Archive for Gráficos e Tabelas

De Janeiro a Julho de 2014 – parte II

Caderno Verde

Castelo, ginástica, culinária, preparação da viagem, desenhos, praia, projeto sobre o crescimento populacional…

Fomos algumas vezes andar de comboio até à estação do Oriente em Lisboa ou até Setúbal. E em Abril fomos também até Castelo Branco (terra da avó, eu e o Alexandre fomos e voltámos de comboio, enquanto o pai, a avó e o primo foram de carro _ é que o Alexandre enjoa imenso a andar de carro e assim juntamos o agradável da viagem pelas suas vistas maravilhosas e temos viajado assim), passar as férias da Páscoa com o primo e visitámos o castelo de lá, que ainda não tínhamos visitado.

DSC09982 DSC09983 DSC09984 DSC09988 DSC09989 DSC09995 DSC09998 DSC09999

DSC00002 DSC00003 DSC00005 DSC00006 DSC00008 DSC00009 DSC00013 DSC00016 DSC00017 DSC00028 DSC00030

(a avó babadinha com os seus netos…) DSC00031 DSC00033

(mapas, pois claro!) DSC00034 DSC00035 DSC00039

(já a caminho da terra da avó…) DSC00040

Este ano, o Alexandre tem brincado mais com esse seu primo (cerca de 4 anos mais velho que ele) e com o nosso vizinho, que é da sua idade (com esse tem brincado quase todos os dias e ele também tem ido connosco a alguns passeios e até jantar fora connosco, etc.).

E continua a gostar de uma boa “Caça ao tesouro”… Esta, ele e o nosso vizinho, prepararam-na para mim!       🙂

DSC09223 DSC09225 DSC09226 DSC09227

A mana Catarina veio continuar a pintar o seu quadro (aqui há tempos coloquei aqui umas fotos do início da pintura…), é sempre “uma aula” observar alguém a pintar, como mistura as cores, etc., até porque ela pede-me sempre ajuda para alguns pormenores técnicos.

DSC09228 DSC09229 DSC09230 DSC09231

Perto da nossa casa fizeram um parque novo com aparelhos de ginástica e ele tem ido algumas vezes fazer ginástica lá, ora comigo, ora com as irmãs e também com o tal nosso vizinho.

Continua a gostar de cozinhar e então continua a intervir em algumas refeições, ora comigo, ora com a irmã mais velha. E põe sempre a irmã a encarnar a personagem de “chenhoura cozinheira lá do Norte” e é uma animação pegada.

DSC00159

(embrenhado na preparação dos filetes de tofú… a que ele chama, desde pequeno “tofú com casca”!) DSC00160 DSC00161

Entretanto eu fizera anos em Fevereiro, no dia dos namorados e eles (os meus três filhos) fizeram, em conjunto, um bolo para mim, os papéis de embrulho das prendas que me ofereceram (desenharam, pintaram) e uns cartõezinhos em forma de coração; também descobriram, no meio das nossas batatas, uma batata em forma de coração que nos fartámos de fotografar.

DSC09952 DSC09953 DSC09954

DSC00041 DSC00044

Foi também em Fevereiro que começámos a preparar a nossa viagem a Nova York. Comprámos em Fevereiro os bilhetes para Maio, para nos ficarem mais baratos (a quase metade do preço), tratámos do seguro de viagem, dos passaportes e do cartão de cidadão do Alexandre que ainda o não tinha. Fizémos contas aos gastos (temos sorte, porque a estadia foi grátis, pois um amigo emprestou-nos o seu apartamento de lá, para lá ficarmos). Lemos os guias da cidade de Nova York que já tínhamos, démos um caderninho ao Alexandre para ele apontar tudo o que queria visitar em Nova York, o que queria levar para lá, o que queria trazer, as recordações que as irmãs e o companheiro da irmã mais velha queriam que ele lhes trouxesse. E o Alexandre fez as suas pesquisas no Google Earth, como sempre (“visita” sempre todo o Mundo, assim, por fotografia aérea e em 3D _ inclusivé, o nosso Google apresenta as fotos tiradas em vários anos consecutivos, de modo que ele vai observando a evolução da construção de determinados edifícios ou zonas das cidades ao longo de alguns anos. Fez isso, por exemplo, com o One World Trade Center (e muitos outros), mas este, acompanhou essa pesquisa com muitos documentários que foi vendo de toda a construção, bem como do Memorial do 11 de Setembro (ground zero)).

DSC00165 DSC00166 DSC00167

DSC00805

O Alexandre continua a desenhar edifícios das mais variadas formas, em papel (e pintados a canetas de feltro ou a lápis de cor), no computador (em programas como o Lego Digital Design, construções no MineCraft e outros).

DSC00101 DSC00103 DSC00104 DSC00105 DSC00106 DSC00108 DSC00109 DSC00112 DSC00113 DSC00114 DSC00115 DSC00116 DSC00117 DSC00118 DSC00119 DSC00120

Em Maio, começaram os dias mais quentes e fomos à praia

DSC00128 DSC00129 DSC00130 DSC00135 DSC00137

e foi também o aniversário do pai, a 14 (outro bolo!).

DSC00156

(tarte de frutas, porque o pai adora fruta e foi dia de um jogo importante de um campeonato_ o pai gosta de futebol_, daí as velinhas em formato de bola de futebol) DSC00157

Pouco antes do dia da viagem, fomos ao banco comprar dólares americanos e o Alexandre esteve a “relacionar-se” com as verdinhas e a ver como eram e como poderia dar os trocos em dólares e cêntimos.

DSC00162 DSC00163

Também já conhecia de cor e salteado o mapa da cidade e o mapa das muitas linhas de metro da cidade (céus (!), para mim aquilo é uma confusão).

DSC00166

E também praticou várias frases em Inglês.

Ainda antes da viagem, um dia cheguei a casa e ele estava de volta dos mapas do Mundo e da Europa que temos e também na internet a fazer contas ao acréscimo e/ou diminuição da população dos vários países. Um pequeno projecto/trabalho. Isto porque tinha dado no noticiário (e tínhamos comentado em conjunto, uns dias antes) sobre a população de Portugal ter vindo a diminuir e a projecção era que, em 2020 (ou 2030? Já não me recordo bem…), na melhor das hipóteses, teremos passado dos nossos 10 milhões de habitantes para 8 milhões (e na pior das hipóteses para 6 milhões). O facto preocupou-o, mas então lembrou-se que tinha reparado no outro dia, nestas suas contas à população mundial que já tinha feito de outras vezes, que nalguns países a população aumentara, no lugar de diminuir. Então o tal trabalho aturado que se propusera fazer foi, pais a país, com referência aos dados que tinha no nosso mapa do mundo que se referem ao ano de 2012, calcular o aumento ou a diminuição no ano de 2013 (de acordo com os dados que pesquisara na internet para 2013); assim concluíu que, apesar de em vários países a população ter diminuído, no geral, a população mundial aumentou para o que contribuíram países como a China, por exemplo.

DSC00168 DSC00169 DSC00172 DSC00174 DSC00175

 

(continua…)

Leave a comment »

Conversa sobre o Vegetarianismo e NutriVentures

“Mãe, porque te tornaste vegetariana?” _ foi esta a pergunta que desencadeou nova conversa sobre o vegetarianismo.

Já houveram outras, a anterior tinha sido desde quando era eu vegetariana e o pai e a mana Catarina e o Bato, isto passado tempo desde saber que nem sempre o fôramos e mais tempo ainda desde perceber que, em Portugal, a maioria das pessoas o não é e mais tempo ainda (pequenininho) em que não se apercebia de tais diferenças.

E isto porque apenas me vou cingindo a responder ao que ele realmente pergunta (isto é, quando me perguntou “desde quando” respondi-lhe “desde…” e não “e também porque…”) pois, como por aqui já referi algumas vezes, o Alexandre não gosta que lhe debite “Informação a mais” ou aquela que ele não solicita quando solicita algo específico (acontece também com outras famílias).

Também por aqui coloquei um post sobre termos explorado a Pirâmide Vegetariana dos Alimentos a propósito do seu interesse pelas Rodas dos Alimentos.

Então a minha resposta a esta sua pergunta, que teve uma segunda parte, “Foi por causa do Robiyn, não foi?” (isto porque ele sabe que o Robiyn dá workshops que eu já frequentei e a mana Catarina e o Bato frequentam, e é vegetariano, bem como a sua família (às vezes os filhos do Robiyn vêm brincar com o Alexandre) e também porque o seu grande amigo Bato às vezes toca no assunto), foi a seguinte:

“Não foi propriamente por causa do Robiyn, foi através do Robiyn (isto em 1998, quando não havia muita informação em Portugal sobre o tema) que tive acesso a muita informação sobre o vegetarianismo, mas o Robiyn não diz para as pessoas se tornarem vegetarianas ou que deveriam fazê-lo. Foi por causa dos animais, sim, porque à mãe sempre lhe fez impressão saber como as pessoas matavam os animais para depois os comermos e nunca fui capaz de assistir (quanto mais praticar) à matança do porco em casa dos avós das manas, ou das galinhas, ou dos patos ou dos coelhos, pois eles são agricultores e criam alguns poucos animais para comerem, embora eles tentassem ensinar-me como se fazia, mas eu não era capaz, desmairia logo _ a mãe já desmaia só de ver alguém a levar uma injecção! Até cozinhar a carne que eles punham na cozinha logo após, me fazia impressão e colocava-a às escondidas no frigorífico (porque senão eles chamavam-me lingrinhas e fracota) até a carne arrefecer e  já não me fazer tanta impressão. Então quando tive acesso a toda essa informação e percebi que não era preciso comermos carne de animais para vivermos (e vivermos saudáveis) e percebi ainda, que não era coerente não ser capaz de matar os bichinhos nem de os ver matar e delegar em outros essa responsabilidade, que é o que fazemos quando não matamos com as nossas mãos os animais, mas os comemos mortos por outros, resolvi tornar-me vegetariana.”

“E então a mana Catarina?” _ ele sabe que a mana Celina não é vegetariana.

Bem, é melhor perguntares-lhe a ela quais foram as suas razões, se quiseres uma resposta mais fiável. As manas obviamente não tinham que se tornar vegetarianas, só porque a mãe resolveu ser vegetariana. Quando eu deixei de comer carne e peixe a mana Catarina tinha 13 anos e a mana Celina tinha 8, um pouco mais novinha que tu, agora. Eu expliquei-lhes o que te expliquei a ti agora e disse-lhes que ia continuar a fazer e a dar-lhes a comida que elas estavam habituadas e gostavam, mas que ia cozinhar outras coisas diferentes para mim, que não utilizassem carne nem peixe. Elas começaram a provar dos pratos vegetarianos que eu comecei a cozinhar e gostavam muito de alguns; a mana Celina gostava muito de tofu à Brás (e não gostava nada de um outro prato parecido que se faz com bacalhau em vez de tofú _ bacalhau é um peixe…”

“Eu sei o que é que é bacalhau!”_ interrompeu.

“Pois, a mana Celina não gosta de bacalhau. Também gostavam de “bifinhos de seitan” com “natas” de soja e de mais uns quantos pratos vegetarianos. Mas enquanto a mana Celina decidiu depois, uns anitos mais tarde, comer só comida vegetariana em casa e fora de casa continuar a comer as outras comidas que as pessoas cozinhavam (em casa dos seus avós, do seu pai, dos seus amigos, etc.), a mana Catarina decidiu tornar-se mesmo vegetariana. Eu um dia contei-lhe que quando ela era bebé não gostava de comer carne nem peixe, que cuspia tudo, só gostava de sopinhas, de fruta, de leitinho, e de algumas papas e que, como eu não sabia na altura que os bebés podiam crescer saudavelmente sem comer carne ou peixe, “obrigava-a” a comer a carne e o peixe, disfarçando tudo muito bem e mesmo assim ela cuspia tudo na maior parte das vezes. Não sei se o ter-lhe contado esta história da sua infância contribuíu para a sua decisão de se tornar vegetariana, tens que lhe perguntar. E também tens que perguntar diretamente à mana Celina se quiseres saber as razões da sua decisão em relação a este assunto.”

“Bem, dá-me mas é aí as minhas batatinhas cozidas com seitan, que já estou cheio de fome…”

DSC08218

DSC08219

E assim terminou, desta vez, a nossa “conversa vegetariana”.

😀

Notas adicionais:

– Há aqui no blog um link para uma entrevista que dei ao Centro Vegetariano sobre a minha gravidez vegetariana e o meu pequeno ter sido sempre vegetariano desde a gestação.

– Há pessoas que me perguntam se eu nunca dei oportunidade de escolha ao meu filho (de ser ou não vegetariano). Dentro da minha barriga, não, eu era vegetariana e ele alimentava-se através de mim, logicamente. Até aos 6 meses alimentou-se exclusivamente de leite materno (também por decisão minha e não dele, se bem que ele gostava muito de mamar e a amamentação ao peito prolongou-se por vários anos, até ele querer e pedir). Aos 7 meses, primeiro introduzi-lhe só a fruta, depois as sopas de legumes e cereais e ao dar-lhe a primeira colher de papa Cérelac ele vomitou e eu não voltei a insistir (comprei-lhe das outras, nas lojas Celeiro, sem leite adicionado, mas comeu-as a irmã mais velha, que adora papas, ele não gosta da consistência das papas, assim que começou a comer a fruta esmagada e as sopas, já só queria comida com pedacinhos_ também nunca quiz puré de batata nem açordas, por exemplo. Entretanto o pediatra pediu uns testes de alergia, porque ele vomitava tudo quanto tivesse leite de vaca (ao primeiro pedacinho) e verificou-se a sua sensibilidade extrema à caseína e outros alergéneos do leite de vaca e não come laticínios (e eu, entre comê-los e deixar de amamentar o meu filho ou continuar a mamentá-lo optei com a maior das facilidades por deixar de comê-los, sou, portanto, ovo-vegetariana). Entretanto, mais crescidinho, o Alexandre teve já muitas oportunidades de provar, pedir, pratos de carne e peixe, mas nunca quiz provar e faz-lhe um bocadinho de confusão/impressão ver e cheirar a carne e o peixe, sejam crús ou cozinhados, sobretudo cheirar, revolta-lhe um pouco o estômago. Portanto, sim, ele tem, desde há uns anos, oportunidades de escolha. E as minhas filhas só não tiveram as mesmas oportunidades de escolha mais novas ainda, por falta de informação minha, tal como também não puderam optar por não ir à escola e praticarem uma “aprendizagem natural”, por falta de informação minha, na altura (essa também já foi uma das perguntas do Alexandre “Mãe, porque é que tu obrigaste as manas a ir à escola e não foste tão boa para elas como para comigo?”).

Uns belos dias e belas refeições para todos!

Isabel

x

Caderno Verde

Nutriventures

“Nutriventures: em busca dos 7 reinos” é uma nova série, portuguesa, que tem passado no Canal Panda e à qual o Alexandre acha muita piada. Tem a ver com a nutrição e a roda dos alimentos, mas também com reinos e aventuras.

Depois de ver vários episódios, soube que saíam em dvd e pediu-me para lhe comprar alguns (comprei-lhe os que já havia no mercado) e assim revê vários episódios sempre que quer.

DSC08374

Entretanto descobri que havia um jogo on-line no site Nutriventures, inscrevi-o e começou a jogá-lo. Dentro do jogo há atividades várias, como comprar sementes, semeá-las no jardim e depois colher os seus frutos e ir gerindo moedas e pontos na compra e venda de vários itens ou para poder jogar o jogo propriamente dito. Também tem acesso aos episódios da série on-line.

A partir daí, começou também a construir reinos “Nutriventures” no Minecraft:

DSC07736

DSC07737

DSC07738

DSC07739

DSC07740

DSC07735

E outra coisa que eu achei interessante foi quando me apercebi, numa conversa que ela ia a ter com a Catarina e com o Bernardo (Bato), no carro, tendo o Bernardo dito que não sabia bem quantos setores tinha a roda dos alimentos, que o Alexandre sabia-os de uma ponta à outra e respondeu-lhe logo: ” 7. A bem dizer, 8, contando com a água que está no centro e que se deve beber em muita quantidade. E deslindou todas as “fatias” da roda, a correlação entre elas e logo apôs as diferenças entre a roda usualmente explicada e a unicamente vegetariana.

Também me disse uma vez que a roda dos alimentos era um gráfico.

Comments (2) »

Passeio de 4 dias a Viana – Dia 1, Visita ao Barco-Hospital Gil Eanes

Caderno Verde

Passeio de 4 dias a Viana – Dia 1, Visita ao Barco-Hospital Gil Eanes

Este é o 3º apontamento deste Passeio a Viana. Podem ler aqui sobre o primeiro e aqui sobre o segundo.

Como contei no segundo apontamento, após descermos do Monte de Santa Luzia, empreendemos a descida da Avenida que vai da Estação até ao Rio e deparámo-nos com o Ponto de Turismo. Tínhamos já na ideia ir visitar o Barco-Hospital que sabíamos atracado, como museu, mas não sabíamos os horários para visita e assim, fomos ao Ponto de Turismo perguntar (e saber os preços) e trouxémos ainda uns mapas da cidade.

Depois lá fomos até “ao Gil Eanes” (também trouxémos do Ponto de Turismo um folheto sobre o “Gil Eanes”, o Barco-Hospital, que explica: “O Navio Hospital Gil Eanes foi construído nos Estaleiros Navais de Viana do Castelo em 1955 tendo como missão, apoiar a frota bacalhoeira portuguesa nos mares da Terra Nova e Gronelândia. Embora a sua principal função fosse prestar assistência hospitalar a todos os pescadores e tripulantes, o Gil Eanes foi também navio capitania, navio correio, navio rebocador e quebra-gelos, garantindo abastecimento de mantimentos, redes, isco e combustível aos navios da pesca do bacalhau.” E ainda continua com um pouco de toda a história do navio  até ter findado a sua actividade em 1984 e recuperado pela comunidade vianense em 1998. Fazem parte ainda do folheto as características do navio (dimensões, capacidade, etc.) e plantas legendadas detalhando a sua compartimentação).

Os acessos estavam em obras!

DSC07820

DSC07821

DSC07822

A escadinha que tínhamos que subir para chegar ao navio…

DSC07823

DSC07824

Ainda é alto e grandinho!

DSC07826

As portas (temos que alçar as pernocas)!

DSC07828

DSC07829

Chegados lá acima o senhor que toma conta do barco-museu explicou-nos como empreender a visita sozinhos, sem ajuda. O percurso está assinalado com setas para darmos a volta completa e visitarmos todos os compartimentos e as várias zonas do convés e o percurso, nalgumas zonas está delimitado com umas cordas para conseguirmos dar a volta toda ao navio sem confusão (mas faz-nos dar mais voltas, só que assim não perdemos pitada). Explicou-nos também que podíamos ler todas as placas acima das portas dos compartimentos que indicavam o tipo de compartimento, bem como as etiquetas de vários objetos identificados.

Então lá começámos o percurso, observando todos os pormenores!

DSC07831

DSC07833

DSC07835

DSC07838

DSC07839

DSC07841

DSC07842

DSC07844

DSC07843

Plano de segurança:

DSC07845

DSC07846

DSC07847

DSC07848

Ora que foi onde passámos mais tempo, a ver os mapas, a manusear os instrumentos, a ler as etiquetas de todos os objetos, a ver os sinais/símbolos… O Alexandre gostaria de experimentar todos a funcionar, para ver como funcionavam os antigos e como funcionam os aparelhómetros que os vieram substituir ou os de versão “mais avançada”.

DSC07849

DSC07850

DSC07851

DSC07852

DSC07853

DSC07854

DSC07855

DSC07856

DSC07857

DSC07858

DSC07859

DSC07861

DSC07862

DSC07863

(estivémos a observar os registos metereológicos que recebiam via algo tipo fax, já na altura)

DSC07864

DSC07865

DSC07866

DSC07867

DSC07868

DSC07870

DSC07871

De novo saídos desta ala… fomos até ao topo do navio.

DSC07873

DSC07874

A vista lá do topo do navio sobre a cidade…

DSC07875

DSC07876

DSC07878

… e sobre o convés!

😉

DSC07879

DSC07880

DSC07883

DSC07884

Maquete de um outro barco!

DSC07885

A barbearia do navio…

DSC07886

DSC07887

O sistema que bloqueava as portas do porão caso o navio começasse a meter água (isto fez-nos lembrar o Titanic)

DSC07888

A cozinha!

DSC07889

DSC07890

DSC07891

DSC07892

DSC07893

DSC07894

DSC07895

DSC07896

DSC07897

DSC07898

E aqui a padaria:

DSC07899

Esta é maior que a que vemos na fábrica de bolos de uns amigos nossos…

DSC07900

DSC07901

DSC07902

DSC07904

DSC07905

Mais uma maquete, esta a do próprio Gil Eanes que andávamos a visitar!

DSC07906

(o Alexandre aprecia mesmo maquetes…)

DSC07907

Aqui a explicação sobre a foto que está na parede e que vamos ver a seguir: foto de quando crianças da Gronelândia vieram fazer uma visita ao barco-hospital por lá atracado e quando em funções. É giro…

DSC07908

DSC07909

DSC07910

DSC07911

DSC07912

DSC07913

DSC07914

A casa das náquinas fazia um bocadinho de impressão, subir aquelas escadas rapidamente e sob pressão devia ser obra…

DSC07915

DSC07916

DSC07917

DSC07918

DSC07919

DSC07920Mais uma foto dos barcos na Gronelândia…

DSC07921

Aqui os desenhos da maquinaria e sistemas (também interessam ao Alexandre estas plantas e cortes e medidas)

DSC07922

Ora que chegamos à parte que diferencia este navio-hospital de muitos outros navios  (e que fez o pai sair impressionado, sobretudo ao imaginar-se numa sala de operações daquelas…)

DSC07923

DSC07924

DSC07925

DSC07926

(a máquina onde se tiravam radiografias)

DSC07927

DSC07929

DSC07930

DSC07931

DSC07932

DSC07933

DSC07934

DSC07935

DSC07936

DSC07937

(o laboratório de análises e esterelização)

DSC07938

DSC07939

DSC07940

DSC07941

De novo no convés…

DSC07942

Uma capela.

DSC07943

A âncora…

DSC07944

DSC07945

DSC07946

DSC07947

No final da visita, muito cansadinhos, a descansar na relva para depois voltarmos a subir a Avenida até à Estação e esperarmos lá que a nossa amiga nos viesse buscar e levar até à sua casa, numa aldeia perto (Neiva).

DSC07949

DSC07950

DSC07952

DSC07953

Enquanto esperávamos pela nossa amiga o Alexandre esteve a localizar no mapa (num dos que trouxémos do Posto de Turismo) os locais que tínhamos visitado e outros por onde passámos.

DSC07954

DSC07955

DSC07956

DSC07957

DSC07959

Só chegámos a casa dela lá para as 9h da noite, todos cansados mas por motivos diferentes (a nossa anfitriã tinha tido um dia de trabalho, muito intenso _ ela é guia turística_ com um grupo de alunos (e alguns professores) de uma escola francesa que nem por isso estavam muito interessados na “visita de estudo” e estivémos também um pouco a conversar sobre as diferenças entre uma visita que preenche os nossos interesses e outra “programada de forma dita didática”.

🙂

Obrigada J., por tudo.

Comments (2) »

Unschooling num fim-de-semana de temporal

Caderno Verde

Unschooling num fim-de-semana de temporal

Sábado.

Estava programado irmos a uma festa de aniversário da filha de uns nossos amigos, em Lisboa. Um temporal assolou este distrito, pelo menos. O vento assobiava tanto que assustava um pouco (caíram umas árvores do parque de estacionamento defronte de casa). Desistimos de ir. Ficámos os três (pai, mãe e filho) no quentinho e o dia decorreu assim:

Desenhos animados de manhã, juntos, aninhados no sofá.

Alexandre e pai jogaram Super Mario Paper.

Brincadeira e alguma ginástica em cima da cama.

Comidinha boa.

Construção de uma cidade através de um novo (cá em casa) programa de computador.

Pensámos por várias vezes praticar os três uma aulinha de Tai Chi que fomos adiando ao longo do dia e acabámos por substituí-la por uma sessão de dança ao som das músicas do final de um filme, que o Alexandre gosta de dançar.

Jogo das aventuras 4 (tínhamo-lo comprado na Sexta, finalmente…):  completámos 1 dos módulos _ aula de português, de estudo do meio, de matemática e atividades propostas. Estivémos à volta de quadros, gráficos, tabelas, animais em vias de extinção, famílias de palavras e mais uns assuntos. Foi o Alexandre que quiz ir estrear o “jogo” e esteve bastante interessado.

DSC07347

China: luzes da china _ imagens de satélite à noite) e vários mapas da China. Começámos por pesquisar imagens de satélite onde mostrassem “China à noite”, a pedido do Alexandre (de bónus vieram as da Índia à noite, da Europa à noite e mais umas quantas; é giro ver onde brilha mais (ele queria perceber quais os países do mundo que têm mais luzes o que significa para ele que são os que têm mais cidades!!!). Como bónus, encontrámos os mapas da China (coloquei o link, em cima), muito mais compostos que alguns que já tínhamos visto (ele já sabe o nome de várias cidades chinesas e que nós chamamos Pequim a Beijing).

Documentário sobre os cinco melhores comboios do mundo (de cerca de 1h de duração):

Bem! Este foi já à noite e rendeu bem! Agora que acedemos, na tv, às gravações dos programas de até 7 dias atrás (o Alexandre disse que assim já percebe que se pague para ver televisão, antes desta hipótese não achava equilibrado o binómio custo-benefício), o pai desencantou o documentário no Discovery Channel, sobre o top-five dos melhores comboios do mundo. Há mais de 1500 tipos de comboios em todo o mundo, de modo que os critérios para este top-five são baseados em cinco qualidades: robustez, velocidade máxima, velocidade operacional, distâncias percorridas e capacidade quanto ao nº de passageiros transportados (vejam abaixo mais sobre o que aprendemos com este documentário).

Domingo.

Quase que nem à varanda nos atrevemos a ir. O temporal de Sábado amainou um pouco, ainda assim, dentro de casa é que se estava bem. Para além dos desenhos animados em contínuo aninhados no sofá e  da comidinha de forno para aquecer a alma, construíu um novo edifício no Minecraft

DSC06897

DSC06926

DSC06927

(do qual não tirei fotos, estas são de um outro parecido _ também tinha um heliporto) que construíu há uns tempinhos e do qual ainda não tinha colocado fotos aqui)

e desenvolvemos o assunto dos mapas da China.

Também revimos o documentário sobre os cinco melhores comboios (ele queria decorar pormenores vários da informação disponível):

Bem, o comboio considerado mais robusto e com maior força mecânica é o QNSL canadiano que transporta minério de ferro num percurso de 418 km, por vezes a temperaturas inferiores a 40º C negativos e num percurso rodeado de ursos. Pesa 33 000 toneladas (46 vezes mais que o candidato mais próximo!!!), usando um depósito cheiinho de 20 000 l de combustível! Cada locomotiva consegue puxar 80 vagões e chegam a acoplar duas e três locomotivas transportando no máximo 240 vagões tornando o comboio muuuiiito comprido (2,5 km de comprimento) para ir buscar minério a Labrador City. É por isso um tanto lento, atinge os 65 Km/h quando vazio e a sua velocidade operacional é de 56 Km/h.

DSC07357

DSC07358

DSC07359

O mais rápido é, sem dúvida, o mais recente TGV Duplex (de dois andares) que consegue atingir os 575 Km/h. No entanto, a sua velocidade operacional (a velocidade que atinge carregado de passageiros e nas condições regulares) é de 320 Km/h. Consegue transportar mais passageiros que o anterior TGV (chega aos 1020) e chega a percorrer 1278 km (os que separam Nice de Bruxelas). Como é muito rápido, o maquinista nem consegue ver os sinais vermelhos na linha, apenas se guia plos indicadores do painel de controle, de modo que quando alguma luzinha se avaria tem que ir logo para a manutenção. E também pelo desgaste rápido de algumas peças, como o eixo das rodas que é inspecionado a cada 3 dias. Também mostram, no documentário como em La Rochelle já trabalham no sucessor do TGV, o AGV que será 12,5 % mais rápido (em vez de dois motores, um em cada ponta do comboio, terá dez motores acoplados nos chassis).

DSC07360

DSC07361

DSC07364

A maior velocidade operacional pertence ao comboio de levitação magnética Maglev chinês (flutuante, portanto) que atinge os 5oo Km/h e cuja velocidade operacional é de 431 Km/h e com uma taxa de pontualidade de 99,97 % (era a que precisávamos cá em Portugal para os nossos comboios)!. Faz uma viagem curta, de 30 Km, em Xangai, transportando 562 passageiros. É extremamente leve, feito de uma liga de alumínio de alta resistência e baterias que fornecem energia e fazem o Maglev flutuar num campo magnético que eleva o comboio a 12 mm. Usa muito menos energia que um automóvel comum ou que um ar-condicionado e esta tecnologia foi desenvolvida por uma empresa alemã tendo sido a China, até agora, o único país a investir nela (1,4 milhões de dólares).

DSC07374

DSC07376

DSC07377

DSC07378

Quem percorre uma maior distância e em condições inóspitas é o Qingzang, também na China, a raiar os 2000 Km entre Xining e o coração do Tibete, atingindo apenas os 120 Km/h e transportando 900 passageiros que têm que assinar uma declaração de responsabilidade sanitária para fazer tal percurso, dadas as dificuldades de pressão ao atingir as zonas montanhosas a 5072 m de altitude e cerca de 30º C negativos; estes passageiros passam cerca de 12h a 4000 m acima do nível do mar e recebem oxigénio extra para uma viagem potencialmente fatal; ainda assim, este comboio já transportou mais de 41 mil milhões de passageiros desde que circula e uma nota interessante é que a água dos lavabos é aquecida ou sairia pelas torneiras em cubos de gelo                 🙂                A tecnologia para a construção e viabilidade da linha férrea teve que ser especificamente desenvolvida, pois atravessa várias zonas com uma camada instável de lama e gelo (que descongela), com um sistema genial de ventilação que permite manter o solo congelado todo o ano.

DSC07367

DSC07368

DSC07370

DSC07371

DSC07372

DSC07373

E o que nos resta dos cinco especiais, o comboio-bala do Japão, líder mundial na capacidade de transporte de passageiros: 1323 passageiros (em 16 carruagens). A velocidade máxima é de 332 Km /h e o percurso, de 1069 Km. Liga frequentemente Tóquio a Osaka. Para ser maquinista de um comboio destes são necessários 7 anos de experiência a conduzir comboios e passar por uma formação de 591 h de teoria e 571 h de prática mais simulações mensais de situações de emergência, dada a responsabilidade pela vida de tantos passageiros. É obra!

DSC07379

DSC07380

DSC07381

DSC07383

DSC07384

Depois, ainda encontrámos e vimos (no mesmo canal, o Discovery) um documentário sobre a construção de Tokyo Sky City.

DSC07386

DSC07387

DSC07388

DSC07389

Também descortinámos esta informação sobre Tóquio não ser bem, tecnicamente, uma cidade (isto porque o Alexandre tinha descoberto um edifício que num sítio dizem ser em Tóquio noutro numa outra cidade e quando procurava por essa cidade no mapa do Japão ela aparecia-lhe localizada em Tóquio e o rapaz estava muito confuso e eu também): “Embora Tóquio seja considerada o maior e mais importante centro financeiro do mundo[9] (ao lado de Nova York e Londres[10]), e uma “Cidade Global Alfa++“, ela não é, tecnicamente, uma cidade. Não há no Japão uma cidade chamada “Tóquio”. Na verdade, Tóquio é designada como uma metrópole, similar a uma prefeitura do Japão e é constituída por 23 bairros, 26 cidades primárias, cinco cidades secundárias e oito vilas diferentes. Cada uma delas possui um governo que opera no nível regional. Também fazem parte de Tóquio pequenas ilhas no Oceano Pacífico, localizadas a mais de mil quilômetros sul, nos subtrópicos.”

Pronto, foi um fim-de-semana muito proveitoso, aconchegante e intimista, ao mesmo tempo “viajando” por alguns lugares do mundo!

😀

E o que eu aprendi em conjunto com o meu filho, sobretudo sobre comboios do que percebo muito pouco e nem imaginava que ia ser assim interessante e que gostava de reter esta informação (também vi o documentário duas vezes com ele _ e durante esta semana já voltámos a repetir a dose).

Comments (1) »