Projectos _ ideias a implementar por várias pessoas em vários locais diferentes…

Viva!

E mais um excerto de um livro de John Holt, hoje o finalzinho do “Dificuldades Em Aprender”:

” (…) deixei de acreditar que as “escolas”, por muito bem organizadas que sejam, constituam os locais adequados, ou os melhores para que este processo (o da aprendizagem) aconteça. Tal como escrevi em Instead of Education e em Teach Your Own, salvo raras excepções, o conceito de locais especiais de aprendizagem, onde nada acontece a não ser aprendizagem, já não me parece fazer sentido algum. O local mais adequado e o melhor lugar para as crianças aprenderem tudo o que precisam ou querem aprender é o local onde quase todas as crianças aprendiam, até há bem pouco tempo _ o próprio mundo, e no seio dos adultos.

Devíamos instalar em todas as comunidades (talvez em antigos edifícios escolares) centros de recursos e de actividade, clubes e outros locais onde pudessem ocorrer muitas espécies de coisas _ bibliotecas, salas de música, teatros, instalações desportivas, oficinas, salas de conferências _ que estariam abertos ao público e seriam usados tanto pelos jovens como pelos mais velhos. Cometemos um erro terrível quando (com a melhor das intenções) separámos as crianças dos adultos e a aprendizagem do resto da vida, e uma das nossas tarefas mais urgentes é derrubar essas barreiras e voltar a reuni-los.”

DSC00938

Por outro lado, em muitos dos workshops do Robiyn, ouvi sempre falar nesta “reunião etária”, mesmo por exemplo, em relação aos idosos, que não deveriam ser isolados e sim continuarem a conviver com crianças e jovens. Que, de facto, é o que é natural, o que faz parte da vida.

A nossa compartimentação de tudo, incluindo as pessoas,  por faixas etárias, por sexo, por profissão e chegando ao pormenor da categoria profissional, etc., etc., transformou-nos em números, em abstracções.

Isso é possivel e pode ser usado para fins de estudo, de estatísticas e o que for, mas não pode comandar a nossa vida, agrupá-la “permanentemente”, destituí-la do seu conteúdo natural, impedir o seu curso natural…

Hoje em dia, pelo que transcrevi no post anterior e no de hoje, como Projecto a implementar, para além de, ou como complemento a, termos optado, conjuntamente com ele, pelo ensino doméstico como a modalidade a desenvolver em relação à escolaridade do nosso filho Alexandre, sinto uma grande simpatia pela possibilidade da existência desses centros de recursos e actividade preconizados por John Holt, “onde possam ocorrer muitas espécies de coisas”, como ele diz (o que também tem uma certa ligação com o meu post sobre as “interligações” 🙂     ).

Tenho um certo “feeling” que aos poucos vão surgindo centros de recursos e actividade como esses (já começam a existir alguns, só que são frequentados normalmente em horários pós-laborais ou pós-escolares, ou “aos fins-de-semana”, a ideia é, à medida que cresça a “escolaridade” frequentada na modalidade do ensino doméstico, mais crianças e jovens tenham um horário livre para os frequentar _ na proposta de John Holt, aliás, a ideia era mesmo esses centros se irem substituindo às escolas…      😉    , desde que seja numa perspectiva do unschooling e não em novas escolas, com novas regras, com outro tipo de professores… ou voltaria tudo ao mesmo, ou pior).

Por outro lado, também será necessário que os adultos envolvidos em profissões com horários rígidos, vão ao pouco transformando as suas profissões naquelas que lhes dizem algo mais intrinsecamente, que decorram de uma forma mais natural e livre, que para si tenham sentido e sirvam a comunidade. (Escrevi sobre as profissões aqui.)

Gosto de pensar num puzzle multidimensional, onde cada peça é única e todas as peças se encaixam! 🙂     E isso, para mim, diferentemente da utopia, é a realidade que nós não estamos actualmente a viver, porque a distorcemos (ou porque amassámos as peças e assim elas não encaixam no puzzle… cada um terá que reconstituir-se como peça única e impecável, nós próprios sendo nós próprios _ falo por mim, que continuo nesse processo!)

E é verdade, por ter falado em livros, a Paula do Aprender Sem Escola, colocou neste post links para uns quantos livros disponíveis on-line, ligados de alguma forma ao unschooling/homeschooling, livros em português e livros em inglês. É-nos de muita utilidade!

Beijinhos para todos, até para a semana dia 7 de Julho, Lua Cheia!

Caderno Verde

Uma grande Aventura

“Isto é uma grande Aventura! Vamos de barco a uma ilha!” _ o que o Alexandre não se cansava de dizer enquanto esperávamos pelo barco que nos ia levar (nós lá de casa, à excepção da Celina que decidiu não ir em prol dos exames da faculdade, mas por outro lado foi o Bernardo, e mais duas amigas nossas e os respectivos filhos _ éramos dez!) às Berlengas!

Foi um óptimo passeio e um óptimo fim-de-semana e uma grande aventura(!), como disse o Alexandre, todo contente.

Um barco cheio de “speed”,

DSCF0150DSCF0154

uma viagem bem divertida,

DSCF0309

uma ilha bem bonita,

DSCF0210DSCF0221DSCF0217

vistas maravilhosas,

DSCF0229DSCF0292

uma prainha

DSCF0230DSCF0235

banhos e brincadeiras,

DSCF0240DSCF0248 percursos pedestres mais à tardinha (estava bastante calor),

DSCF0253DSCF0263DSCF0268DSCF0288

gaivotas por todo o lado,

DSCF0215DSCF0294

ninhos de gaivotas e os seus bebés,

DSC01730 o forte,

DSCF0211DSCF0212DSCF0281

o farol,

DSC01722

DSCF0283

casas-de-banho públicas limpas, com sabão e papel (!) (tenho que mencionar, é mais forte do que eu…       🙂        ), um parque de campismo su generis,

DSCF0265

vistas e mais vistas maravilhosas

DSC01723

DSCF0273DSCF0209

e de novo o nosso barco para nos levar de volta ao continente. Chama-se “Pássaro do Sol”,

DSCF0132

que achámos piada po ser parecido com o título de uma canção que o meu tio músico escreveu para a Catarina cantar que se chama “Pássaro do Céu” (pode ser que um dia ela a grave e vocês possam ouvi-la     🙂    ). Sim, ela não gosta só de representar, também adora cantar _ é ela que dá a voz às músicas do coelhinho Titou, que já passou no Panda (existe em CD) e uma amiga dela, da Cativar, canta as do último CD do Golfinho Viky.

De volta, então:

DSCF0214DSCF0315DSCF0319

Para o Alexandre, os pontos altos foram as viagens no Pássaro do Sol

DSCF0144

(“Um dia vou conduzir um barco destes!”, disse, e também disse algo parecido no dia a seguir, ao subir no ascensor da Nazaré

DSCF0327DSCF0330DSCF0335DSCF0337DSCF0339DSCF0341

e a andar a espreitar o mecanismo que o movimenta e segura:

DSCF0368DSCF0372

“Um dia vou conduzir um ascensor destes”_ a somar à frase da semana anterior que pus no último apontamento do Caderno Verde “Eu sei que um dia vou ser um cozinheiro e cozinhar para muitas pessoas, para todos…”, já vamos em três “profissões”… mais, afinal, pois já disse que vai ser “maquinística” de comboios e pilotar naves espaciais), os faróis

DSCF0147DSCF0151

e a subida até lá acima.

Só me tinha apercebido de que ele gostava de faróis no outro dia, em Cascais, quando ficou vidrado numa montra que tinha vários faróis em miniatura. Temos que ir visitar um, há vários por lá, visitáveis.

Anúncios

13 Respostas so far »

  1. 1

    Paula said,

    Ena tantas aventuras! E as praias… que maravilha, essa água tão azul!

    Em relação à separação das faixas etárias, John Taylor Gatto também fala muito sobre isso, dizendo que ao colocar as crianças nas escolas e os idosos nos lares da terceira idade a sociedade perde o passado e o futuro, e a consciência de onde vem e para onde vai; a comunidade é substituida por networks ou redes sociais que, embora tenham a sua função, não nutrem as nossas necessidades humanas mais profundas, como a conexão, a intimidade, o pertencimento, a identidade, etc etc

    … e agora é melhor calar-me senão acabo por escrever um essay!

    Beijinhos!

  2. 2

    Enquanto o Alexandre dizia “Isto é uma grande aventura”, nós “os crescidos” só nos lembrávamos dos livros dos Cinco (neste caso éramos dez 🙂 ).

    Obrigada por partilhares o que diz o John Taylor Gatto, podes escrever os ensaios que quiseres!!!

    Muitos beijinhos
    Isabel

  3. 3

    velho said,

    cada vez mais vou me interessando por essa alternativa à educação.
    aos poucos dúvidas são esclarecidas também.

    Mais alguns problemas ainda me preocupam, no Brasil, país onde a taxa de analfabetos é muito grande como aplicariamos esse projeto…acho que deve ser feito gradativamente né?
    desculpem a minha ignorancia talvez, mas é que estou muito interessado em repassar o projeto por onde eu puder.

    abraços!

    yuri
    (www.paranois3.wordpress.com)

  4. 4

    Olá! Obrigada pela visita e comentário.
    Diferentemente de Portugal, no Brasil, o ensino doméstico não tem apoio legal como alternativa ao sistema escolar, mas há pessoas a praticá-lo e a desenvolvê-lo, ainda assim, tal como em Espanha, onde não existe também uma lei que considere o ensino doméstico e existe uma associação de homeschoolers a ALE e muitos praticantes, mais que em Portugal. Caso queira fazer perguntas sobre o homeshooling/unschooling e obter algumas respostas das várias famílias que o praticam em Portugal, pode inscrever-se no grupo do ensino doméstico (“grupo de discussão na internet”, português) em http://groups.yahoo.com/group/ensinodomestico/

    Um abraço!
    Isabel

  5. 5

    Patrícia said,

    Isabel,

    ora aqui está um sítio em Portugal que eu nunca fui e gostaria de ir um dia… não fora o único meio de transporte: barco! Enjoo e muito!

    A única vez que não enjoei foi numa viagem ao Pico (tenho a sensação) que levava uma menina ao colo que também enjoava de cada vez que a mãe (a trabalhar lá) a levava no barco. Resultado: estive tão entretida com a miúda que nem dei pelo passeio de barco.

    É que chega-me a tremer os joelhos e ter tonturas e tudo!

    E como eu adoro o mar!!!

    Nem vos conto como foi a visita à Ilha do Pessegueiro…

    Beijos

  6. 6

    Lara said,

    Mas que belo passeio, Isabel! E lindas fotos. Sempre disse que não queria ir às Berlengas pois enjoo um pouco de barco e sempre ouvi a fama do mar para ali para aqueles lados. Mas depois de ver as tuas fotos, confesso que fiquei com água n boca. Não sei se não vale a pena o enjoo!!!

  7. 7

    A ondulação estava boa, ninguém enjoou… e olha que o meu filho enjoa no carro por tudo e por nada…
    É um passeio bem bonito!
    Beijinhos, Lara!

    Isabel

  8. 8

    valebom said,

    Isabel, numa das tuas fotografias aqui do teu post (que ainda não tinha visto, porque tenho estado sem grande acesso à net) sobre as Berlengas está o barco do papá cá de casa 😉 Vê lá se descobres qual é 😉
    Há coisas tão engraçadas…
    Beijos grandes

  9. 9

    É o que está estacionado ao lado do Pássaro do Sol?

    Beijinhos, que coincidências… 😉

    Isabel

  10. 10

    valebom said,

    ahahahaha… e só agora reparei que afinal aparece em 2 fotos 😉
    beijocas

  11. 11

    […] termo “unschooling”), já muitas vezes falados aqui neste blog (podem ler este post e este), “Como As Crianças Aprendem” (“How Children Learn”) e “Dificuldades […]

  12. 12

    […] num dos primeiros posts deste blog, “Projectos_ ideias a implementar por várias pessoas e em vários locais diferentes“, exteriorizei a ideia de começarmos a implementar alguns “centros de […]

  13. 13

    […] “Ensino Doméstico (Homeschooling) e John Holt“ “Aprender por Saltos“ “Seguindo os seus interesses“ “Seguindo os seus interesses II“ “Seguindo os seus interesses III“ “Representações, Abstracções, Símbolos… Falar, Ler, Escrever II“ “Projectos _ ideias a implementar por várias pessoas em vários locais diferentes“ […]


Comment RSS · TrackBack URI

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: