e termina na Estação da Azambuja. O Alexandre já fez muitas viagens “parciais”, nesta e noutras linhas, ora connosco, ora com a sua mana Celina grande companheira destas suas aventuras. Mas agora quiz “sistematizar” os percursos e lá fomos. Como moramos em Mem-Martins e a ideia era andar sempre em transportes públicos, iniciámos o nosso passeio pela Linha de Sintra até Campolide e lá apanhámos um comboio já da Linha da Azambuja, mas até ao seu início, Alcântara-Terra e aí voltámos a apanhar o comboio da linha da Azambuja no sentido contrário, até à Azambuja, para percorrer toda a linha.

Os comboios desta linha têm dois andares, o que proporciona uma outra vista, mais de cima. Vamos confirmando (com os mapas) as estações por onde a linha passa, usamos o GPS do meu telemóvel e coisas assim. Vamos também apreciando a paisagem e as características das estações onde paramos. Também démos um passeio pela vila da Azambuja, que eu e o pequeno não conhecíamos (o pai já conhecia) e lanchámos lá.

Estação de Algueirão-Mem Martins:

20150208_131359

Início da viagem (linha de Sintra):

20150208_131744

Estação de Alcântara-Terra:

20150208_135751

Já no comboio de dois andares:

20150208_140125

Azambuja:

20150208_162229

20150208_162246

20150208_162317

20150208_162323

20150208_162359

20150208_162446

20150208_162547

20150208_162732

20150208_162835

De novo a caminhar até à estação da Azambuja (já depois do passeio pela vila e do lanche):

20150208_163034

20150208_163125

20150208_163154

20150208_163210

20150208_163228

20150208_163242

A estação da Azambuja:

20150208_163245

20150208_163456(fotos tiradas pelo Alexandre, claro está)

20150208_163514A vista, de dentro do comboio, no regresso. À volta fizémos um percurso diferente, a linha da Azambuja passa pela Estação do Oriente e aí parámos…

20150208_165035

20150208_165037

20150208_165047

20150208_165058

20150208_165224

20150208_165316

20150208_165348

(aqui está o comboio de dois andares que atualmente circula na Linha da Azambuja e o seu pantógrafo!               :)

20150208_172954

20150208_172955(aqui o da Linha de Sintra, mas não apanhámos logo este ali no Oriente, pois este só vai até Mira-Sintra Meleças e normalmente trocamos numa estação entre Benfica e Cacém para apanharmos o que vai até Sintra, mas desta vez o Alexandre quiz ir de metro até S. Sebastião (linha vermelha), aí trocar para a linha azul até aos Restauradores para depois apanharmos o comboio para Sintra no Rossio. E assim foi.)

20150208_172957

20150208_173003

20150208_173037(as torres que ele adora)

20150208_173313

20150208_173319(a mini-feira do livro no centro Vasco da Gama, vista do elevador que desce da plataforma onde se apanham os comboios)

20150208_173404

20150208_173513

(a linha vermelha do metro que fomos então apanhar)

20150208_173913

20150208_174119

20150208_174214

(as “decorações” nas estações do metro, que nós gostamos de ver (em Nova York era tudo tão mais cinzento, aqui são muito claras e coloridas)

20150208_174252

20150208_174436

20150208_174454

20150208_174510

20150208_180705

(os mapas das redes do metro)

20150208_181648

20150208_181936

(e de novo no comboio, de volta a casa, o pai a descascar a sua laranjinha…)

20150208_183003

:)

 

 

 

Leave a comment »

Arquitetura e Urbanismo III – Documentários

Caderno Verde

Arquitetura e Urbanismo III – Documentários

Voltámos a rever duas das séries que temos gravadas: Desmontando a Cidade (que passou no Discovery Channel) e Arranha-Céus (que passou no canal Odisseia) e gravámos e vimos pela primeira vez a série Como Funcionam as Cidades que tem andado a passar também no Discovery.

Cada episódio dura cerca de 45-50 minutos e cada série tem vários episódios.

A série Desmontando a Cidade tem oito episódios: Sidney, Toronto, Londres, Dubai, Los Angeles, Roma Antiga, e outros dois que não temos gravados nem vimos. Há ainda uma 2ª temporada que ainda não “apanhámos no Discovery”.

Na internet, só conseguimos descobrir os episódios que passaram em Espanha (que não foram passados/numerados pela ordem que passaram no Discovery, cá, e que temos gravados), mas dá para terem uma ideia. Vejam, por exemplo, este episódio sobre Sidney. E este sobre Londres. E este sobre o Dubai.

Da série Arranha-Céus temos oito episódios gravados (faltam-nos dois). O Alexandre gosta especialmente do episódio sobre o Cira Centre de Filadélfia (já o vimos ao vivo, na nossa viagem a Nova York (!), de onde apanhámos o comboio até Filadélfia), do episódio sobre o One World Trade Center (que também já vimos ao vivo!), a Torre Mayor da Cidade do México e a One Canada Square de Londres. Eu ainda não vi todos os episódios que temos. Ele já, mais do que uma vez.

Não consegui encontrar nenhum dos episódios da série na internet, para poderem ter uma ideia, mas são muito bons, desde características da sua construção mencionando os autores do projeto, dificuldades e coisas assim.

A série Como Funcionam as Cidades tem então sido nova para nós. Já vimos e gravámos cinco episódios: um sobre a Eletricidade, outro sobre como se abastecem as cidades de Comida, outro sobre a construção de Arranha-Céus como solução para a falta de espaço para construção nas cidades, outro sobre Sistemas de Transportes e o quinto sobre o Abastecimento de Água.

 

Leave a comment »

Arquitetura e Urbanismo II

Caderno Verde

Arquitetura e Urbanismo II

. Construção de uma grande torre, no Minecraft:

O exterior.

20150105_163437 20150105_163500 20150105_163512 20150105_163611 20150115_164535

Num outro mapa do Minecraft, a estação do Oriente e, ao lado, um edifício de luxo, com pormenores do seu interior.

20150115_164552 20150115_164611 20150115_164620 20150115_164627

O interior do edifício e pormenores da construção.

20150115_164638 20150115_164656 20150115_164741 20150115_164815 20150115_164834 20150115_164904 20150115_165026 20150115_165058 20150115_165138 20150115_165217 20150115_165233 20150115_165250

– Esquadra da polícia, construída num outro programa, o Lego Design. Baseada numa que possui mesmo em peças (e nas suas instruções de construção), mas bastante melhorada e com pormenores muito estudados para um bom sistema de segurança.

20150121_161114 20150121_161128 20150121_161139 20150121_161202 20150121_161220 20150121_161236 20150121_161308 20150121_161408 20150121_161538 20150121_161651

Leave a comment »

Arquitetura e Urbanismo

Caderno Verde

Arquitetura e Urbanismo

E também já cá faltava mais um pouco de arranha-céus, cidades e google-maps.

– Edifícios desenhados pelo Alexandre em programas/jogos de computador:

DSC01155

DSC01153

DSC01152

DSC01150

– Comparação “cidade no tempo”, isto é, ele vai desencantando fotos de determinadas cidades, comparando as fotos tiradas a uma cidade há uns anos atrás com fotos actuais da mesma cidade (vê-se bem na segunda foto abaixo, Xangai em 1987 e Xangai em 2013):

DSC01144

DSC01145

DSC01147

Faz isto com inúmeras cidades, anda sempre a ver a evolução e a expansão seja de aglomerados ou de redes urbanas (comboios, metro, etc., etc.) e depois constrói as suas cidades (em variados programas de computador que tem para o efeito, ou mesmo desenhando à mão), com as respetivas redes de infraestruturas e transportes e vai-as ampliando e registando as datas que elege para determinada obra/acontecimento. Algumas vezes resolve passar estes feitos para o papel e regista numa história fabulosa a expansão de determinadas urbes.

 

– E aqui, continuando a explorar o google-maps, sabe como fazer aparecer assinaladas as linhas de caminho de ferro (a preto, na foto), estações e coisas que tais, clicando em algumas opções disponíveis. Encontra tudo, nas cidades, em todo o mundo, com grande rapidez e facilidade já desde há uns anitos. Isto tem sido um interesse “de longa data” que vai tendo sempre novos desenvolvimentos.

DSC01148

 

 

Leave a comment »

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.