Afinal o Melhor é Seguir Sem Métodos

Olá  a todos!

Mesmo tendo gostado de muitas coisas do que li sobre o método moderno, aprender a ler pelo método global e sobretudo o que deixei há dois artigos atrás para consulta sobre o Freinet, ao fim de umas quantas leituras apercebi-me que o melhor é não seguir qualquer método, ou melhor, seguirmos a nossa intuição e adoptarmos o que sentirmos que se adequa, a todo o instante.

Ainda li mais uns livros sobre este assunto da educação e vou mencionar aqui dois, interessantes, para quem estiver interessado em ler:

“A Educação e o Significado da Vida ” de Khris Nammurti

” Da Escola Sem Sentido à Escola dos Sentidos”, de António Torrado

dsc00628

Entretanto parei um pouco com as pesquisas, pois ainda faltavam uns anitos para o Alexandre fazer os seis e continuámos a desenvolver actividades com ele.

Dediquei-me a inovar algumas facetas na minha área profissional, o Pedro também.

E quanto a esta área, tínhamos sempre na ideia formarmos um grupo pequeno, os alicerces de uma futura escola cujas vivências estivessem em consonância  com a forma como agora sentimos ser o mais adequado à “educação” das crianças, com tudo o que nos tinha feito sentido quando o Robiyn falava sobre a “educação”.

Afigurava-se uma dificuldade: os nossos amigos, com crianças, que partilham de algum modo da maioria destas intenções (família, amigos que conhecemos nos workshops do Robiyn e amigos que fomos conhecendo entretanto e que também não gostariam de pôr as suas crianças nas escolas habituais), estamos muito dispersos no que diz respeito ao local onde moramos. Das duas uma: ou íamos morar todos para a mesma localidade e começávamos aí a escolinha ou não e não dava para pensar numa escola a meio caminho, pois ninguém iria fazer uma boa porção de kilómetros diários para levar os filhos à escola e voltar para o trabalho, etc.

Um belo dia, na revista Pais & Filhos publicaram um artigo sobre “escolas alternativas”. 

Achei especial piada à Escola dos Gambozinos, no Porto. Com os dados indicados no artigo telefonei para a escola e falei com um dos associados, que me explicou que se instituiram como uma Associação Cultural sem fins lucrativos, dando-lhe o nome de “Educação pela Arte” e começaram com um projecto baseado nas mais variadas actividades artísticas e com uma forte componente musical e depois foram-se desenvolvendo e, usando a opção do ensino doméstico para as crianças inscritas naquela escola (matriculam-se todas oficialmente na escola oficial mais próxima da sede desta escola, porque eles funcionam em dois espaços perto um do outro, pois já têm inúmeras actividades e um nº considerável de alunos), funcionam já com o 1º ciclo, não seguindo programas nem currículos, misturam as várias idades e têm mais uma série de características interessantes como aprender matemática através de jogos e sempre muito vincada a componente artística (plástica, musical, teatral, etc). É um projecto muito interessante e já a decorrer há alguns bons anos…

dsc00638

Então comecei a prestar mais atenção à figura do ensino doméstico…

Continuamos para a semana, dia 19, Quarto Minguante…

Beijinhos para todos!

 

Caderno Verde  

Uma forma de começar a conhecer os algarismos

A subir escadas de um edifício.

O namorado da mana Catarina não entra em elevadores.

Ou melhor, não entrava. Muito recentemente, com ajuda do Robiyn (frequentando workshops e tendo feito uma “orientação particular” começou a transformar este medo, já muito enraizado, de andar de elevador e há cerca de 2 semanas já experimentou e conseguiu, por duas vezes, andar de elevador). 

Quando ele está connosco, o Alexandre, desde pequenino,  aproveita todos os momentos para estar com o seu muito amigo Bato (como começou a chamar-lhe antes de saber dizer correctamente o seu nome. Já o sabe dizer, mas como nós começámos também a chamar-lhe Bato e continuámos, pronto, continua Bato).

O Bato subia sempre  de escadas, em todos os edifícios (no nosso, nos dos amigos que visitamos…) e o Alexandre sobe as escadas com o Bato. E sempre se entretiveram a contar os andares e, ao passar pelo algarismo escrito numa plaquinha em cada andar, a lê-lo: este é o 1, este é o 2, este é o 8, este é o 9…

dsc00640

Pronto, desde cedo que o Alexandre reconhece os algarismos. Muito antes de lhe lermos os livrinhos onde aparecem os algarismos e a quantidade de maçãs, chapéus, bolas, estrelinhas, a eles associada. Surpreendeu-me da 1ª vez a reconhecer um dos algarismos, escrito num papel, ainda com 3 anos.

