Leitura pelo Método Global

Boa tarde!

Um bocadinho de Métodos…

Pois lá enveredei pela pesquisa do aprender a ler pelo Método Global.

Já tinha ouvido o Robiyn falar que temos uma memória fotográfica mesmo para textos, ou seja, a nossa mente consegue apreender um texto só de olhar uns momentos para ele, a nossa mente é capaz de realizar prodígios inimagináveis, nós só estamos habituados a utilizar uma percentagem ínfima da capacidade do nosso cérebro. Em alguns textos sobre isto, li que só utilizamos habitualmente um décimo da capacidade do nosso cérebro, mas nos workshops do Robiyn ele diz-nos (e acabamos por comprovar isso mesmo) que a percentagem que habitualmente usamos é muitíssimo inferior.

Aprofundar tudo isto  só mesmo nos seus workshops, para mim, o Robiyn é o especialista em nos mostrar como começarmos, no próprio instante, a utilizarmos um pouco mais dessa capacidade não habitualmente utilizada.

Falei disto agora porque o Método Global aplicado à leitura assenta precisamente em algo do género, ou seja, as crianças não começam a aprender palavras e sílabas e como elas se juntam, mas têm contacto com um frase completa ou mesmo um texto completo, como se, ao olharem para textos completos que lhes digam algo, note-se, e ao ouvir alguém lê-los, e depois algumas frases em separado, fossem memorizando a forma escrita que nos transmite aquilo que correntemente ouvimos e falamos, até de repente associarem tudo e “desatarem a ler” qualquer coisa. E passam do global para o particular, do texto para a frase e para a palavra e só sepois conhecem as letras.

00000037

Dizem que, na generalidade, com este método, as crianças demoram mais tempo a começar a ler, mas depois de repente começam a ler tudo. Não tenho experiência nessa área, embora a Catarina, quando começou com a escola primária estava numa escola oficial que era tipo uma escola piloto onde experimentavam a leitura pelo método global, onde só andou no 1º e no 2º ano, pois depois, por mudarmos de residência, mudou de escola. E como eu não estava na altura sensibilizada para estes assuntos, não me cheguei a aperceber do resultado deste método com ela, lembro-me que aprendeu a ler facilmente, que quando dei por mim ela já sabia ler, mas não me lembro de detalhes.

Hoje em dia, até pela internet, via e-mail, recebemos textos com uma série de palavras sem as vogais ou com caracteres estranhos no meio para nos apercebermos que o “nosso cérebro lê” mesmo assim o texto na íntegra. Quem não recebeu ainda um e-mail desses?

Continuando as minhas pesquisas descobri que, juntamente com outras características, a leitura pelo método global é utilizada pela “escola Moderna”. E também Décroly (médico e pedagogo belga) e Freinet (professor e pedagogo francês) o utilizaram. 

Para a semana, falarei mais um pouco do movimento da escola moderna e destes dois pedagogos, pois há detalhes interessantes nas suas abordagens.

Então até dia 27, Lua Nova! Um abraço a todos.

 

Caderno Verde

Nem só de comboios e pontes vive o homem

Pois!

Apesar das preferências irem para os transportes e as construções de grande porte, e através desses temas aprender muitas coisas, o pequeno também gosta de outras actividades, como por exemplo, COZINHAR.

Já o temos na página sobre este projecto a mexer o famoso bolo de chocolate vegan. E aqui, podemos vê-lo lá no campo, este ano, em Setembro, a ajudar a avó a fazer pão.

O que vale é que temos uma avó, que embora também viva na cidade, nasceu no campo e ainda tem lá a sua casinha, com uma cozinha e um forno numa “outra casinha”, como diz o Alexandre, cá fora.

Ora apreciem…

Já cozidinho...

Já cozidinho...

... e quentinhos!

... e quentinhos!

Nesse dia, também aproveitámos o aquecer do forno a lenha para fazermos batatinhas com cebolas e pimentos assados e seitan. Os vegetarianos comem coisas gostosas…

Ora espreitem!

As batatinhas (antes de irem para o forno)...

As batatinhas (antes de irem para o forno)...

O seitan...

O seitan...


Anúncios

8 Respostas so far »

  1. 1

    isabeldematos said,

    A receita, antes que a Meninheira pergunte 🙂
    É muito simples:
    É só descascar as batatas e as cebolas (partimo-las aos bocadinhos para assarem mais depressa, pois o seitan assa rapidinho), limpar os pimentos (verdes e vermelhos) e cortá-los também aos pedaços e desta vez juntámostambém tomate aos pedaços, pois não tinha “massa de pimentão” que habitualmente uso.
    Colocar em tabuleiros que possam ir ao forno (colocámos o seitan num tabuleiro à parte porque assa mais rapidamente que as batatas – o seitan compra-se em lojas de produtos naturais e já existe em alguns supermercados. É feito com glúten de trigo, proteína pura e pode fazer-se em casa. Normalmente compro. Nesta receita corto-o às fatias).
    Depois é só temperar com alho picado, sal e bem regado com azeite e o sabor especial dá-lhe o forno de lenha (mas também costumamos assar em casa no forno do fogão 🙂 )
    Beijinhos
    Isabel

  2. 2

    isabeldematos said,

    Ah! A receita do pão, não sei, é a avó que faz. É pão de trigo e levedou durante muitas horas, ela levantou-se cedinho para podermos ter o pão feito à hora do almoço. O Alexandre ajudou a amassar na parte final e a a dar o formato aos pãezinhos (os da foto são os pequeninos “moldados” por ele, mas também havia grandes)!
    Beijinhos de novo,
    Isabel

  3. 3

    Paula said,

    Estás-me a abrir o apetite! E a dar-me saudade desses pãezinhos à portuguesa!

  4. 4

    isabeldematos said,

    🙂 Aí já são horas de jantar, não é? 🙂

  5. 5

    Paula said,

    É verdade, aqui jantamos cedo em comparação com Portugal…

  6. 6

    valedegil said,

    Mas que bela receita, a das batatinhas. O pão também fazemos, no início no forno normal (fica muito bom na mesma), agora numa daquelas máquinas de fazer pão.

  7. 7

    Andreia said,

    Olá Isabel,
    é maravilhoso ir acompanhando o Blog….
    Quanto ao pão é das coisas que mais gosto de fazer….tenho o sonho de
    ter um forno a lenha!
    O toque nas massas de pão , biscoitos, pastas e etc é fantástico e a envolvência no amassar
    dá uma maior noção da importância do nosso toque na comida…
    E o crescer com essa experiência é óptimo!
    Que lindo está o Alexandre 🙂

    Agradecida pelos comentários no meu Jardim, fico sempre muito feliz.
    Sabes que voltei a beber café aqui porque gosto muito de café de filtro e
    é mais suave do que as bicas.
    E bebo nestas circunstâncias….acabadinho de fazer….é tão bom!

    Beijinhos e Abraços com perlimpimpins da Terra das Fadas…

  8. 8

    meninheira said,

    hahahaha Isabelinha, ja me conhezes!! :DDDDDDD

    Eu faço o peixe muito semelhante e sou uma namorada deses pãezinhos portugueses!! o meu pai sempre traz uma saca cheia e eu gardo no congelador e vou torrando con manteiga mmmmmmmmm


Comment RSS · TrackBack URI

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: