Estão a acabar-se os tempos de uma só Profissão…

Olá crianças crescidas!

Voltamos ao tema do que gostamos de fazer…

Quando era pequena gostava de fazer muitas coisas das mais variadas áreas e gostava de saber quase tudo. Como tinha as tais “notas altas”, sem fazer nenhum “esforço”, na altura de escolher que curso seguir tive algumas dificuldades, porque havia vários, ou melhor muitos, que me pareciam ser um curso que eu gostaria de frequentar. Na altura, os testes psicotécnicos em nada ajudaram. Deram como resultado uma panóplia de cursos que eu poderia seguir sem dificuldade, mais ou menos os mesmos do leque de escolha construído por mim. Aconteceu algo parecido este ano com a nossa filha Celina. Também para ela os testes psicotécnicos de pouco serviram, no entanto conheço jovens que os fazem e os ajudam de certo modo. Com ela já tive outro tipo de conversa, baseada naquilo que vou dizer a seguir, sabendo, no entanto, que a estrutura socio-económico-cultural destes “tempos” (e deste País) não facilita muito…

A primeira vez que me pus a reflectir neste assunto do exercer  de uma profissão foi num dos workshops do Robiyn, quando ele falou que o natural seria nós termos mais de uma profissão ao mesmo tempo (claro que a tal estrutura socio-económica teria de ser outra). Dado “os meus antecedentes”, que expus acima, isto fez-me todo o sentido.

Mais tarde (uns bons anos depois…), por indicação de um formador (de informática, vejam!), num curso de formação facultado pelo município para o qual trabalho, li o livro “O Papalagui” (já tinha ouvido falar nele, mas nunca o tinha lido), onde este “hábito”/estrutura de cada um com o seu ofício está muito bem caricaturado (o meu livro é da editora Antígona). É um livro pequeno, lê-se rapidamente.

dsc00943

Para quem nunca leu, o livro consta de discursos proferidos por Tuivii, chefe de tribo de Tiavéa nos mares do Sul (Polinésia) compilados por Erich Scheurmann e publcados pela primeira vez na Alemanha, em 1920. Os discursos são proferidos pelo chefe da tribo aos seus compatriotas polinésios, após contacto com os europeus, falando sobre a “bizarria” dos costumes do “Papalagui” (o Branco, o Senhor).  São vários os temas, mas o que entra aqui neste contexto de uma só profissão é o discurso ” Das profissões do Papalagui e da confusão que daí resulta”. Vou só pôr aqui uns pequenos excertos para terem uma ideia (o melhor é ler-se o livro… 🙂  ):

“Todos os Papalaguis têm uma profissão. É difícil explicar-vos o que isso é. É qualquer coisa que uma pessoa devia ter vontade de fazer, mas que raramente tem. (…)

Se o Papalagui mais tarde se der conta de que prefere construir cabanas a tecer esteiras dizem: “Enganou-se na profissão!” o que equivale a dizer “Aquele falhou o alvo!” (…)  

O Papalagui transforma tudo quanto o homem é capaz de fazer numa profissão. Quando um branco diz: “Sou tussi-tussi!” (Nota: tussi – carta; tussi-tussi – escrivão público), isso é a sua profissão; não faz outra coisa que não seja escrever cartas umas atrás das outras. Não é ele que enrola a sua esteira e a prende numa trave, não é ele que vai à cabana-cozinha cozer um fruto, não é ele também que lavará a sua malga. Come peixes, mas não vai à pesca, come frutos, mas nunca os apanha; escreve tussi atrás de tussi, pois tussi-tussi é a sua profissão. Da mesma maneira, todos aqueles actos são outras tantas profissões: enrolador e arrumador de esteiras, cozinheiro de frutos, lavador de malgas, pescador de peixes, colhedor de frutos. Só a profissão confere a cada um o direito de exercer uma actividade. Assim se explica o facto de a maior parte dos Papalaguis apenas saber fazer o que constitui a sua profissão. (…)  