Tivémos um problema: Um dia ele contou quantas estrelinhas estavam numa figura e começou: 0, 1, 2, 3…

Eu instintiva e rapidamente lhe disse, ” É 1, 2, 3 … o zero não conta”.

Desencadeei uma discussão. “Mãe, o zero conta!!!!”

“Filho, não conta… o zero…”, e preparava-me para uma explicação.

“Mãe, o zero conta, o zero é o chão!!!”

Foi aí que percebi de repente e me calei.

Incoerências dos adultos na utilização que fazem do zero. 

Para além de que, de facto, o zero não existe, é uma abstracção.

“É verdade, o zero conta às vezes, tens razão”. 

Na sua lógica, que percebi logo ali, o zero contava, de facto, o piso zero, o rés-do-chão, ainda por cima subimos umas escadinhas depois da porta da entrada e aí é que fica o rés-do-chão que não está rés ao chão…, é um piso real, moram lá pessoas, conta!!!

Depois de ler o “Como as crianças aprendem”, de John Holt (ou o “Como aprendem as crianças”, conforme estejamos a ler a edição brasileira ou a portuguesa), passei a ter mais atenção a estes pormenores extraordinários da “aprendizagem” das crianças. E à não necessidade em estarmos “preocupados” em corrigi-las. Nem à necessidade de grandes explicações.

Claro que ainda sou apanhada nos hábitos e vícios de anos e daí a minha instintiva, rápida e peremptória correcção na altura precisa do “erro”… sem atender ao contexto da sua aprendizagem, que ainda por cima conheço.

Mas também rapidamente percebi, associei às muitas experiências contadas pelo John Holt,  e abstive-me de continuar a contrariá-lo, corrigi-lo ou de ficar a pensar numa forma de o fazer perceber mais tarde como se conta uma porção de objectos. Desprendi-me completamente do assunto, confiei nas suas capacidades em aprender facilmente o que lhe interessa e nunca mais me lembrei do assunto.

Hoje, um ano depois desta história, ele já faz contas simples de adição e subtracção (nem sei como aprendeu, pois foi com a Catarina que começou a fazê-las) e quando conta os objectos que estão nalgum lugar (ou as suas carruagens dos comboios!) diz correctamente se estão lá duas, cinco ou dez.  Conta bem até 39, e conta até dez em inglês, em francês e em espanhol (porque gosta e pediu para lhe dizermos como se contava nessas línguas…). E já deve ter percebido que às vezes “o zero é o um e outras vezes não”.

Anúncios

5 Respostas so far »

  1. 1

    Patrícia said,

    Isabel,

    vieram-me as lágrimas aos olhos: “Mãe, o zero conta, o zero é o chão!!!”

    Beijinhos

  2. 2

    Tu nem estás é bem a ver como é que eu fiquei… é preciso ter muita atenção a estes pormenores e nós muitas vezes não estamos lá muito preparados para os perceber.
    Obrigada, Patrícia, beijinhos
    Isabel

  3. 3

    Patrícia said,

    “Tu nem estás é bem a ver como é que eu fiquei…”

    Não, efectivamente não estou a ver… mas consigo imaginar, do tipo: “mas da onde é que o Alexandre foi desencantar uma resposta assim…” ;o)

    Não é?!

    A minha filha também vai tendo umas destas… por vezes só ela vê – o avião, o pássaro – e depois de muito esforço da minha parte para ver também (pois se ela consegue ver, eu também consigo) lá eu olho para o mesmo sítio e lá está – o avião, o pássaro.

    E quando eu vejo faço uma festa!!! E ela também – género: “Finalmente esta consegui ver também…” ;o)))))))))))

    Beijos

  4. 4

    É… foi tipo, “Como ele tem razão!… E eu para aqui bitolada pelo que conhecemos…”
    Beijinhos, Patrícia, isto é mesmo uma aventura e ao mesmo tempo um êxtase, quando percebemos a maravilha e a simplicidade deles!
    Obrigada pelos teus comentários.
    Isabel

  5. 5

    Patrícia said,

    “Obrigada pelos teus comentários.”

    Não me agradeças a mim, agradece à minha filha. ;o)

    “quando percebemos a maravilha e a simplicidade deles!” Ainda me lembro de ser assim (muito ao de leve)…

    Andava eu na Universidade e uma amiga minha disse-me qualquer coisa como: “Tu nunca te fartas de fazer perguntas?” e eu “Ah?!”. Ela não me estava a criticar, estava apenas a constatar a minha curiosidade face a algo…

    A minha filha quando vai a algum lugar novo põem-se a olhar como que “a medir o lugar novo”… ;o)


Comment RSS · TrackBack URI

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: