Posts tagged contemplação

Passeio a Braga, Guimarães e Porto, dias 3 e 4

 

(continuação de cinco posts anteriores, , ,  e )

Caderno Verde

Explorar Linhas de Longo Curso  e Suburbanos, Arquitetura do Local e afins- Passeio a Braga, Guimarães e Porto

Dia 3 – Póvoa do Varzim e Dia 4 – Regresso a Lisboa

Pois então fomos experimentar a linha de metropolitano de “maior longo curso”, isto é, verificando os mapas da rede do metropolitano do Porto, a paragem mais longínqua é a da Póvoa do Varzim! E lá fomos, para testar o percurso, tempos, vistas, etc. e etc. e depois dar uma voltinha pela cidade.

É uma cidade costeira que o Alexandre achou ter parecenças com a Figueira da Foz, onde estivémos há dois anos num passeio do género (também tínhamos ido “testar” o regional Coimbra-Figueira da Foz).

Vejam as fotos:

20150330_163424

20150330_164101

20150330_164130

20150330_164150

20150330_173326

20150330_173331

20150330_173333

20150330_173336

20150330_173340

20150330_173346

20150330_173350

20150330_173423

20150330_173500

20150330_173508

20150330_173517

20150330_173526

20150330_173627

20150330_173657

20150330_173717

20150330_173728

20150330_173740

20150330_174058

20150330_174106

20150330_174110

20150330_174115

20150330_174751

20150330_174759

20150330_174807

20150330_175751

20150330_175803

E pronto! Depois voltámos para Braga, novamente de comboio “suburbano”. Chegámos à noitinha que já não tínhamos autocarro para a residencial e experimentámos os táxis (passámos pelos túneis da cidade).

Dia seguinte: viagem de volta! O Alexandre conseguiu nas bilheteiras os horários com os percursos das linhas desta zona, para a sua “coleção”.

20150330_204143

20150330_204224

Em frente à residencial, antes da ida para a estação:

20150331_121754

20150331_121800

20150331_121820

 

Gostámos muito desta estadia de 4 dias, com muitas viagens e aventuras. Não registei em nenhum destes cinco posts, digo-o agora, que uma das coisas interessantes (que o Alexandre se fartou de comentar depois com as irmãs e com os amigos) foi a amabilidade e a disponibilidade das várias pessoas com quem nos cruzávamos para nos informar e prestar bons serviços. Vejam só que, em Guimarães, estávamos numa paragem para apanhar um autocarro que pensávamos ser o correto para chegar ao nosso destino local; quando ele chegou tentámos confirmar se era o autocarro correto e o motorista informou-nos que não, teríamos que apanhar um outro umas paragens à frente, mas para não nos enganarmos, mandou-nos entrar e deixou-nos nessa paragem, sem nos cobrar bilhete algum; depois, como ele próprio se tinha equivocado, pediu, pelo telefone, a um outro motorista que saíra do turno e já se dirigia para casa na sua viatura, parar na paragem onde nos deixara a avisar que afinal ainda tínhamos que atravessar a rua para ir para a paragem devida. E ainda aconteceu outra situação do género, num outro percurso, onde o motorista nos deixou a meio do percurso, pois tínhamos que mudar de autocarro para continuar e avisou por telemóvel o colega do autocarro seguinte que nós tínhamos direito a percorrer mais uma zona.

🙂

 

Leave a comment »

Passeio a Braga, Guimarães e Porto, dia 2, Guimarães

(continuação da parte do Caderno Verde deste post,  deste outro e do primeiro desta “série”)

Caderno Verde

Explorar Linhas de Longo Curso  e Suburbanos, Arquitetura do Local e afins- Passeio a Braga, Guimarães e Porto

Dia 2 – Guimarães: o centro e o teleférico

A pé pelo centro de Guimarães desde a estação, passando pela porção de muralha no meio do casario com o emblemático dizer “Aqui Nasceu Portugal” e após uma refeição ligeira num cafézinho do centro depressa decidimos que o primeiro local a visitar com toda a nossa energia seria a Montanha da Penha à qual acederíamos de teleférico.

“O Teleférico de Guimarães entrou em funcionamento a 11 de março de 1995, e está aberto todo o ano, ligando o Centro Histórico de Guimarães à Montanha da Penha, num trajeto de 1700 metros, vencendo um desnível de 400 metros em apenas 8 minutos.” _ tinhamos lido no prospeto turístico.

E como andar de teleférico sempre foi um continua a ser uma das preferências do Alexandre bem como observar as vistas lá de cima, lá fomos, pois então!

 

20150329_144838

“Aqui Nasceu Portugal”!

O mote para recordar mais uma vez a História por nós muito desenvolvida nas várias leituras dos livros de História de Portugal que possuímos.

20150329_144912

20150329_144926

20150329_145158

20150329_145613

E sempre a pé, desde a estação até ao teleférico…

20150329_145638

20150329_152246

20150329_152256

20150329_153600

20150329_153606 20150329_153706

20150329_153710

Ei-lo!

20150329_153808

20150329_153814

20150329_154301

20150329_154311

20150329_154313

20150329_154325

20150329_154333

20150329_154339

20150329_154349

20150329_154411

As fotos não fazem jus à grandiosidade do percurso (longo, alto e com vistas fabulosas)

20150329_154424

20150329_154446

20150329_154455

20150329_154505

20150329_154518

20150329_154529

20150329_154553

20150329_154604

20150329_154629

20150329_154646

20150329_154652

20150329_154705

20150329_154710

20150329_154719

20150329_154800

20150329_154820

20150329_154836

20150329_154857

20150329_154901

20150329_154940

20150329_155003

20150329_155007

20150329_155023

20150329_155026

20150329_155047

20150329_155053

20150329_155058

8 minutos sempre em ascensão!

20150329_155156

20150329_155208

A chegar ao topo…20150329_155245

20150329_155255

20150329_155354

20150329_155400

20150329_160050

20150329_160059

20150329_160122

O Mapa da Montanha da Penha, que não podia faltar. Magnífica, a montanha.

20150329_160223

20150329_160317

20150329_160929

20150329_160953

20150329_164102

20150329_164129

 

20150329_164204

20150329_164210

20150329_164259

20150329_164303

20150329_164335

Agora a descida…

20150329_165926

20150329_165943

20150329_170009

20150329_170035

20150329_170047

20150329_170105

20150329_170221

 

20150329_170301

20150329_170310

20150329_170319

20150329_170353

20150329_170434

20150329_170505

Chegando de novo ao centro histórico…

20150329_170515

20150329_170832

Bom, a visita seguinte era obviamente o Castelo, mas como o teleférico e a Montanha da Penha ocuparam horas, quando lá chegámos estava a fechar… ficará para a próxima visita a Guimarães (desta vez fizémos base em Braga, da próxima talvez a “nossa base” seja o Porto, mas ficou já a pretensão de voltarmos).

E assim voltámos a percorrer a linha dos “Urbanos Porto”, desta vez fazendo um percurso maior, de propósito, para trocarmos noutra estação, a de Ermesinde (vejam os folhetos dos horários da CP Porto, porque é assim que fazemos, estudamos o percurso através dos folhetos, as possíveis estações para a troca de comboio, para percorrermos os trajetos o mais exaustivamente possível!)

🙂

 

20150329_205428

20150329_205434

20150329_205443

(fotografando e observando sempre as estruturas)

20150329_205449

Continuamos no próximo post.

Comments (2) »

Exposição de comboios elétricos em Oeiras

Caderno Verde

Exposição de comboios elétricos em Oeiras

Há dois fins-de-semana atrás, houve uma exposição (de dois dias, creio) de modelismo de comboios.

Combinámos com uma das famílias em ensino doméstico com quem nos encontramos de vez em quando, pois o filho tem também muuuuiiiiito interesse em comboios, em arranha-céus e mais uns itens em comum com o Alexandre.

E lá fomos de autocarro até Oeiras ter com eles e ver a exposição. Estava um dia muito quente.

A caminho do autocarro:

20150606_090505

Quando íamos a pé da estação de Oeiras até ao “Palácio do Egito”, onde era a exposição, fotografámos estes lindos patinhos, o Alexandre é que me chamou a atenção para tanto patinho (também queríamos estar a refrescarmo-nos como eles!):

20150606_104119

20150606_104124

E já na exposição (duas salas cheias de comboios montados e a circular e todos os pormenores à volta (paisagens, casinhas, estradas e arruamentos, etc., etc.):

20150606_112819

20150606_112824

(o Alexandre e o S. muito falavam sobre o que estavam a ver esobre todos os por menores técnicos)

20150606_112828

20150606_112844

20150606_113106

20150606_113359

20150606_113410 20150606_113513

20150606_113620

20150606_113638

20150606_113650

20150606_113712

20150606_113901

20150606_113949

20150606_114002

20150606_114005

20150606_114034

20150606_114043

20150606_114048

20150606_114531

20150606_114539

20150606_114603

20150606_115101

20150606_115124

20150606_115136

20150606_115149

20150606_115210

20150606_115213

20150606_115234

20150606_115238

20150606_115255

20150606_115318

20150606_115344

20150606_115507

20150606_115527

20150606_115531

20150606_123108

20150606_115557

 

Observaram tudo muito bem e quando surgia um percalço na circulação lé estavam de volta dos autores/construtores a perceber o que acontecera e a ajudar.

E aproveitámos para combinar uma nova aventura (andarmos de comboio “de longo curso” – alfa pendular – juntos), que a seu tempo eu depois contarei.

 

Leave a comment »

Bolas de sabão através das mãos

Caderno Verde

Bolas de sabão através das mãos

Como já devem ter percebido, as bolas de sabão são por aqui uma constante.

Desde pequeno que o Alexandre sente um grande fscínio por estas pequenas bolas frágeis, transparentes e ao mesmo tempo coloridas, completamente voláteis, mas que sobem, sobem e de repente se diluem no ar, ou descem, descem e estouram ao tocar numa qualquer superfície.

Tem sempre tido vários dispositivos (o último até foi em forma de “pistola de bolas de sabão”, ganho no Natal!) para andar nesta brincadeira sempre que se lembre e lhe apeteça, mas agora descobriu, num belo dia a lavar as mãos, que colocando alguma água e muito sabão, consegue fazer bolas soprando através dos seus próprios dedos entreabertos!!! Ora vejam:

20150129_002118

Pronto! Tem passado horas nisto…

20150129_002246

Aqui até deu para fazer duas bolas ao mesmo tempo:

20150129_002251E aqui estava a ver quão grande conseguia fazer uma bola:

20150129_002300

20150129_002309

20150129_002317
Logicamente, passou logo a técnica ao seu amigo G. e puseram-se os dois a fazer bolas ao despique.

20150129_195712

E aqui, resolveram uni-las,  até ficarem coladas uma à outra.

20150129_195924

Experiências mágicas!

😀

 

Leave a comment »

Passeios com a mana Celina

Caderno Verde

Passeios com a mana Celina – Torre de Belém e Setúbal à noite

– Torre de Belém:

Já há anos que queriam ir visitar (subir) a Torre de Belém e andaram a adiar, a adiar. Ali, na zona, já tinham ido ao Museu da Marinha e várias vezes ao Museu da Eletricidade, mas a Torre ficara “de lado”. Desta vez, lá foram: a mana Celina, o Alexandre e o nosso vizinho G., da idade do Alexandre, que sempre que pode nos acompanha nalgumas “atividades”.

Bom, não acharam grande piada, pois disseram que a Torre pouco tinha que ver por dentro. É subir umas escadinhas (eu já sabia, já lá tinha ido numa visita guiada), pouco diferente é que vê-la por fora e a vista lá de cima também não é nada de especial. É bom enquadrá-la na História dos Descobrimentos e pronto (o que já tínhamos feito através de dois livros e de um guia turístico).

A mais-valia foi, sobretudo para os dois mais pequenos, terem ido até lá (para além do comboio e do metro) num dos elétricos novos (como este aqui da foto!). Adoraram!

20150301_162328

 

– Setúbal à noite:

Pois lá foram eles de novo a Setúbal, no comboio de 2 andares da Fertagus, passar a ponte 25 de abril, etc., etc. É uma viagem que gostam de fazer juntos e fazem frequentes vezes. Desta vez saíram de casa tarde e então andaram por Setúbal à noite, foram mesmo até às docas ver a vista de Tróia para o lado de lá e vinham encantados com a vista noturna e todas as luzes dos edifícios novos de Tróia.

Chegaram a casa às 10h da noite!

Não temos fotos! A mana Celina anda em maré de telemóvel económico, cuja câmara não alcançava a maravilhosa vista (e não tinham levado máquina fotográfica, claro está, que o Alexandre tem uma digital, que passou de nós para ele, agora que eu e o pai já a não usamos, porque os telemóveis dão mais jeito.

Leave a comment »

Feliz Natal!!!

Vivam, bom dia! A todos um Feliz Natal!!!

Nós cá estamos vivendo a a quadra em família e aproveitando-a (como aproveitamos sempre o nosso dia-a-dia) para a nossa vivência “unschooling”.

E como houve várias “tarefas” agradáveis que têm decorrido no âmbito do Natal, aproveito para deixar aqui algumas fotos e o respetivo relato, no Caderno Verde.

Muitos beijinhos para todos e uma bela quadra natalícia!

Isabel

x

Caderno Verde

Feliz Natal!!!

Em Novembro (pois! gostam de o fazer nas calmas e com muita antecedência…) a mana Catarina e o Alexandre, estudaram o orçamento que lhes dei para este ano (tínhamos que renovar a nossa árvore anterior que durou 13 anos) e foram comprar a nova árvore, que eu queria mais pequena que a anterior, mas não tive sorte nenhuma (esta já trazia neve!!!), ainda é uns centímetros maior e quase não conseguiam colocar a estrela no topo.

DSC01063

DSC01064

Este ano há umas bolas novas, transparentes que refletem todas as luzes e cores tais bolas de sabão, que o Alexandre adorou (também adora bolas de sabão e ainda hoje há grandes momentos de brincadeira a fazer e a apanhar bolas de sabão)

DSC01066

DSC01067

DSC01070

DSC01071

DSC01073

DSC01075

DSC01078

DSC01082

Os enfeites de feltro feitos por ele e a irmã num outro ano, este ano foram todos enfeitar uma outra árvore mais pequena, que eles agora chamam de “árvore do Super-Mário”, porque a estrela parece a estrela do Super-Mário.

DSC01084

A mana Catarina e o Bato, ambos actores, costumam ter nesta época vários trabalhos de entretenimento dos pequeninos. Aqui o Bato, a fazer de Pai-Natal no shopping da Beloura. (E também fomos ver a peça de teatro “A Loja dos Sonhos”, no Museu Nacional do Teatro, onde entra a mana Catarina e que já vamos ver mais abaixo…)

DSC01108

DSC01109

DSC01110
O Calendário do Advento é sempre especial (o Alexandre nunca teve daqueles de chocolatinhos, pois não os pode comer (alergia à caseína), de modo que todos os anos vamos inventando outros calendários. O deste ano, é a mesma árvorezinha em caixinhas do ano passado, onde vou colocando ou uma moedinha ou pistas para uma caça ao tesouro e, de 1 a 24 lá andamos todos os dias a procurar pequenos tesouros.

DSC01117

DSC01120

Este tesourinho é um globo terrestre que se apoia num pequeno círculo e, movido a uma pilha AA, está sempre a rodar. Ele adorou (o meu pequeno urbanista/geógrafo).

DSC01121

DSC01122

Este outro tesourito é uma ventoinha de mão para aplacar o calor que lhe dá.

 

DSC01123

DSC01124

DSC01125

Este outro, um “quebra-cabeças” (difícil, este!).

DSC01126

E uma “bola de Natal pessoal”, só dele.

DSC01130

E um conjunto de tubos-palhinha, tais canalizações de edifícios que ele e o nosso vizinho G. se entretiveram a montar e a experimentar (dia de experiências com líquidos_ água, leite de soja simples, leite de soja com frutos, sumo de maçã, sumo de morango…_, que é outra coisa que gosta muito de fazer).

DSC01118

DSC01119

DSC01127

DSC01128

DSC01129

Em cima, a primeira sessão, na cozinha, em baixo, a segunda sessão, na sala.

DSC01135

DSC01136

DSC01137

DSC01138

DSC01139

DSC01140

DSC01141

DSC01142

DSC01143

Até o Bato, numa outra sessão, experimentou!

10847946_10205022493778729_1133299894678921302_n[1]

Num outro dia foram (Alexandre, nosso vizinho G., mana Catarina e Bato) ao cinema, ver o filme Big Hero 6 – Novos Heróis. Adoraram. E comeram muitas pipocas (salgadinhas, as do Alexandre, que ele não gosta nada de doces. Ah! Vou contar-vos uma, a propósito: no outro dia disse eu ao meu filhote: “Anda cá meu doce!” Ao que ele respondeu prontamente: “Meu doce não, meu salgadinho! Que eu não gosto nada de doces!” E então agora, ficou “o meu salgadinho” _ em vez de “meu docinho”_ e até no outro dia, ao chegarmos a casa após um passeio, ele se saíu com esta: “Lar, Salgado Lar!”).

E ontem, dia 21, fomos então ao teatro (teatro infantil, no Museu Nacional do Teatro, que nós também já visitámos há uns tempos atrás, que fica no Lumiar, em Lisboa. É uma peça da autoria da Cativar, para quem a Catarina trabalha com alguma frequência desde há uns bons anitos atrás, esta chama-se “A Loja dos Sonhos“. Ainda vai estar em palco mais dois dias (no próximo fim-de-semana, 27 e 28). Nós rimo-nos que nos fartámos. Connosco foi, mais uma vez, o nosso vizinho G. (da idade do Alexandre), que também se fartou de rir. A peça é para crianças pequenas, mas eles os dois, com 11 anos, gostaram mesmo muito (é muito cómica) e até nós, adultos, nos fartámos de rir.

DSC01156

Ainda démos uma voltinha pelos jardins do Museu, antes da peça começar…

DSC01157

DSC01158

DSC01159

DSC01160

DSC01161

DSC01162

DSC01163

DSC01164

DSC01165

DSC01167

DSC01168

DSC01170

E estas fotos são só após o final, em que as actrizes ficam um pouco a falar com as crianças, pois não pude tirar fotos à peça, claro. A mana Catarina é a Esmeralda (e ainda faz mais duas personagens, uma delas, o Rabanete) e a sua colega Sofia, a Avó Lita (e a D.ª Dominique e o Sr. Nicolau…).

DSC01171

DSC01172

DSC01174

DSC01175

DSC01176

DSC01178O Alexandre, no final, foi também dar um abraço às duas actrizes e dizer-lhes que tinha gostado muito e que elas eram muito, muito boas a representar!

DSC01179

DSC01180

DSC01181

 

Leave a comment »

De Janeiro a Julho de 2014 – Parte IV

Caderno Verde

De Janeiro a Julho de 2014 – Parte IV – Praia, Feira, Pinturas, Aniversários, Prendas…

 

Depois de voltarmos de Nova Yorque, mais uns diazinhos de praia,

 

DSC00808 DSC00809 DSC00810

visitar a mana na Feira de Artesanato  (Estoril) onde ela trabalhou de novo este ano a fazer pinturas faciais (e nas mãos e nos braços!),

DSC00823 DSC00824 DSC00825 DSC00826 DSC00828 DSC00831

(uma amostrita das pinturas feitas pela mana):

10517522_10203809381051669_2896852362503666336_n[1] 10547517_10204069072383790_6990153018945808689_n[1] 10547517_10204069072423791_902901751689151627_n[1] 10553323_10204069072463792_2625674552038297657_n[1]

1604965_10204085171346254_1997566088357545456_n[1]

1374883_10204089813982317_1810535491732300938_n[1]

o aniversário do Bato (a 4 de Julho) e o seu próprio aniversário, a 12 de Julho, dia em que nós aqui, em unschooling, consideramos o final de um ano “lectivo” e o começo do seguinte (isto apenas para os registos que temos que apresentar, pois para nós (e para o Alexandre!), assim realmente, não existem “anos lectivos”).

O aniversário do Alexandre, é sempre muito divertido, são as manas as autoras do bolo, vêm alguns amigos, muita brincadeira, jogos, conversas, comida.

Este ano o bolo era baseado nos fimes “Lillo & Stich“, passados no Havai. As manas são muito talentosas, de facto!

DSC00847 DSC00850 DSC00851 DSC00854 DSC00855 DSC00856 DSC00857 DSC00858 DSC00865 DSC00870 DSC00874

 

Jogámos muito às cartas com o baralho novo trazido de Nova Yorque cheio de imagens de Nova Yorque (que o Alexandre adorou…)

DSC00879 DSC00880 DSC00881

 

e também lhe ofereceram, de entre muitos outros presentes, este microscópio (ainda não tínhamos) para as nossas aventuras científicas.

DSC00882DSC00883

 

Leave a comment »