Archive for Animais

Tempos Pós Aniversário

Caderno Verde

Tempos Pós Aniversário

Após o aniversário do Alexandre em Julho, destacamos estas atividades:

1 – Jogar muito Ticket To Ride. Já conhecemos as cidades de cor e salteado (de todos os tabuleiros que temos, da Ásia, Europa, Estados Unidos…).

A nós, junta-se muitas vezes o nosso vizinho G. (não só para jogar Ticket To Ride como também Catan, Mémoire, Risk e até jogos de cartas e jogos da Wii U).

DSC00884

DSC008862 – Observar e registar alguns “fenómenos naturais”.

Peixes a nadar em “fila indiana” (a propósito, o Alexandre quiz saber porque se deu o nome de fila indiana à fila um a um e fomos ver à net e descobrimos duas explicações plausíveis (que podem ler, por exemplo aqui)

DSC00887

DSC00888

O que os habitantes locais costumam chamar de “barrão na serra”, uma espessa camada de nevoeiro sobre a serra em dia de Verão de sol brilhante e céu limpo.

DSC00891

À medida que nos aproximamos da serra (de Sintra) vamos “entrando” no nevoeiro.

DSC00892

O Alexandre interessa-se muito por meteorologia. Temos abordado o tema com bastante frequência.

Daí que gostou muito quando eu comprei uma “estação meteorológica” cá para casa (é mesmo assim que designam o pequeno aparelhómetro caseiro, com um dispositivo interior e outro exterior, que indica a temperatura interior, a exterior e a hora local). Não só ficou muito contente como andou todo entusiasmado a montar o dispositivo exterior na varanda, com a mana Celina, e a verificar as leituras obtidas, seguindo o livrinho de instruções.

DSC01112

DSC01114

DSC01115

DSC01116

Alguns dos jogos que tem, tais como este simulador de condução de navios, utilizam conceitos meteorológicos, bem como outros de navegação e matemáticos, que ele de alguma forma já domina.

DSC00894

DSC00895

DSC00896

As nossas plantas em flor (ele e eu gostamos de observar cada botão a abrir, um após outro e dia após dia até à floração plena!)

DSC009053 – Fotografar, fotografar.

Aqui eternizámos o pormenor das meias que trouxémos dos Estados Unidos para a mana Catarina (que gosta deste tipo de coisas “diferentes”) que fazem parecer que está a usar uns “ténis-bota”.

DSC00908

4 – Aproveitar o parque com aparelhos de ginástica de manutenção que existe pertinho da nossa casa, para fazermos algum exercício físico.

Estivémos tão concentrados nos exercícios que nem nos lembrámos de tirar fotos connosco “em acção”. Tirámos à volta. Desta vez tínhamos ido eu, o Alexandre e a mana Celina.

DSC00912

Eles apanharam folhas “já de Outono” que apanham sempre que podem e trazem para as “manualidades” e decorações que volta e meia gostam de fazer.

DSC00913

5 – Passar uns quantos dias em Coimbra, terra natal da mãe e das manas, desta vez com o intuito de estarmos com todos os nossos familiares, o que foi um tanto difícil (porque são muitos! Avós, tios, primos…), mas démos o nosso melhor, visitámos quase todos!

Começámos por levar a avó materna (minha mãe) a comer um geladinho à Figueira da Foz e, como estava muito calor (foi no fim de Agosto), ainda aproveitámos para estar na praia, para além de dar um passeio (a pé) pela “marginal” da Figueira que é bem compridinha.

DSC00929Claro está que o Alexandre adorou este edifício novo, recentemente inaugurado, um novo Hotel na Figueira.

Já depois de voltarmos para casa, dei com ele no Google Earth a procurar o edifício que fizera as suas delícias e a encontrá-lo tão rapidamente que lhe perguntei como. E ele responedeu-me que tinha sido só “seguir” junto à praia (é uma grande extensão) pelo caminho que percorreramos desde a estação até junto do edifício (nós fomos de carro, mas o Alexandre e a mana Celina tinham ido de comboio de Lisboa à Figueira da Foz e nós fomos ter com eles junto à estação).

 

DSC00930Depois o pai e a avó foram de carro e nós os 4 fomos para Coimbra de comboio (regional) e conhecemos na viagem uma rapariga (da idade das manas) que transportava no comboio a sua bicicleta (tinha ido até á praia) e que conversou muito connosco. Fomos a viagem toda a conversar, ela achou muito interessante o que desenvolvemos em Ensino Doméstico e o Alexandre contou-lhe tudo o que gosta de fazer e se interessa, as suas pesquisas e os seus projetos e ela fez-lhe muitas perguntas e ele explicava-lhe tudo.

Já em Coimbra, a mana nas suas cantorias, em casa do primo (meu sobrinho), que tem guitarra, microfone, amplificador, bateria e muitas mais coisas (tais como uma cama-elástica, divertimento para os grandes “saltadores” acrobatas)

DSC00945

DSC00947Fomos dar um passeio de barco no Rio Mondego. O barco chama-se “Basófias”, a relembrar os tempos em que o rio secava no Verão e a malta queria ir tomar banho e quase não tinha água que lhe passasse dos tornozelos e então chamávamos basófias ao rio. Desde que construíram o açude, que tal já não acontece (nem as cheias de Inverno). Também passámos no açude, pois o Alexandre gosta dessas obras hidraúlicas (já tinha gostado muito de observar a barragem quando fomos ao Gerês e vê vários documentários de construção de barragens).

DSC00956

DSC00958Não foi a primeira vez que andámos no “Basófias” o Alexandre já se tinha estreado há uns três ou quatro anos atrás, com o pai e o Bato, na altura, eu deixei aqui no blog uma “reportagem” fotográfica.

DSC00965

DSC00967Ali está ela, a torre da Universidade!

DSC00969

DSC00970

DSC00973

DSC00976

DSC00979Também passeámos pelo Largo da Portagem e pela baixa de Coimbra e mostrei-lhes as pastelarias, cafés e algumas (poucas) lojas da minha juventude, ainda “sobreviventes”!

DSC00984

DSC00985

DSC00986

DSC00989

DSC00992O Arco d’Almedina e a calçada do Quebra-Costas (que as quebra mesmo, de íngreme e escorregadia).

Eu e as manas (e tios e primos) ainda lá fomos à noite a um pequeno concerto de jazz _ as noites de jazz no Quebra-Costas.

DSC00993A zona perto do Jardim Botânico

DSC00994e dos arcos do Jardim. Que o Alexandre logo achou semelhante ao Aqueduto das Águas Livres de Lisboa. Ele sabe que antigamente por estes aquedutos se conduziam as águas que abasteciam as cidades e que tiveram um grande desenvolvimento com a civilização romana.

DSC00996Estivémos com grande parte da família (materna, da minha parte, portanto), mas o mais importante foi podermos estar este ano presentes no aniversário do bisavô (meu avô materno) que fez a bela idade de 89 anos (e que ainda conduz!). Ele ficou muito contente e emocionado. E eu também, pois fui praticamente “criada”, na minha infância, pelos meus avós e emociona-me sempre ver o meu avô (a minha avó já faleceu) e voltar à casa onde vivi a maior parte da minha infância e da qual tenho tantas recordações (e acho sempre piada àquela história das proporções, de me lembrar de tudo, através dos olhos de criança, como muito maior do que o percebo agora).

O bisavô mostrou uma data de fotos antigas (a preto e branco, ainda) às manas e elas adoraram ver-me e aos meus irmãos e pais e tios em pequenitos e tiraram muitas “fotos às fotos”. Gostaram especialmente de uma foto minha, com 13 anos, que o meu avô tinha pendurada na parede.

10579722_10204814903276122_1795577113_o[1]

10673355_10204814892635856_1720274821_o[1]

Só um cheirinho das “fotos das fotos”:

A tal dos meus 13 anos:

-1

Os meus pais e avós no casamento dos meus pais:

-11

Eu e os meus irmãos (3, 4 e 5 anos), pequenitos em África, com um vizinho nosso:

-6

Foi muito divertida esta estadia em Coimbra!

 

Anúncios

Leave a comment »

12 de Julho de 2013: Uma Década

Parabéns, filhinho!

Quando o seu muito amigo Bernardo lhe telefonou no dia 12 (pois nesse dia ele não podia estar connosco) a dar-lhe os parabéns e lhe perguntou “Quantos anos fazes, mesmo?”, o Alexandre respondeu-lhe, alegremente: “UMA DÉCADA!”

Desde há anos que o aniversário do Alexandre tem sido uma festa maior que as dos casamentos das etnias ciganas, dizemos nós, pois seguramente duram mais de três dias. Começam a chegar os primos e os tios que ficam uns dias antes do dia 12, o dia 12 e, eventualmente mais os dias que medeiam até ao Domingo seguinte que é quando temos feito a festa de aniversário para os amigos. Então, para ele, o seu aniversário dura muitos dias. No dia 12 tenho metido sempre o dia de férias e fazemos um programa comemorativo do seu aniversário.

Bem, como uma década é uma década, aqui fica um pequeno resumo do que ficou por aqui registado e no blog Pés Na Relva quanto às festividades nos vários anos, desde a abertura dos blogs (até então, não tenho registos escritos).

Em 2009: Count Down Aniversário e Actividades e passeios com primos e amigos.

Em 2010: Mais Um Dia Belo e Festa.

Em 2011: Feliz Aniversário, filhote!, Novos Encontros e A Festa, como prometido!.

Em 2012: Socialização e Variações sobre um tema _ Cidades.

Este ano, embora também com comemorações de uma semana, o programa foi um tanto diferente, pois não passámos o dia do seu aniversário no distrito onde residimos (embora a festa depois, sim, tenha sido em nossa casa), como vamos ver agora, no Caderno Verde.

Beijinhos e belos aniversários para todos!

Isabel

x

Caderno Verde

Comemorações de uma Década de Vida

Este ano decidimos passar o aniversário do Alexandre “fora”, aproveitando uma semana de férias em Monte Gordo (Algarve).

Antes da viagem, o Alexandre e a mana Celina fizeram um sugeneris Tabuleiro de Xadrez com uma base em material de maquete e as peças em fimo representando edifícios vários (há, portanto, o edifício-rei, o edifício-rainha, os edifícios-bispos, os edifícios-torres, os edifícios-cavalos e os edifícios peões).

DSC08666Só acabaram o trabalho lá pelas duas da manhã já no dia que iríamos embora, pelo que as primeiras fotos que tirei ficaram bem escurinhas (já vos disse que o meu telemóvel não tem flash…)

DSC08667Em vez de preto e branco as cores deste Xadrez são o verde e o vermelho.

DSC08668Há por aqui uns edifícios que entortaram no forno, quais torres de Pisa.

DSC08669

DSC08670Já em Monte Gordo, uma vista mais clara do tabuleiro (as peças foram dentro da caixa, para não se partirem no caminho).

DSC08671

DSC08672Eu e o pai fomos de carro e a Celina e o Alexandre de comboio, juntando o útil ao agradável, pois para além do Alexandre adorar andar de comboio, enjoa no carro. Enviaram-me fotos por mms para o telemóvel durante a sua viagem: Intercidades Lisboa-Faro e Regional Faro-Monte Gordo (totalizando 4h e picos de viagem!)._ não consegui passá-las para aqui…

DSC08673Para além da praia (que estava ótima até às 9h da noite) e dos passeios noturnos (por volta da meia-noite, com muita gente na rua, comendo gelados e fazendo compras) há sempre atividades que se mantêm, estejamos em casa ou fora de casa, tais como esta: ver os seus documentários preferidos (neste primeiro dia foi o documentário da construção do aeroporto de Hong-Kong, gravado do programa “Mega.Construções” do “Discovery Channel”).

DSC08677

DSC08678

DSC08679

DSC08680

DSC08681Ainda durante a viagem, a mana Celina e o Alexandre foram escrevendo no “Livro das Aventuras” a sua 14ª aventura conjunta destes últimos tempos (a própria viagem de Lisboa a Monte-Gordo).

DSC08682

DSC08683

DSC08684O “Livro das Aventuras” (que já vai no 3º caderno):

DSC08685Outra das atividades que se mantém estejamos onde estivermos: o desenho de mapas. Desta feita, o de Nova Iorque (de notar que tivémos a notícia há uns dias atrás que temos apartamento garantido_ emprestado_ em Manhatan para o próximo ano, só temos portanto que arranjar dinheiro para as viagens, então o Alexandre já começou a programar a sua estadia de uma semana em Nova Iorque e quando passeávamos à noite em Monte Gordo, disse “Já me estou a imaginar nas ruas de Nova Iorque cheias de vida à noite!”. Vai também ser uma estreia para ele a viagem de avião).

😉

DSC08686

DSC08687

DSC08688

DSC08689

DSC08690

DSC08691O afamado castelo que tem sempre uma ou outra variação (na decoração, sobretudo e nas infraestruturas envolventes)

DSC08693

DSC08694

DSC08695

DSC08696

DSC08697

DSC08698

DSC08699

DSC08700

DSC08701

DSC08703O aspecto da praia às 9h da noite…

DSC08707

DSC08708

DSC08709

DSC08710

DSC08711Os meus “romanos”

😀

DSC08712

DSC08714

DSC08715Pai e filho a jogarem com as raquetes de praia, num outro dia.

DSC08716

DSC08717

DSC08718Durante dois dias estivémos o Alexandre, a mana Celina, o pai e eu; depois na Segunda “acresecentou-se-nos” a mana Catarina que tinha ficado em Lisboa durante o fim-de-semana, em trabalho (fomos buscá-la a Albufeira de modo que fomos dar um passeio por lá, aproveitámos e passámos por Vila Moura para que a tia e o primo se juntassem a nós (o primo esteve lá a participar num torneio de ténis) e aproveitámos ainda para nos encontrarmos com mais três amigos que estavam por Albufeira e irmos jantar com eles).

Os primos

🙂

DSC08720

E os primos com os efeitos da mana Catarina:

😀

fotografia[1]

Ainda fomos dar um passeio até Tavira (dois dias depois) para nos encontrarmos com mais amigos e jantarmos também juntos. Aí fomos muitos e vários de nós com crianças (totalizavam 7 crianças a contar com o Alexandre). Comemos, falámos, brincámos, jogámos…

Outra atividade das que já são habituais qualquer o local em que estejamos: Consulta de mapas! Para além dos do iPad, levámos para cima os mapas que temos no carro (um de Portugal e outro da Península Ibérica)…

O Alexandre vai conferindo cidades, os seus tamanhos, acessos, vias ferroviárias e coissas que tais.

DSC08721

DSC08722

DSC08723

DSC08724

DSC08725Também já em Monte Gordo comprámos um baralho do UNO para jogarmos em família:

DSC08726

DSC08728

DSC08729E uma outra aquisição, esta que oferecemos ao Alexandre no próprio dia 12, UM MAPA DAS ESTRADAS DA EUROPA! Ele adorou, ficou tempos à volta do mapa e nem queria que o retirássemos da mesa quando queríamos almoçar ou jantar…

DSC08730

DSC08731Também explorámos o presente oferecido pela tia e pelo primo, um KIT SOBRE ENERGIA SOLAR para realizarmos “Experiências Solares”…

DSC08732

DSC08733

DSC08734

DSC08736O próprio dia 12 foi, portanto, muito bem passado e “à sua maneira”, tendo começado logo no 1º minuto do dia, às 00h e 01 min, cantando os parabéns e soprando duas velas com o nº 10 sobre uma bela broa de mel (de cerca de 15 cm de diâmetro) rodeada por muitas gomas coloridas, das únicas que gosta e come (umas de ursinhos compradas no Celeiro e meio transparentes, que ele não gosta de umas outras parecidas mais baças), falando ao telefone com o seu maior amigo, o Bernardo (foi quando lhe respondeu que fazia UMA DÉCADA), mandando fotos ao Bernardo (via telemóvel) do bolo sugeneris que adorou, fazendo bolas de sabão na varanda,  jogando mais um joguinho de Uno e vendo um último documentário sobre a construção do túnel sob os Alpes uma última vez antes de ir para a caminha; e continuando, depois de acordar, com a exploração do mapa das estradas da Europa, do Kit sobre Energia Solar, um pouco de praia, mais um passeio pela vila e terminando com um jantar com a sua comida preferida (indiana), jogar à bola no átrio público, comer gelados (uns belos (e bons!) gelados italianos com sorvetes de fruta que não têm lacticínios na composição que o Alexandre podia comer à vontade…) e voltar para casa para ver um filme antes de voltar a dormir.

No dia seguinte voltávamos para Sintra e desta vez, veio com o pai de comboio e trouxe eu o carro e as manas (e o nosso gatinho Kiko que fora connosco).

Quando os levei ao apeadeiro de Monte Gordo para apanharem o regional para Faro, ainda deu para mais umas “pesquisas”: ver as salinas do outro lado da linha (as “Salinas De Castro Marim”),

DSC08737

DSC08738

DSC08739ver uma vaquinha e um cavalo a pastar,

DSC08740

DSC08741observar com detalhe todo o apeadeiro e a linha ferroviária,

DSC08742

DSC08743

DSC08744

DSC08745e pormenores da linha, pois à pergunta “Porque é que há ali um buraco debaixo da linha?”, eu e o pai estivémos a explicar e a mostrar-lhe que se tratava de um atravessamento para as águas das chuvas escoarem do terreno onde estavam os animais a pastar para o outro lado da linha, até à zona dos campos com água…

DSC08746

DSC08747

DSC08748

DSC08749

DSC08750

DSC08751

DSC08752

DSC08753Estivémos ainda a escutar os “seus futuros colegas de viagem” que falavam em francês, pois o Alexandre, embora ainda não tenha “estudado” francês já reconhece a língua e disse logo “Eles estão a falar francês.” Quando lhe perguntei, aqui há tempos, por causa de uma situação idêntica, como é que ele reconhecia que se tratava da língua francesa ele tinha-me respondido “Então (!) pelo som, pela pronúnicia, é igual à da M. quando ela fala francês”.

DSC08754

O regional a aproximar-se:

DSC08755

DSC08756

DSC08757E “Até logo, meus pequenos, boa viagem!”

😉

DSC08758

DSC08759

DSC08760

DSC08761

DSC08762

No próximo Caderno Verde colocarei as fotos do bolo de aniversário da festa para os amigos deste ano e mais umas atividades resultantes dos novos presentes de aniversário que lhe ofereceram nesse dia.

Comments (2) »

Conversa sobre o Vegetarianismo e NutriVentures

“Mãe, porque te tornaste vegetariana?” _ foi esta a pergunta que desencadeou nova conversa sobre o vegetarianismo.

Já houveram outras, a anterior tinha sido desde quando era eu vegetariana e o pai e a mana Catarina e o Bato, isto passado tempo desde saber que nem sempre o fôramos e mais tempo ainda desde perceber que, em Portugal, a maioria das pessoas o não é e mais tempo ainda (pequenininho) em que não se apercebia de tais diferenças.

E isto porque apenas me vou cingindo a responder ao que ele realmente pergunta (isto é, quando me perguntou “desde quando” respondi-lhe “desde…” e não “e também porque…”) pois, como por aqui já referi algumas vezes, o Alexandre não gosta que lhe debite “Informação a mais” ou aquela que ele não solicita quando solicita algo específico (acontece também com outras famílias).

Também por aqui coloquei um post sobre termos explorado a Pirâmide Vegetariana dos Alimentos a propósito do seu interesse pelas Rodas dos Alimentos.

Então a minha resposta a esta sua pergunta, que teve uma segunda parte, “Foi por causa do Robiyn, não foi?” (isto porque ele sabe que o Robiyn dá workshops que eu já frequentei e a mana Catarina e o Bato frequentam, e é vegetariano, bem como a sua família (às vezes os filhos do Robiyn vêm brincar com o Alexandre) e também porque o seu grande amigo Bato às vezes toca no assunto), foi a seguinte:

“Não foi propriamente por causa do Robiyn, foi através do Robiyn (isto em 1998, quando não havia muita informação em Portugal sobre o tema) que tive acesso a muita informação sobre o vegetarianismo, mas o Robiyn não diz para as pessoas se tornarem vegetarianas ou que deveriam fazê-lo. Foi por causa dos animais, sim, porque à mãe sempre lhe fez impressão saber como as pessoas matavam os animais para depois os comermos e nunca fui capaz de assistir (quanto mais praticar) à matança do porco em casa dos avós das manas, ou das galinhas, ou dos patos ou dos coelhos, pois eles são agricultores e criam alguns poucos animais para comerem, embora eles tentassem ensinar-me como se fazia, mas eu não era capaz, desmairia logo _ a mãe já desmaia só de ver alguém a levar uma injecção! Até cozinhar a carne que eles punham na cozinha logo após, me fazia impressão e colocava-a às escondidas no frigorífico (porque senão eles chamavam-me lingrinhas e fracota) até a carne arrefecer e  já não me fazer tanta impressão. Então quando tive acesso a toda essa informação e percebi que não era preciso comermos carne de animais para vivermos (e vivermos saudáveis) e percebi ainda, que não era coerente não ser capaz de matar os bichinhos nem de os ver matar e delegar em outros essa responsabilidade, que é o que fazemos quando não matamos com as nossas mãos os animais, mas os comemos mortos por outros, resolvi tornar-me vegetariana.”

“E então a mana Catarina?” _ ele sabe que a mana Celina não é vegetariana.

Bem, é melhor perguntares-lhe a ela quais foram as suas razões, se quiseres uma resposta mais fiável. As manas obviamente não tinham que se tornar vegetarianas, só porque a mãe resolveu ser vegetariana. Quando eu deixei de comer carne e peixe a mana Catarina tinha 13 anos e a mana Celina tinha 8, um pouco mais novinha que tu, agora. Eu expliquei-lhes o que te expliquei a ti agora e disse-lhes que ia continuar a fazer e a dar-lhes a comida que elas estavam habituadas e gostavam, mas que ia cozinhar outras coisas diferentes para mim, que não utilizassem carne nem peixe. Elas começaram a provar dos pratos vegetarianos que eu comecei a cozinhar e gostavam muito de alguns; a mana Celina gostava muito de tofu à Brás (e não gostava nada de um outro prato parecido que se faz com bacalhau em vez de tofú _ bacalhau é um peixe…”

“Eu sei o que é que é bacalhau!”_ interrompeu.

“Pois, a mana Celina não gosta de bacalhau. Também gostavam de “bifinhos de seitan” com “natas” de soja e de mais uns quantos pratos vegetarianos. Mas enquanto a mana Celina decidiu depois, uns anitos mais tarde, comer só comida vegetariana em casa e fora de casa continuar a comer as outras comidas que as pessoas cozinhavam (em casa dos seus avós, do seu pai, dos seus amigos, etc.), a mana Catarina decidiu tornar-se mesmo vegetariana. Eu um dia contei-lhe que quando ela era bebé não gostava de comer carne nem peixe, que cuspia tudo, só gostava de sopinhas, de fruta, de leitinho, e de algumas papas e que, como eu não sabia na altura que os bebés podiam crescer saudavelmente sem comer carne ou peixe, “obrigava-a” a comer a carne e o peixe, disfarçando tudo muito bem e mesmo assim ela cuspia tudo na maior parte das vezes. Não sei se o ter-lhe contado esta história da sua infância contribuíu para a sua decisão de se tornar vegetariana, tens que lhe perguntar. E também tens que perguntar diretamente à mana Celina se quiseres saber as razões da sua decisão em relação a este assunto.”

“Bem, dá-me mas é aí as minhas batatinhas cozidas com seitan, que já estou cheio de fome…”

DSC08218

DSC08219

E assim terminou, desta vez, a nossa “conversa vegetariana”.

😀

Notas adicionais:

– Há aqui no blog um link para uma entrevista que dei ao Centro Vegetariano sobre a minha gravidez vegetariana e o meu pequeno ter sido sempre vegetariano desde a gestação.

– Há pessoas que me perguntam se eu nunca dei oportunidade de escolha ao meu filho (de ser ou não vegetariano). Dentro da minha barriga, não, eu era vegetariana e ele alimentava-se através de mim, logicamente. Até aos 6 meses alimentou-se exclusivamente de leite materno (também por decisão minha e não dele, se bem que ele gostava muito de mamar e a amamentação ao peito prolongou-se por vários anos, até ele querer e pedir). Aos 7 meses, primeiro introduzi-lhe só a fruta, depois as sopas de legumes e cereais e ao dar-lhe a primeira colher de papa Cérelac ele vomitou e eu não voltei a insistir (comprei-lhe das outras, nas lojas Celeiro, sem leite adicionado, mas comeu-as a irmã mais velha, que adora papas, ele não gosta da consistência das papas, assim que começou a comer a fruta esmagada e as sopas, já só queria comida com pedacinhos_ também nunca quiz puré de batata nem açordas, por exemplo. Entretanto o pediatra pediu uns testes de alergia, porque ele vomitava tudo quanto tivesse leite de vaca (ao primeiro pedacinho) e verificou-se a sua sensibilidade extrema à caseína e outros alergéneos do leite de vaca e não come laticínios (e eu, entre comê-los e deixar de amamentar o meu filho ou continuar a mamentá-lo optei com a maior das facilidades por deixar de comê-los, sou, portanto, ovo-vegetariana). Entretanto, mais crescidinho, o Alexandre teve já muitas oportunidades de provar, pedir, pratos de carne e peixe, mas nunca quiz provar e faz-lhe um bocadinho de confusão/impressão ver e cheirar a carne e o peixe, sejam crús ou cozinhados, sobretudo cheirar, revolta-lhe um pouco o estômago. Portanto, sim, ele tem, desde há uns anos, oportunidades de escolha. E as minhas filhas só não tiveram as mesmas oportunidades de escolha mais novas ainda, por falta de informação minha, tal como também não puderam optar por não ir à escola e praticarem uma “aprendizagem natural”, por falta de informação minha, na altura (essa também já foi uma das perguntas do Alexandre “Mãe, porque é que tu obrigaste as manas a ir à escola e não foste tão boa para elas como para comigo?”).

Uns belos dias e belas refeições para todos!

Isabel

x

Caderno Verde

Nutriventures

“Nutriventures: em busca dos 7 reinos” é uma nova série, portuguesa, que tem passado no Canal Panda e à qual o Alexandre acha muita piada. Tem a ver com a nutrição e a roda dos alimentos, mas também com reinos e aventuras.

Depois de ver vários episódios, soube que saíam em dvd e pediu-me para lhe comprar alguns (comprei-lhe os que já havia no mercado) e assim revê vários episódios sempre que quer.

DSC08374

Entretanto descobri que havia um jogo on-line no site Nutriventures, inscrevi-o e começou a jogá-lo. Dentro do jogo há atividades várias, como comprar sementes, semeá-las no jardim e depois colher os seus frutos e ir gerindo moedas e pontos na compra e venda de vários itens ou para poder jogar o jogo propriamente dito. Também tem acesso aos episódios da série on-line.

A partir daí, começou também a construir reinos “Nutriventures” no Minecraft:

DSC07736

DSC07737

DSC07738

DSC07739

DSC07740

DSC07735

E outra coisa que eu achei interessante foi quando me apercebi, numa conversa que ela ia a ter com a Catarina e com o Bernardo (Bato), no carro, tendo o Bernardo dito que não sabia bem quantos setores tinha a roda dos alimentos, que o Alexandre sabia-os de uma ponta à outra e respondeu-lhe logo: ” 7. A bem dizer, 8, contando com a água que está no centro e que se deve beber em muita quantidade. E deslindou todas as “fatias” da roda, a correlação entre elas e logo apôs as diferenças entre a roda usualmente explicada e a unicamente vegetariana.

Também me disse uma vez que a roda dos alimentos era um gráfico.

Comments (2) »

Passeio a Faro, parte II

Caderno Verde

Passeio a Faro, parte II

Na sequência do post anterior, “Passeio a Faro, parte I“, onde partilhei que esta foi a nossa segunda viagem deste ano na senda de visitar as estações ferroviárias das capitais de distrito de Portugal, bem como algumas zonas históricas das cidades e os cais, se os houver, aqui ficam as imagens dos 2º e 3º dias:

Passeio pelo centro e pelo centro histórico da cidade.

DSC08503

DSC08504

DSC08505

(entrada para a zona histórica mais antiga)DSC08506

DSC08507

DSC08510

DSC08511

DSC08512

DSC08513

DSC08514

(de volta à zona marginal à Ria, a linha do comboio regional do Algarve)DSC08516

DSC08517

(e sempre os aviões a aterrarem um atrás de outro…)

😉DSC08519

DSC08520

DSC08521

DSC08523

DSC08524

(uma gatinha prenha! O Alexandre quiz fotografá-la para mostrá-la à mana Celina que ama mesmo muito gatos)

DSC08525

DSC08527

(o mapa de Faro que obtivémos no Posto de Turismo)DSC08529

(lá vem o regional!)

😀

DSC08530

E mais um passeio de barco pela Ria Formosa, desta vez até à Ilha de Faro (para cá voltámos de autocarro)

DSC08532

(este, visto do barco)DSC08533

(e também o comboio, visto do barco)

🙂

DSC08534

DSC08535

DSC08536

DSC08538

DSC08539

DSC08540

(no início do passeio navegámos por entre barquinhos parados na ria)DSC08541

DSC08542

DSC08545

(estava vento, no meio da água, mas em terra não, em terra estava muito calor)

DSC08546(“Este é da Alemanha!”_ disse o Alexandre. Por causa da bendeira, um tanto sumidinha, mas via-se… quer dizer, ele viu-a logo, eu é que um pouco a custo, depois dele me ter chamado a  atenção ao dizer que o barco era da alemanha)

DSC08547

DSC08549

DSC08550

Ele ia todo feliz!!! Eu gosto sempre de apreciar e sentir a sua alegria, já anda de barco desde pequenino e cada vez que anda vibra como se fosse a primeira vez…DSC08554

Deste lenço fez uma bandeira.

DSC08555

DSC08556

(adoro esta)

😉DSC08560

Ao fundo, o aeroporto de Faro, visto do mar.

DSC08561

DSC08562

(e agora víamos os aviões a levantar, lá ao fundinho)

DSC08563(a ilha-praia de Faro)

DSC08565(e o cais de atracagem dos barcos, na ilha)

DSC08566

DSC08567

DSC08569

(à volta, a ir para a paragem do autocarro – centro de Faro a 7,5 Km)DSC08570

DSC08572

DSC08573

DSC08576

DSC08577

DSC08578

(a paragem frente ao aeroporto)DSC08579

DSC08580

E de novo no Centro de Faro, no 3º dia, já o da volta.DSC08583

DSC08585

DSC08586

DSC08590

(é giro este coreto)DSC08593

(e o Alexandre disse que isto no cimo era um cone)

DSC08594

(e esta foi a segunda foto destinada à mana Celina, que para além da paixão pelos gatos também tem uma por motos, se bem que as Harley não sejam as suas preferidas, ela gosta mesmo muito é das que que se utilizam no free-style motocross)

😉DSC08597

A viagem de volta, de novo no Intercidades rumo a Lisboa.DSC08598

DSC08599

DSC08600

Uns belos dias, isso é que foram!

🙂

DSC08601

DSC08602

DSC08603

Leave a comment »

Passeio a Faro, parte I

Caderno Verde

Passeio a Faro, parte I

Este ano, este foi o nosso segundo passeio na senda de ir até às estações ferroviárias das capitais de distrito deste nosso Portugal!

🙂

Para além das estações, o Alexandre quer visitar os cais (quando há) e a parte histórica das cidades bem como a cidade em si (os edifícios, as ruas, etc.) que ele já tinha “sobrevoado” através dos seus mapas e do google earth. E obviamente andar de comboio e em barcos, quando é possível. Ainda nos falta ir a mais capitais de distrito as quais tem interesse visitar: Beja (por ser um graaannnde distrito), Évora, Portalegre, Bragança…. também quer visitar Guimarães (que não é capital de distrito) e o seu castelo, por ser o “berço do país”. Isto porque já conhece Setúbal, Lisboa, Coimbra, Porto, Leiria, Guarda, Castelo Branco e agora Viana do Castelo e Faro (ainda faltam mais uns pouquitos, mas esses ainda não estão assinalados para visita).

Conhece melhor que eu os contornos dos distritos de Portugal, íamos nesta viagem a passar no Alentejo um pouquito antes de chegar ao Algarve e o Alexandre dizia-me “Ainda não chegámos ao Algarve, ainda estamos no distrito de Beja”. “De Beja?” _ retorqui- “Beja é lá para a outra ponta, é no interior, não no litoral.” “Sim, mãe, mas o distrito! O distrito de Beja vem até ao mar”. “Não, deves estar a trocar algum…” E pus-me a pensar que distrito poderia ser, mas não estava a ver. Só depois de voltarmos é que vim confirmar os distritos de Portugal e acabei por verificar que ele tinha razão, o distrito de Beja vai mesmo até ao litoral (eu pensava que a Sul do de Setúbal ainda haveria assim um outro entre o de Setúbal e o de Faro, embora não me lembrasse qual _ estava a visualizar um qualquer acrescento aos distritos de Portugal).

😉

Então a nossa viagem começou na estação do Oriente (Lisboa). Foi a primeira vez que andámos num Intercidades para Sul (conhecemos algumas estações para Sul até Setúbal das viagens que temos feito no “comboio azul” da Fertagus, já tínhamos, portanto, passado a Ponte 25 de Abril de comboio, mas não num Intercidades).

DSC08401

DSC08403

(eis então uma outra visão da ponte 25 de abril, desta feita, “por dentro”)DSC08407

DSC08410

DSC08412

(a tirarmos fotos a nós próprios, sem vermos o que estávamos a fazer) DSC08414

DSC08415

DSC08416 DSC08417

E já em Faro:DSC08418

DSC08419

DSC08420

DSC08421

DSC08422

DSC08423

DSC08424

DSC08426

Com os sacos e mochilas, a caminho da residencial,DSC08427

DSC08428

o Alexandre a orientar-nos, vendo no mapa, no iPod, o caminho até à rua que pretendíamos:DSC08430Depois de instalados e já sem as malas, empreendemos o reconhecimento da zona,

DSC08433

(o Alexandre a dizer-me “mãe, tira fotos às árvores em flor que tu gostas muito!”)DSC08434

DSC08435

DSC08437

DSC08438

DSC08439

DSC08440

DSC08441

DSC08442

DSC08443

DSC08444

DSC08445

DSC08446

DSC08447

DSC08448

(os aviões sempre a aterrar _ o aeroporto é a 7,5 Km desta zona central, disse-nos a senhora do Posto de Turismo, onde fomos buscar um mapa de Faro e saber informações sobre as viagens de barco)DSC08449

DSC08450

(o Centro de Ciência Viva de Faro onde estava patente uma exposição de répteis vivos)DSC08451

DSC08452

DSC08453

DSC08454

DSC08455

DSC08456

(a marina)DSC08457

(o comboiozinho turístico)DSC08458

DSC08459

(a linha junto à ria)DSC08460

DSC08461

bem como nos aventurámos logo neste primeiro dia numa viagem de catamaran pela Ria Formosa até à Ilha Deserta (a única ilha do Algarve, segundo dizem, sem qualquer residência)DSC08462

DSC08463

DSC08465

(o nosso catamaran a chegar…)DSC08467

DSC08468

DSC08469

DSC08470

(o centro de Faro já a ficar para trás…)

DSC08471

(a chegada à Ilha Deserta, gostámos desta pedra pintada de baleia)

😉DSC08472

(a única “estrutura da ilha”, um restaurante_ há também um farol)DSC08473

DSC08474

(o farol)

DSC08476(a praia a perder de vista)

DSC08477

DSC08478

DSC08479

(os painéis solares de apoio ao restaurante)DSC08480

DSC08481

DSC08482

DSC08483

DSC08484

DSC08485

DSC08486

DSC08487

(conchinhas, o Alexandre trouxe muitas _ daqui e da ilha de Faro que veremos na parte II_ para a sua coleção)

DSC08488

(de novo o catamaran a chegar, para voltarmos a Faro)DSC08489

DSC08490

(e outra perspetiva da rocha-baleia)

🙂DSC08491

DSC08492

DSC08493

DSC08494

DSC08496

Comments (1) »

Coisas que temos andado a fazer… IV

Caderno Verde

Coisas que temos andado a fazer nestes últimos três meses (IV)… para além das que já tenho contado por aqui.

– Procurámos um novo documentário do seu interesse e a seu pedido e já o vimos 7 vezes (a última, com a mana Catarina), “Terra, Planeta em Construção- Comida, Fogo e Água”. Passa no Odisseia.

O documentário versa essencialmente em como temos vindo a utilizar e a canalizar recursos, bem como as várias construções e engenharia/tecnologia necessárias para apoiar o estilo de vida que fomos desenvolvendo.

Ao final da 5ª ou 6ª vez em que vimos o documentário o Alexandre começou a tecer os seus próprios comentários a tudo quanto tinha visto. Por um lado fascinam-no as grandes obras, por outro fica um pouco apreensivo com a “saúde do planeta”…

DSC08331O documentário começa por explicar como utilizamos a água potável para beber e levá-la até aos vários locais do planeta mesmo os mais áridos. Mostra o Rio Colorado que atravessa o Grande Canyon e o colossal Lago Mead resultante da obra arrojada de engenharia feita nos anos de 1930’s, a Barragem Hoover. E em como graças a esta barragem se desenvolveram cidades em zonas áridas dos Estados Unidos, tais como Las Vegas e mesmo Phoenix e Los Angeles.

DSC08332

DSC08334Depois passa a mostrar em como, na China, a água vai chegar a irrigar as zonas do Norte do país, mais secas, com a construção de um colossal aqueduto de cerca de 1200 Km de comprimento, que já começou a ser construído e só estará pronto lá para 2030.

DSC08335

DSC08336

DSC08337

DSC08338Da água e do que ela representa para a nossa sobrevivência passamos à comida e à agricultura; numa dessas partes mostra a enorme área de estufas em Alemeria, Sul de Espanha, através das quais foi possível produzir tomates e demais legumes e frutas em grande escala, numa zona árida e ventosa. Esta é uma vista aérea desse “mar de estufas”:

DSC08339

DSC08341

DSC08344

DSC08346(aqui a responsável por esta “quinta” explica o sistema de irrigação e como as raízes são esponjas e absorvem a água que vai nutrir as plantas).

DSC08347Área capaz de cobrir toda a América do Sul é a que em todo o planeta é destinada à agricultura e área capaz de cobrir toda a África (2 vezes mais) é a, no nosso planeta, destinada à criação de gado para fins alimentares.

DSC08349

DSC08350Noutra parte explicam sobre todos os aparelhos elétricos; para funcionarem precisamos de estrair uma grande quantidade de cobre das entranhas da nossa Terra. Qualquer eletrodoméstico e qualquer aparelhómetro necessita de fios de cobre para conduzir a eletricidade, desde máquinas de lavar, frigoríficos, torradeiras, máquinas de café, batedeiras a televisores, leitores de cd, telefones e telemóveis (que não são elétricos), computadores, etc., etc.,

DSC08351

DSC08352o que nos leva à maior mina a céu aberto do mundo, a mina Bingham, nos Estados Unidos da América:

DSC08353

DSC08354E daí passam para restantes “fontes” de energia

DSC08355e para o Solitário, o maior navio-fábrica de tubos e instalador de gasodutos do mundo, que permitem levar o gaz aos vários países do mundo (uma das formas de podermos tomar banho de água quente, por exemplo).

DSC08356

DSC08358O documentário conta-nos também sobre o maior parque eólico em alto mar, “London Array“, no Reino Unido, a leste do Tamisa e como está a ser construído,

DSC08360

DSC08362

DSC08363com o auxílio deste navio, o “Descoberta”,

DSC08364que tem a particularidade de se tormar numa espécie de plataforma “fixa” sobre a água,

DSC08365para poder haver precisão na construção e no encaixe das enormes hélices, num sítio muito ventoso (como é necessário para melhor aproveitar a energia do vento, mas que muito dificulta a implementação do parque eólico).

DSC08366

DSC08367

DSC08368

DSC08369

DSC08370

DSC08371

Depois de uma das vezes, o documentário inspirou-o a mais um desenho…

– … novamente o mapa mundo onde estão representadas zonas de cidade (a preto), zonas verdes (a verde) e os rios (a azul) e ainda zonas de gelo (a lilás).

DSC08373

E depois deste, ainda sob a inspiração do mesmo documentário, um novo desenho…

– … de muitos edifícios muito altos que pertencerão ao século 301; um em Londres, outro em Moscovo, outro em Lisboa, outro em Madrid, outro em Paris (com alturas descomunais para o presente século, mas para o 301 é bem provável)…

😉

DSC08375

DSC08379

– … E a fazer o seu próprio documentário a partir desse desenho.

O Alexandre “relatou” um documentário imaginado por ele a partir deste último desenho, explicando a construção e os pormenores de engenharia envolvidos em cada edifício, à semelhança do que ouviu no documentário da “Terra, Planeta em Construção”. Não gravei, não tinha a câmara à mão, mas ouvi a explicação todinha, parte I e parte II, de uma meia hora no total (e ele não se cansa! É um entusiasmo tal que me preenche vê-lo fazer coisas com tanto entusiasmo).

– Ainda um esquema de uma zona com rio, barragem, edifícios (tudo “em planta”),

DSC08386 DSC08387

– E mais desenhos de mapas:

O de Nova Iorque

DSC08392

DSC08393

DSC08395

e o dos Estados Unidos da America, com a zona onde há mais cidades (a parte modular) e a mais “desértica”, (a zona castanha) onde fica o Grand Canyon, o Lago Mead, a barragem Hoover e a mina de Bingham (e aquela pontinha é a Flórida).

DSC08398

DSC08399

E aqui uma ligação à Amazónia, no Brasil:

DSC08400

– Estivémos os dois na varanda novamente a jogar ao “jogo das nuvens” (falar de formas que as nuvens nos fazem lembrar, estas faziam-nos lembrar uns quantos golfinhos a nadar juntos) e ao “jogo dos prédios” (em que cada um fixa um prédio e vai dando pistas ao outro até ele adivinhar qual é o prédio por si fixado):

DSC08382

DSC08384

DSC08385

Leave a comment »

Coisas que temos andado a fazer… III

Caderno Verde

Coisas que temos andado a fazer nestes últimos três meses (III)… para além das que tenho contado por aqui:

– O Alexandre e a Catarina elaboraram juntos um jogo, com base no Mapa Mundo.

DSC07627

(desenharam o mapa mundo que seria o “tabuleiro” do jogo,

DSC07628

DSC07629

DSC07630

depois inventaram e registaram as regras e a seguir jogaram)

DSC07632

– No Simcity, desta vez  foram “criadas” ilhas e vulcões

DSC07640

DSC07641

– Durante muitos dias, uma cidade em peças Lego foi ganhando forma…

DSC07643

DSC07644

DSC07645

DSC07646

… não cheguei a tirar a foto ao farol que estava muito giro nem ao cais nem à estação e às linhas de comboio, pois entretanto a amiguinha M. desfez a cidade inesperadamente.

– A mana Catarina tem vindo experimentar pintar a óleo; ela gosta muito de pintar (já aqui vos mostrei alguns desenhos que pintou a aguarela) e desta vez quiz aprender a técnica de pintar a óleo e veio pedir umas dicas à mãe. Enquanto nós fazíamos outras coisas ela ficava ao pé de nós e eu ia-lhe dando umas dicas sobre a técnica e como conseguir certos resultados. O Alexandre foi apreciando todos os passos. Ela ensaiou uma composição, olhando para várias fotos diferentes, conjugando-as. Ainda não está pronto, pintou a menina, faltam as flores e o fundo (quando estiver pronto volto a tirar mais fotos).

Fotos do primeiro dia:

(a desenhar “à vista”)

DSC07713

DSC07714

DSC07715Fotos do segundo dia (menina pronta):

DSC08178

DSC08179

– Novamente os CDs de ciência “Porquê?”. Desta vez foram vistos os cinco seguidinhos. O nº1 versa sobre os temas: Pólo Norte e Pólo Sul (partes 1 e 2), Meio Ambiente (chuva ácida e os problemas que pode causar), Sistema Digestivo, Ovnis e Extraterrestres, Praias de Lama. O nº 2: Transportes (história de vários e como funcionam), Fósseis, Clima (factores ambientais que influenciam o estado do tempo), Corpo Humano, Estrelas e Constelações. O nº3: Plantas (e a sua importância na nossa saúde), Espaço (sistema solar), Computadores (o primeiro computador, como funcionam e até onde nos poderão levar no futuro), Água (como usar, de onde vem, para onde vai, os seus graus de pureza, etc.), Mar (como foram criados os oceanos e como é a vida no fundo do mar). O 4º: Foguetões e Sondas Espaciais, Física (força da gravidade, inércia e outros aspectos da física), Robôs (como são criados e funcionam), Planeta Terra (história geológica e vida no planeta), Plantas e Animais Venenosos. O 5º: Doenças (propagação das bactérias, dos vírus e outros patogénicos que podem provocar doenças), Insectos , Animais (em continentes longíquos como a África e a Ásia), Descobertas e Invenções (as maiores de sempre), Dinossauros.

DSC07716

DSC07718

DSC07719

– Outro jogo inventado pelo Alexandre, este com naves espaciais:

DSC07725

DSC07732Códigos

😉

DSC07733

DSC07734

– Mais uma versão do mapa de Lisboa (a azul as linhas de comboio)

DSC07727

DSC07729

– Esta outra versão do mapa de Lisboa já vos mostrei aqui, na parte do Caderno Verde (foi o que ele desenhou para me oferecer no Dia da Mãe)

DSC08200

– E mais um jogo tendo como base de tabuleiro o Mapa Mundo: cada um de nós ia pintando um país (como se fossemos formando o nosso império) e só podíamos anexar países contíguos ou ligados pelas rotas estabelecidas pelo Alexandre (a minha caneta era rosa e a dele laranja, daí que não se percebe bem na foto qual o império de cada um…) e à medida que íamos pintando íamos dizendo o nome de cada país.

DSC08292

Comments (1) »