É raro que um Papalagui adulto saiba ainda dar cambalhotas ou fazer cabriolas como uma criança. Ao andar arrasta o corpo como se houvesse alguma coisa a entravar-lhe os movimentos. Nega ele que isto seja uma fraqueza e pretende que correr, dar cambalhotas ou fazer cabriolas é contrário à dignidade de um indivíduo que se preze. Mas é uma explicação falsa, esta; na realidade, os seus ossos endureceram e tornaram-se rígidos e os músculos perderam toda a sua flexibilidade, pois a profissão dele os condenou ao sono e à morte. (…)

É agradável ir buscar água à ribeira uma ou várias vezes ao dia; mas quem tiver que ir buscá-la todos os dias e a todas as horas, desde o nascer ao pôr-do-sol, até as forças o abandonarem, quem vai e torna a ir, sem descanso, à ribeira, acaba por atirar, de raiva, o cântaro para bem longe, a fim de libertar o corpo de tais cadeias. De facto, nada há de mais penoso para o homem do que fazer sempre a mesma coisa. (…)

É por isso que os indivíduos de diferentes profissões se odeiam ferozmente uns aos outros. Há, no coração de todos eles, a modos como que um animal preso que se encabrita sem nunca conseguir soltar-se. Ficam todos roídos de inveja e de ciúme ao compararem a sua profissão com a dos outros; pois eles estabelecem uma diferença entre profissões nobres e profissões baixas, se bem que todas as profissões não passem, no fundo, de actividades parciais. Com efeito, o homem não é constituído unicamente por uma mão, um pé ou por uma cabeça: ele é isso tudo ao mesmo tempo. Mão, pé e cabeça foram feitos para estarem juntos. Um ser humano saudável sente-se realmente feliz quando todas as partes do seu corpo vivem em harmonia com os seus sentidos, e não quando apenas uma parte do seu corpo vive, e todas as outras estão mortas. Isso perturba, desespera e faz uma pessoa adoecer. (…)

O Grande Espírito não quer, de certeza, que nos tornemos cor de cinza por causa da profissão, que nos arrastemos como uma tartaruga ou rastejemos como um molusco do fundo do lago. Quer ver-nos, isso sim, firmes e altaneiros em tudo quanto fizermos, sem nunca perdermos a alegria do olhar e a agilidade dos membros.”

É engraçado o livro. A nossa filha Catarina é que, no fim de lê-lo disse que quando lê estes livros que apelam uma “sociedade” mais “natural” e com um pouco mais de sentido fica com vontade de ir viver para bem longe das cidades. Digo-lhe a brincar que se quiséssemos ter nascido numa tribo como a d’ “Os Deuses Devem Estar Loucos”, tínhamos nascido; que se optámos por nascer por aqui por alguma razão terá sido, quem sabe mudarmos algo em nós e ajudarmos a mudar qualquer uma das coisas que não fazem sentido para nós. Para mim faz mais sentido sentir isto assim do que pensar que somos vítimas de que circunstância for…

Também no livro de Marlo Morgan, “Mensagem do Outro lado do Mundo”

dsc00941

onde ela, americana, médica de profissão (! 🙂  ), relata a sua viagem à Austrália e a sua experiência junto de um povo arborígene, há passagens muito giras  tais como as que explicam que os membros desse povo até unem o nome próprio ao  seu “ofício do momento” e que, por isso, quando passam a exercer outro dos seus talentos mudam de nome, adequado à nova “profissão”. Vou só deixar aqui duas passagens do livro:

” (…) Ooota disse qualquer coisa ao grupo e cada pessoa me disse qualquer coisa. Estavam a dizer-me os seus nomes. As palavras eram muito difíceis para mim mas, felizmente, os seus nomes tinham significado. Os nomes não são usados da mesma forma como nós usamos “Debbie” ou “Cody” nos Estados Unidos, pelo que podia relacionar cada pessoa com o significado do nome, em vez de tentar pronunciar a palavra em si. Todas as crianças recebem um nome quando nascem, mas parte-se do princípio de que, à medida que uma pessoa cresce, o nome de nascimento fica desactualizado e as pessoas escolhem, para si próprias, uma saudação mais adequada. Quando tudo corre bem, o nome de uma pessoa muda várias vezes pela vida fora, à medida que a sabedoria, a criatividade e os objectivos se definem mais claramente com o tempo. O nosso grupo incluía Contadora de Histórias, Fabricante de Ferramentas, Guardadora de Segredos, Mestra Costureira e Grande Música, entre muitos outros. (…)

(…) No fim do nosso festival, os instrumentos foram novamente colocados no sítio onde tinham sido encontrados. As sementes foram postas na terra para se desenvolverem novamente. Foram pintados sinais na parede da rocha, indicando a colheita disponível para os viajantes seguintes. Os paus, o ramo e as pedras foram abandonados pelos músicos, mas a alegria da composição criadora e o talento ficaram como confirmação do valor e da auto-estima de cada pessoa. Um músico transporta a música  dentro de si. Não precisa de um instrumento específico. Ele é a música. Nesse dia, pareceu-me que aprendi também que a vida é um auto-serviço. Podemos enriquecer as nossas próprias vidas, dar a nós próprios e ser tão criadores e felizes quanto o permitirmos a nós próprios ser. O compositor e os outros músicos afastaram-se de cabeça erguida. _ Óptimo concerto _ comentou um dos músicos. _ Um dos melhores_ foi a resposta. Ouvi o indivíduo distinguido dizer: “_Acho que, não tarda muito, vou mudar o meu nome de Compositor para Grande Compositor.” Não era um ego inchado que eu estava a observar. São apenas pessoas que reconhecem os seus talentos e a importância de partilhar e desenvolver as inúmeras maravilhas que nos são concedidas. Existe uma ligação importante entre o reconhecimento do valor próprio de cada um e a celebração da atribuição pessoal de um novo nome.”

Adorei ler este livro. Numa caminhada através do deserto australiano a passo e passo na companhia deste povo arborígene, nómada, Marlo Morgan percebeu muitas coisas das que são verdadeiramente essenciais e naturais, de forma a transformar a sua vida.

Entretanto, também ouvi o presidente do projecto dna-cascais, no seu discurso de abertura a uma das apresentações dos projectos elaborados por jovens empreendedores, participantes do concurso “escolas empreendedoras”,  (o projecto dna incentiva o empreendorismo, sobretudo direccionado para a população jovem, mas não só), dizer algo como: “Antigamente, o usual era ter-se um emprego para toda vida. Na minha geração, já se começou a mudar de emprego e uma só pessoa começou a ter dois ou três empregos durante a sua vida. A geração que hoje está a ponto de iniciar a sua carreira profissional vai começar a ter, não só mais do que um emprego, mas sim exercer mais do que uma profissão ao longo da vida…”

Pronto, vão acabar-se os tempos de uma só profissão… 🙂

Claro que sempre houve pessoas a exercer mais do que uma profissão… ainda aqui há tempos uma das minhas cunhadas me contava que a ” sua esteticista” (com quem vai fazer a depilação) faz regularmente esse trabalho, dá aulas a crianças numa escola de aldeia (porque gosta de escolas mais pequenas) e é pintora (portanto, exerce três profissões ao mesmo tempo) e que costuma dizer que não sabe como é que as pessoas não se cansam de fazer sempre a mesma coisa, que ela adora fazer o que faz nesses seus três trabalhos…

Por outro lado, muitas mulheres que são mães e donas de casa para além da sua sua “profissão” remunerada, também têm três “profissões” (ou mais!), o que normalmente não é reconhecido nem apoiado por parte das instituições sociais.

Da nossa parte, estamos dispostos a aproveitar a possibilidade do ensino doméstico em Portugal, mesmo fazendo uma ginástica considerável para gerir tempos, dinheiros, recursos, actividades, possibilidades, porque sentimos que vai ser bom… para todos.

E também, cada um à sua maneira, vamos fazendo algumas das coisas que gostamos e com vontade de descobrir como fazer mais e melhor.

Uma bela semana, até breve… (dia 18, Quarto Minguante!)

 

Caderno Verde

Jogos de consola

Quando se tem em casa “meninos crescidos” que sempre gostaram de jogar através das consolas de jogos, é um pouco difícil afastar o mais pequeno dessa prática.

São os argumentos de que não faz grande coisa (à saúde, à socialização, etc.) passar-se muito tempo frente a um écran (adicionado ao tempo que ainda se passará a ver desenhos animados e filmes) versus os argumentos de que, bem direccionada a actividade, ajuda a desenvolver certas capacidades. Se bem que eu e o Pedro sempre estivémos de acordo quanto a não termos em casa brinquedos e jogos bélicos e reduzirmos ao mínimo o lado competitivo dos jogos e de certas actividades, incluindo as desportivas.

Assim, o Alexandre ainda se manteve um pouco afastado dos jogos de Playstation, mas agora com a Wii… lá vieram os argumentos da maior interactividade, do movimento, etc., etc. (para quem não está familiarizado – e eu também não o estou! 🙂  – , alguns jogos para a Wii, como os desportivos, por exemplo, implicam uma certa pose e movimento por parte dos jogadores. E ao jogar pela primeira vez o jogo de bowling e de golfe, o Alexandre mostrou-nos que tem uma grande pontaria e jeito para acertar com a bola…

dsc01332dsc01334dsc01283dsc01303

Ele já me tinha dito um dia que “era bom” a jogar com as bolas, mas eu não liguei muito  pois ele nunca gostou muito de jogar nem ver jogos de futebol (aqui em Portugal, falamos em bola, falamos em futebol! 🙂  ). Nesse dia apercebi-me que de facto ele tinha razão, e a partir daí passou a ter gosto por jogar um jogo de bowling (pinos e bolas de borracha) que já lhe tinham oferecido há uns tempos e nunca tinha jogado e quem sabe não gostará mais tarde de experimentar o golfe “real” ou o bowling, quando tiver peso suficiente para não ir juntamente com a bola até aos pinos! 🙂

A Wii também satisfaz as delícias das meninas (sobretudo a mais velha) que adoram criar os bonecos participantes dos vários jogos (escolhe-se o tipo de cara, de olhos, de cabelo, sobrancelhas, cor dos mesmos, roupa, altura, nome…) e os entusiastas dos jogos de música (os de cantar, os de tocar, os de dirigir uma orquestra e até formar uma banda(!)) e ainda os entusiastas do yôga e do fitness.

Está claro que não é a mesma coisa que praticar as actividades “verdadeiras”, mas animam reuniões e festas, e a nossa casa tanto vêm os amigos artistas (ele são cantores, actores e actrizes, músicos, bailarinos…), como os desportistas…  (também  vêm , os vidrados em informática e em electrónica). A nossa é uma casa cheia!

Anúncios

11 Respostas so far »

  1. 1

    Que bom reler o Papalagui, um livro de que gostei muito, mas já li há muitos anos. É bom relembrar. O segundo não conhecia, é bom conhecer, obrigada!

  2. 2

    isabeldematos said,

    Isto foi uma amostra muito pequenina, tem textos tão giros, não é? Há livros que eu leio e passado uns tempos releio e dizem-me sempre algo mais…

    Beijinhos
    Isabel

  3. 3

    Lara said,

    Olá Isabel,
    Também li o Papalagui há muitos anos e já nem me lembrava bem. Uma boa oportunidade para reler.
    Quanto aos jogos, aqui em casa, com um rapaz de 18 anos, também foi complicado afastar a Catarina e a princípio isso angustiava-me um pouco. Mas ela foi percebendo as coisas e agora, embora jogue, fá-lo muito pouco (umas 2 ou 3 vezes ao mês) e não é porque eu proíba.
    Beijinhos
    Lara

  4. 4

    isabeldematos said,

    Lara, obrigada pelo comentário.

    Para nós (desde que ele não passe o tempo todo em frente à televisão, o que não faz, porque tem outros interesses 🙂 ), jogar não é problema, o tipo de jogos é que sim, pois há uma imensidade deles que não são nada construtivos! Daí que nós seleccionamos um pouco e ele próprio se vai habituando a distinguir os mais construtivos dos menos (tal como os filmes e séries), dentro dos temas que mais lhe agradam!…

    Beijinhos
    Isabel

  5. 5

    Rute said,

    Olá Isabel,

    que bom receber a tua visita no meu blog. Digo isto porque de outra forma teria sido mais dificil encontrar o teu maravilhoso “Escola Bela”.

    Desconhecia o livro Papalagui mas adorei os excertos e vou procurá-lo nas livrarias.

    Sou como o chefe da tribo, não entendo porque é que o homem branco só tem uma profissão, porque se limita ele com a especialização e porque não escolhe outro caminho para encontrar a felicidade. Apesar de não entender, sou um fruto da nossa sociedade, vivo presa nesta teia que teceram para mim, mas aos poucos vou-me libertar, acredita.

    Também sou como a tua filha Catarina. Provavelmente quando ler esse livro vou aumentar a minha vontade de ir viver para bem longe. Bom, mas vou acreditar nas tuas palavras e supor que estou aqui porque tenho por missão mudar as coisas que não fazem sentido para mim.

    Não me posso demorar mais, mas volto em breve para ler o resto do artigo. Parei no fim da matéria sobre o Papalagui.

    Beijinhos. Já agora…és de onde? podes responder por email caso não queiras responder publicamente.
    //publicarparapartilhar.blogspot.com/

  6. 6

    isabeldematos said,

    Olá Rute! Bem Vinda!
    Aos poucos estas coisas estão a mudar… 🙂 , com a participação de todos nós!

    Beijinhos
    Isabel

  7. 7

    Luísa said,

    Olá Isabel
    Obrigada pela tua visita ao nosso blog.
    Conheci o teu blog através do grupo do ensino doméstico, no qual estou inscrita apesar de não ter ainda participado :).
    Tal como tu também conheço a Natália e foi através dela que o ensino doméstico começou a ganhar raízes cá por casa. É minha/nossa intenção pôr em prática o “ensino doméstico” com os nossos filhos, apesar de ainda ser um pouco cedo para tomar qualquer decisão definitiva. Para já nenhum deles irá para nenhuma creche, ficarão em “casa” comigo até á idade escolar.
    Tenho lido com regularidade o teu blog e os “pés na relva” (do qual sou adepta incondicional).
    Vamos falando
    Um beijo
    Luísa

    P.S.- Já fui espreitar as casas de madeira que mencionáste, achei muito interessante 😀

  8. 8

    isabeldematos said,

    Olá Luísa, bem vinda! Obrigada também pela visita e pelo comentário.
    Gostei também do teu blog, pode ser que um dia nos possamos encontrar…

    Beijinhos
    Isabel

  9. 9

    JOSYNEY said,

    Gostaria de saber o que significa os liquidos que saqem das frutas mortas, que fruta estaé se refverindo o texto Papalagui no inicio da introdução do Papalagui não tem Tempo.

  10. 10

    […] Muitas vezes penso o que estaria a fazer hoje se não tivesse andado na escola. Tendo os pais que tive na altura (o meu pai já faleceu, a minha mãe continua a ser minha confidente, quando está melhor de saúde) sei que me teria saído muito bem como homeschooler (unschooler ainda melhor) e talvez não tivesse tido e não estivesse tendo tanto trabalho a transformar as limitações que às vezes nem me apercebo que tenho. Com certeza teria várias profissões (ou melhor, ocupações) que muito tivessem a ver comigo e não estaria “presa”, ainda, a uma profissão que não desgosto, mas que não me preenche, embora faça muitas outras coisas que “me preenchem”. Como comecei por por contar neste post e neste e neste outro. […]

  11. 11

    […] da mensagem), o “Mensagem do Outro Lado do Mundo” de Marlo Morgan (pode ler-se aqui neste outro post algo sobre […]


Comment RSS · TrackBack URI

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: