Architecture 3D e Geografia

Vivam, bom dia!

Hoje um post dedicado simplesmente ao Caderno Verde…

Beijinhos a todos.

Isabel

x

Caderno verde

Architecture 3D e Geografia

Foi um presente de aniversário de há uns anos atrás, ao qual ele ainda não tinha ligado. Estava lá no “molho” dos recursos a utilizar quando surgisse o interesse. Não fui lá buscá-lo. Ele próprio foi desencantá-lo do “molho”. E isto porque de repente redescobriu que tinha estes “monumentos” para construir e que eram parecidos de alguma forma com as maquetes que vira há dias no Museu de Eletricidade (ele e a mana já lá voltaram, depois da última vez que postei aqui sobre a ida ao Museu, pela altura do Natal e ainda vou falar mais tarde aqui no blog sobre esta última ida, pois desta vez tiveram direito a visita guiada…). Ele adorou as maquetes (a maquete do museu e mais algumas). E uns tempinhos depois, ao ver estas que tinha em casa, fez-se a ligação.

Primeiro puxou de uma folha, olhou para os desenhos que vinham no caderninho das instruções e pôs-se a desenhar a Ponte da Torre e a Torre Eifel:

Depois quiz começar a “construir” os monumentos: Torre de Pisa, Torre Eifel, Torres Petrona e o “Hotel de 7 Estrelas do Dubai” (que tem um nome que nós não conseguimos pronunciar lá muito bem…                      ;)          “Burj Al Arab” ). A ponte já não a temos, pois foi o que ele primeiro quiz começar a construir na altura que lhe deram o presente, mas logo desistiu e entretanto perderam-se as peças em cartão…

Começámos pela de Pisa, que era mais fácil (ainda assim, aquele material não é muito fácil de encaixar as peças nem de pôr a torre em pé, ele seguia as instruções, dava-me as peças e eu efetuava os encaixes mais difíceis e ele os mais fáceis.

Quando chegámos ao “hotel de 7 estrelas” que ainda não sabíamos que o era (pesquisámos logo assim que começámos a trabalhar nele), diz o Alexandre:

“Este é-me familiar… ah(!), já sei, é no Oriente!”

Estava a referir-se a um edifício que existe no Parque das Nações (no “Oriente” daqui de Lisboa). De facto a forma é parecida…

Depois descobrimos então que este não era “deste Oriente”, mas “do outro Oriente”, nos Emirados Árabes, mais propriamente no Dubai            :)           Ele adorou o facto de ser o único hotel de 7 estrelas que existe no mundo… (quer lá ir, espertalhoco).

As Petrona e a Eiffel:

No fim de tudo pronto, começámos a falar dos países onde se encontravam todas estas torres. Ele já sabia que a Eifel está em França e gostou de saber que a de Pisa é em Itália (e lá foi buscar o globo e estivémos a localizar tudo no globo terrestre! Dubai, Kuala Lumpur na Malásia perto da Austrália, uau! Ele gosta muito da Austrália, parece-me que por causa das histórias dos irmãos koala e também por ficar próxima do Pólo Sul).

Depois fomos “à net” ver as fotos das torres (para ter uma noção mais aproximada… queríamos era viajar até lá!!!). Também lemos sobre algumas, na Wikipédia.

E a seguir estivémos a ler o resumo que vem nas instruções (acabámos pelo que é usualmente o começo         ;)               ) :

“Puzzles de arquitectura em 3D! Monta as tuas miniaturas e viaja pelo mundo inteiro. Peças de cartão e instruções com desenhos passo a passo. É fácil!

a.Ponte da Torre (Tower Bridge):

Construída sobre o Rio Tamisa em Londres em 1894, é uma das pontes mais famosas e conhecidas do mundo. Esta ponte levadiça, projetada por Horace Jones, que também foi Arquiteto da Cidade, tem 244 m de comprimento e duas torres de 65 m de altura, e permite o tráfego fluvial.

b. Burj Al Arab:

É o segundo hotel mais alto do mundo, e o único com a classificação de 7 estrelas. O Burj Al Arab converteu-se num símbolo da singularidade da cidade de Dubai, nos Emirados Árabes. Tem uma altura de 321 m e encontra-se situado no mar, sobre uma ilha artificial do Golfo Pérsico ligada a terra firme por uma estrada. A sua construção terminou em 1999.

c. Torres Petronas:

As Torres Petronas, em Kuala Lumpur (Malásia), são as torres gémeas mais altas do mundo, com uma altura de 452 m, 88 pisos e uma fachada realizada em aço e vidro. Foram desenhadas pelo arquiteto argentino César Pelli, e finalizadas em 1998. Evocam motivos tradicionais da arte islâmica, em homenagem à herança muçulmuna da Malásia.

d. Torre de Pisa:

A Torre de Pisa é a torre-campanário da catedral com o mesmo nome. A sua construção iniciou-se em Agosto de 1173 e prolongou-se durante 200 anos. A torre começou a inclinar-se logo no início da sua construção, sendo a sua inclinação atual de aproximadamente 4º. É uma torre de 8 pisos, rematada por um campanário e por uma escada interior em espiral com 294 degraus.

e. Torre Eiffel:

Símbolo de Paris e um dos monumentos mais visitados do mundo, foi construída para a Exposição Internacional de 1889. Trata-se de uma estrutura de ferro pudlado com 300 m de altura, desenhada por Gustave Eiffel. Foi o edifício mais alto do mundo durante mais de 40 anos, até ser superada em 1930 pelo edifício Chrysler, em Nova Iorque.”

Ai o que ele gostou dos 244m de comprimento, dos 321 m de altura e o único de 7 estrelas, dos 452 m e 88 pisos dos 200 anos em construção e dos 294 degraus!!! Depois já queria saber qual era o edifício mais alto do mundo e a maior ponte do mundo e… a maior cidade do mundo (o que foi uma dificuldade em encontrar, pois quando procurava no google aparecia-me a maior cidade em densidade populacional e ele queria mesmo era a maior em área)!

Como extrapolou para as cidades: não extrapolou, descobri depois que o interesse repentino pela architecture 3D não veio só das maquetes do museu da eletricidade, mas também do puzzle da cidade de Nova Iorque (Manhattan) que andamos a resolver, do seu jogo de computador para construir cidades (ele já tem vários, mas com o último, agora, também dá para introduzir fenómenos naturais, tais como trovoadas e vulcões e então ele adora este ainda mais que adorava os outros).

Também tem “construído” cidades pela sala e corredor fora, usando vários materiais, entre os quais as próprias caixas onde arrumamos as peças Lego para “fazer de edifícios” (não somos nós que dizemos que os edifícios são uns caixotes?) e então, uns dias depois desta sessão de arquitetura 3D, “construíu” mais uma vez uma destas cidades pela sala e corredor fora e foi quando eu descobri que a nova cidade estava mais completa que as outras, pois agora em algum lugar existe uma torre inclinada (a de Pisa, mas não em Pisa), uma torre de ferro pudlado, duas torres gémeas e um hotel de 7 estrelas! É uma cidade e pêras!

Ontem pediu-me para lhe ensinar a desenhar prédios que não parecessem planos e explicou-me: “Estás a ver aqui o puzzle da cidade? É plano, mas os prédios parecem tridimensionais, reais, estás a ver?”. Lá lhe expliquei como introduzir a perspetiva (à mão livre e a mais simples) nos desenhos. Experimentou, mas não gostou do resultado, ele queria mesmo um resultado perfeito, como o do puzzle e o puzzle provém de uma fotografia!

Trabalho para durante uns tempos!!!                                                🙂

E fazendo mais uma ligação, no mês passado (parece-me), houve um dia em que o Pedro teve que sair mais cedo para o trabalho e foi levar o Alexandre ao meu local de trabalho. Quando saímos, ele quiz dar um passeio: “Sabes mãe, apetecia-me ir dar um passeio antes de irmos para casa, como aquele da outra vez em que vim aqui ter contigo, quando fomos ao “aeroporto dos helicópteros“. “Ah! _ respondi_ queres ir outra vez à marina ver o heliporto?”. “Não, mãe, desta vez apetece-me ir passear ao longo do mar…”. E lá fomos andar um bocadinho pelo paredão. Andámos quase até ao Estoril. De repente ele pára e diz, virando-se, de acordo: “Adoro esta vista: deste lado, o azul do mar e os barcos lá ao fundo e deste, a linha do comboio e os prédios!”

E nós que queríamos ir viver para o campo! Pronto, talvez um dia…                      🙂

5 Respostas so far »

  1. 1

    Olá, Isabel! Temos aí um futuro urbanista, isto é que temos! E com a educação ecologica que ele está a ter, vai ser dos que respeitam o nosso ambiente! Cá para mim, mesmo com a pouca idade que tem já resolvia alguns PDM’s que andam por aí parados e em mãos pouco honestas…
    Eu aprendi bastante com esta tua publicação, o teu filho tem mesmo muita sorte em te ter como mãe!
    Beijinhos

  2. 2

    🙂
    Que bom teres gostado, Lina!
    Beijinhos 🙂
    Isabel

  3. 3

    ruteppp said,

    Bem!!!!!! O teu filho já nasceu com a escola toda😀
    Cá pra mim deste-lhe a escolaridade obrigatória dentro do teu ventre e agora num instantinho se faz arquitecto, engenheiro ou outra profissão do género.

    Esta frase aqui é que me surpreendeu:
    “Este é-me familiar… ah(!), já sei, é no Oriente!”
    (mesmo que fosse do parque das nações já era surpreendente, mas agora quando ele disse que era dos Emirados Árabes, caiu-me tudo ao chão).
    Boa continuação.
    Beijinhos.
    Rute

  4. 4

    Bem, Rute, ele só disse mesmo o do Parque das Nações; que era nos Emirados Érabes, vimos nós a seguir… sorry se a minha construção gramatical te induziu em erro!!! Grata pela tua visita! Mil beijinhos
    Isabel

  5. 5

    […] cuja maquete estávamos a construir (“Este edifício é-me familiar…”) e que já contei aqui neste post […]


Comment RSS · TrackBack URI

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: