Archive for g) – desenvolvimento através de conversas

Passeio a Braga, Guimarães e Porto, dias 3 e 4

 

(continuação de cinco posts anteriores, , ,  e )

Caderno Verde

Explorar Linhas de Longo Curso  e Suburbanos, Arquitetura do Local e afins- Passeio a Braga, Guimarães e Porto

Dia 3 – Póvoa do Varzim e Dia 4 – Regresso a Lisboa

Pois então fomos experimentar a linha de metropolitano de “maior longo curso”, isto é, verificando os mapas da rede do metropolitano do Porto, a paragem mais longínqua é a da Póvoa do Varzim! E lá fomos, para testar o percurso, tempos, vistas, etc. e etc. e depois dar uma voltinha pela cidade.

É uma cidade costeira que o Alexandre achou ter parecenças com a Figueira da Foz, onde estivémos há dois anos num passeio do género (também tínhamos ido “testar” o regional Coimbra-Figueira da Foz).

Vejam as fotos:

20150330_163424

20150330_164101

20150330_164130

20150330_164150

20150330_173326

20150330_173331

20150330_173333

20150330_173336

20150330_173340

20150330_173346

20150330_173350

20150330_173423

20150330_173500

20150330_173508

20150330_173517

20150330_173526

20150330_173627

20150330_173657

20150330_173717

20150330_173728

20150330_173740

20150330_174058

20150330_174106

20150330_174110

20150330_174115

20150330_174751

20150330_174759

20150330_174807

20150330_175751

20150330_175803

E pronto! Depois voltámos para Braga, novamente de comboio “suburbano”. Chegámos à noitinha que já não tínhamos autocarro para a residencial e experimentámos os táxis (passámos pelos túneis da cidade).

Dia seguinte: viagem de volta! O Alexandre conseguiu nas bilheteiras os horários com os percursos das linhas desta zona, para a sua “coleção”.

20150330_204143

20150330_204224

Em frente à residencial, antes da ida para a estação:

20150331_121754

20150331_121800

20150331_121820

 

Gostámos muito desta estadia de 4 dias, com muitas viagens e aventuras. Não registei em nenhum destes cinco posts, digo-o agora, que uma das coisas interessantes (que o Alexandre se fartou de comentar depois com as irmãs e com os amigos) foi a amabilidade e a disponibilidade das várias pessoas com quem nos cruzávamos para nos informar e prestar bons serviços. Vejam só que, em Guimarães, estávamos numa paragem para apanhar um autocarro que pensávamos ser o correto para chegar ao nosso destino local; quando ele chegou tentámos confirmar se era o autocarro correto e o motorista informou-nos que não, teríamos que apanhar um outro umas paragens à frente, mas para não nos enganarmos, mandou-nos entrar e deixou-nos nessa paragem, sem nos cobrar bilhete algum; depois, como ele próprio se tinha equivocado, pediu, pelo telefone, a um outro motorista que saíra do turno e já se dirigia para casa na sua viatura, parar na paragem onde nos deixara a avisar que afinal ainda tínhamos que atravessar a rua para ir para a paragem devida. E ainda aconteceu outra situação do género, num outro percurso, onde o motorista nos deixou a meio do percurso, pois tínhamos que mudar de autocarro para continuar e avisou por telemóvel o colega do autocarro seguinte que nós tínhamos direito a percorrer mais uma zona.

🙂

 

Leave a comment »

Feliz 2016 e a continuação do passeio a Braga, Guimarães e Porto

Vivam! Feliz 2016!

Nós passámos o ano em família e vimos alguns dos fogos de artifício que se vêem da nossa varanda.

O Alexandre que se interessa muito por Geografia, o que inclui os fusos horários, acompanhou durante o dia com algum entusiasmo as reportagens onde mostravam os vários países onde já entrava o ano de 2016 quando por cá ainda era meio dia e por aí fora… Austrália (e o fogo de artifício de Sidney), Japão e logo depois Macau e Hong Kong… e sabia os que entrariam em 2016 depois de nós como os Estados Unidos, especialmente Nova York, onde já estivémos e sabíamos ser mais cedo 5 horas.

20160101_000454

No dia 1, mesmo a chover (este é o chapéu “Singing in the Rain” da mana Catarina), houve quem fosse caminhar para a Praia Grande, entre aguaceiros, isto é, chegámos lá sem chuva (quando por aqui chovia “a potes” e só quando acabou a caminhada e entrámos de novo no carro voltou a chover). Isto para “começar o ano” com algo saudável e a apreciar a Natureza.

🙂

20160101_122954

(estava vento…)

20160101_130418

Ainda no dia 1 tivémos a visita de duas famílias amigas com quem partilhamos as alegrias do “ensino doméstico”, lanchámos e jantámos juntos, brincámos, jogámos e as 3 mães fartaram-se de conversar ao ponto de o Alexandre chegar ao pé de nós e perguntar-nos “Isto é uma Convenção de Mães?”

20160101_204138

Foi um dia 1 de Janeiro em pleno!

😀

Caderno Verde

Explorar Linhas de Longo Curso  e Suburbanas, Arquitetura do Local e afins- Passeio a Braga, Guimarães e Porto

Dia 2 – passeio pelo centro de Braga, aproveitando a ida a pé até à estação para apanharmos um comboio suburbano que nos levaria a Guimarães

Visitámos Igrejas, Sé e Monumentos. Um pouco por acaso, porque quando comprámos com antecedência os bilhetes para a viagem não reparámos que a nossa estadia iria coincidir com a “semana santa”, uma vez que fomos no fim-de-semana (que prolongámos por mais dois dias) anterior ao da Páscoa (final de Março de 2015). Mas assim vimos as ruas enfeitadas e procissões a sair e toda uma atividade característica da época.

20150329_103304

20150329_103310

Começámos logo por achar piada à interação que os habitantes locais tinham connosco enquanto passeávamos: se nos viam parados a tentar perceber que monumento estávamos a admirar, “metiam-se connosco” e diziam “Esta é a Igreja tal, a Sé fica ali ao dobrar da esquina” (e tivémos outros episódios do género interessantes que contarei depois, a propósito (nos próximos posts)).

20150329_103314

20150329_103319

20150329_103325

20150329_103632

20150329_103843

(gostámos muito do padrão destes mosaicos)

20150329_103852

20150329_104028

(passadeiras roxas ao centro das ruas…)

20150329_104056

20150329_104645

20150329_104705

20150329_104723

20150329_104739

20150329_104744

20150329_104755

20150329_104818

20150329_105704

20150329_105827

20150329_105834

20150329_110343

20150329_110353

20150329_110423

Ainda caminhámos uns kilómetros desde a residencial à Estação que de facto é muito bonita com aquele globo em aço no topo.

20150329_111209

20150329_111226

20150329_111229

Na estação adquirimos folhetos de Guimarães (percebemos logo que nos esperava uma viagem de teleférico assim que lá chegássemos, pois o Alexandre não quereria perder tal viagem), horários para identificarmos todo o percurso, todas as estações e onde poderíamos trocar de comboio para chegar ao destino pretendido.

20150329_112002

20150329_112013

De Lisboa a Braga viajámos de Alfa Pendular, mas agora a ideia era viajar na rede Urbana do Porto. Foi nesta viagem, em conversa com o revisor que eu percebi que o meu filhote sabia que a CP se tinha reestruturado e estava agora organizada em 3 Áreas de Negócio:

  • Serviços Urbanos – CP Lisboa; CP Porto;
  • Serviço de Longo Curso – CP Longo Curso;
  • Serviços InterRegional e Regional – CP Regional.

Ele já nos falava em CP Longo Curso; CP Regional, CP Urbanos/Suburbanos Lisboa…. mas eu não tinha percebido ainda que tinha acontecido esta reestruturação na organização da CP. Só relacionei as coisas quando o oiço alegremente a partilhar os seus conhecimentos sobre a empresa com o revisor e ele confirma, que sim, de tal forma que agora os funcionários já não tinham acesso rápido à informação das outras áreas de negócio que não a na qual trabalhavam (a propósito de partilharmos com ele uma futura programação de uma próxima viagem de longo curso).

20150329_112105

20150329_112639

O Alexandre ia verificando as estações por onde passávamos por forma a sairmos na estação correta onde teríamos que trocar de comboio, pois este seguia para o Porto.

20150329_112643

20150329_122230

Eis a Estação de Lousado onde saímos e apanhámos então a ligação a Guimarães…

20150329_122419

20150329_122441

(os terminais têm sempre sobre ele um certo fascínio)

20150329_133804

20150329_133809

20150329_133815

20150329_133827

E assim chegámos a Guimarães… (continuamos no próximo post)

20150329_134743

Comments (3) »

“Códigos”

Caderno Verde

“Códigos”

Na sequência do assunto que contei no artigo anterior, “Empresas e Logotipos”, conto mais este desenvolvimento, ou seja: a abordagem das empresas e dos logotipos das empresas estendeu-se naturalmente a outras áreas (neste caso à área alimentícia), numa brincadeira que o Alexandre instituíu.

Começou a querer falar noutras coisas por “códigos” ou etiquetas, ou siglas ou o que lhe quisermos chamar, designando, nesta primeira “brincadeira” os alimentos, pelas suas iniciais: “Mãe, hoje para o almoço gostaria muito de comer BC com FF, SS e Se com ms (leia-se “… gostaria muito de comer Batatas Cozidas com Feijão Frade, Salsicha de Soja e Seitan com molho de soja”). “E para sobremesa uns Mo (Morangos). No dia seguinte: “Mãe, temos Ag?”. “Água???” _ perguntei. _ “Claro que temos Água!”. “Mãe… Ag, Água gelada”.

Como Ag me fez lembrar o símbolo químico da prata, resolvi dizer-lhe isso mesmo e foi assim que nos iniciámos nos símbolos químicos (embora, “oficialmente isso ainda não seja para a idade dele”). Não voltámos ainda a desenvolver esse novo assunto (o dos símbolos químicos e tabela periódica), mas já o abordámos e daí até passarmos ao resto será um pulinho, pois o rapaz já ficou “com a pulga atrás da orelha” quanto ao “estudo dos símbolos químicos”. E, pensando bem, a comida e os alimentos têm a ver com química e a minha associação não foi assim tão fora de propósito em relação ao assunto que estávamos a tratar…

🙂

Leave a comment »

Encontros e reencontros

Olá, vivam!

Pois que os últimos posts têm sido muito sobre desnhos urbanos, passeios, viagens, documentários (e ainda vão continuar), mas temos feito muitas outras coisas, inclusivé estar com pessoas, amigos, família, mais amigos e estes ligados oa Ensino Doméstico e ao Unschooling, etc., etc.

Desde o Natal e fim do ano passado que não falo aqui de festas e bolos e almoços´, lanches e jantares em convívio, mas também porque tenho muitas fotos para selecionar e as coisas aqui no blog vão andando devagar. O passeio de reconhecimento da linha de Azambuja do post passado foi feito em fevereiro, só para terem uma ideia e desde aí tenho muitos outros ainda para relatar.

Então os encontros e reencontros, que não vou contar por ordem, mas talvez por temas:

No Sábado passado, dia 2 de maio, juntámo-nos três famílias praticantes de ED/Unschooling. Aqui em nossa casa. Foi um dia em cheio! Chuvoso, mas em casa brilha o sol! Comidinha da boa, brincadeira, jogos da wiiU, jogo no computador do Train Fever, montagem de pistas de comboio da Lego e muita conversa da parte das três mães envolvidas (também estavam dois pais, muito interessados no jogo do Benfica…)

🙂

20150502_212041

20150502_212112

20150502_212308

20150502_212318

Na Páscoa, tínhamos também estado com uma destas famílias, dessa vez em casa deles, também com muita troca de informações, de coisas feitas, interesses, conversa e brincadeira.

Também houve as festas de aniversário, em fevereiro, a minha e a da mana Catarina. Como fiz 50 anos, os meus filhos e maridinho e genro(!), que esse foi incansável, foi de propósito a Coimbra buscar a minha mãe e uma amiga minha que eu já não via há tanto tempo para me fazerem uma grande surpresa! Também vieram os meus primos, de Coimbra (que desistiram de uma ida à neve só para estar comigo) e uns queridos amigos que vivem no Reino Unido, mas estavam por cá na altura. Foi uma festa muito divertida, jantar, bolo de aniversário feito pelas filhotas (e que coincidiu com a comemoração do Dia dos Namorados, que eu faço anos nesse dia). Jogámos Dixit no final e a minha amiga que eu já não via há muito tempo disse-me que já não se divertia tanto há muito tempo…

🙂

20150214_231022

20150214_231453

A festa da Catarina foi também boa, familiar, acolhedora… experimentámos umas “lemon bars” feitas por mim amontoadas em castelo e decoradas com marshmallows que ela adora… as lemon bars ficaram aprovadíssimas!

🙂

20150224_214026

20150224_214055

20150224_214219

20150224_214225

E agora há menos dias (também no fim de semana passado logo no dia após ao nosso encontro de “famílias em ED”) foi o Dia da Mãe! Os meus queridos filhotes fizeram-me um pequeno almoço daqueles muito grandes que serviu de almoço e de lanche também, com panquecas, scones, ovos mexidos com feijão em molho de tomate e salsichas de soja fritas, muito chá… são uns queridos! E deram-me uma orquídea azul (porque eu adoro a cor) para além de outros presentes.

20150506_153944

Leave a comment »

O Poder da Terra, e as derivações

Caderno Verde

O Poder da Terra, e as derivações

Já há mais de um mês que voltámos aos documentários. Volta e meia o Alexandre gosta de rever alguns dos documentários que já viu (e temos gravados). Para além de umas séries novas no Odisseia das quais falarei num próximo post, voltámos a rever esta série interessante, “Earth, the power of the planet”, que em Portugal denominaram “O Poder da Terra”. A série tem 5 episódios e nós tínhamos já visto e gravado 3:, um sobre o Gelo, outro sobre os Oceanos e um outro chamado Terra Dura.

Começámos por rever estes 3. Desta vez, quero aqui destacar algumas “derivações” do visionamento dos documentários. Foram elas:

– Começámos por rever o episódio sobre o Gelo e aí a meio do episódio chegou o nosso vizinho G., da idade do Alexandre e, que remédio, teve que acabar de ver o episódio connosco, pois o Alexandre não arredou pé de frente da televisão, nem para brincar com o seu amigo. Os episódios que passaram no canal Odisseia são em inglês, legendados em português, mas as legendas são tão “intensas”, cheias de conteúdo técnico e passam tão rápido, que eu leio-as em voz alta, enquanto vemos o episódio. O G. (que frequenta um “estabelecimento de ensino oficial”) tentou fazer o mesmo que eu, mas desistiu logo, pois nem metade conseguia ler (até eu me perco, muitas vezes não consigo lê-las à velocidade necessária e por forma que todos compreendamos e volto atrás na gravação). No final do episódio, disse-me o nosso vizinho: “Oh, Isabel, muito obrigada! Gostei mesmo de ver e saber estas coisas!”. Fiquei contente com este seu comentário final (mais em baixo já vos dou os links para poderem ver os episódios na net).

– Depois seguiu-se o episódio Terra Dura. O G. também apareceu quando estávamos a vê-lo (estes 3 primeiros vimo-los durante a semana ao final da tarde, antes de jantar, que coincide com o final das aulas do G. na escola e assim que chega e quando pode, vai logo lá a casa para estar um pouco com o Alexandre_ e connosco!). Então o Alexandre, logo perto do início do episódio, pede-me para pará-lo e diz ao seu amigo (este episódio avança com uma das hipóteses mais consistentes do “aparecimento da Terra”, da formação do planeta): ” Isto são apenas teorias, científicas, mas teorias. Às vezes comprovam-nas, outras substituem-nas por novas teorias. Já ouviste falar na Teoria de Ptolomeu? Dizia que eram os outros planetas que giravam à volta da Terra! E depois provou-se a seguir que não. E dantes também se pensava que a Terra era plana e depois descobriu-se que afinal é redonda e achatada nos pólos. São assim, as teorias e as descobertas científicas”.

Bem, fartei-me de rir com o tom de advertência com que ele disse aquilo ao amigo.

– Seguiu-se o episódio sobre os Oceanos. Vou aqui destacar uma parte que ambos (o Alexandre e eu) gostamos muito: logo perto do início, depois de mostrarem a fenda na Etiópia (provocada pelo deslocamento de placas tectónicas) que daqui a milhares de anos dará origem à separação do continente africano e ao surgimento de um “novo oceano” ali na zona, também mostram como o Mar Mediterrâneo (que depende da existência do Estreito de Gibraltar) ora tem sido mar ora deserto ao longo dos milhões de anos de existência da Terra, como a existência de umas minas de sal na Sicília o comprovam, bem como ossos de pequenos elefantes (do tamanho de cabras) que apareceram na Sicília_ a ilha era uma parte mais alta do “deserto mediterrânico” que se manteve quando este voltou a ser mar! Vejam aqui, neste episódio sobre os Oceanos, do minuto 13 ao 23… Podem ver o episódio todo, é claro, é muito interessante!

– Bem, como já perceberam, entretanto descobrimos os episódios na net. Como disse acima, nós tínhamo-los visto e gravado, da primeira vez, no canal Odisseia, mas só “apanhámos” estes 3 acima referidos, na altura. E revíamos sempre estes três, quando voltava a vontade de relembrar certos pormenores. Entretanto eu tinha visto a série completa, em dvd, à venda na Fnac e estive quase, quase, para comprá-la, mas depois, num rasgo de economia doméstica, achei que conseguiríamos, estando com alguma atenção, voltar a “apanhar” a série no Odisseia e gravar os dois episódios que nos faltavam (um sobre os Vulcões e outro sobre a Atmosfera). Pois entretanto não voltámos a descobri-los na programação do Odisseia e desta vez, depois de revermos os 3 que tínhamos, resolvi ver se dava para aceder aos episódios completos através da internet e encontrei logo os que nos faltavam. Vimos um legendado e outro dobrado em português do Brasil (há várias versões como podem perceber se pesquisarem pelo nome da série. Deixo-vos aqui mais um link, desta feita para o episódio sobre a Atmosfera do qual também adorámos a primeira parte (do minuto 2 ao 19) e não só, todos eles são interessantíssimos do início ao fim e aprendem-se imensas coisas (eu aprendi muitas coisas que não sabia!).

Algumas vezes, tenho chegado a casa e lá está o Alexandre a rever mais uma vez um dos episódios, sozinho. Ele gosta de saber todos os pormenores e faz perguntas quando tem dúvidas e depois voltamos a ver para perceber melhor.

Leave a comment »

Reunião de Condomínio

Caderno Verde

Reunião de Condomínio

Hoje ia para começar a contar dos documentários sobre a Terra que temos andado a ver (a repetir uns episódios e a ver pela primeira vez dois episódios que nos faltavam).

No entanto, na Sexta passada participei na reunião (anual) de condomínio cá do prédio, que deu azo a uma bela conversa com o Alexandre e o nosso vizinho G. (da idade do Alexandre, que frequenta a nossa casa amiúde), no dia seguinte.

Primeiro comecei por contar-lhes que tinha vindo de lá geladinha (noite muito fria e sala de condomínio sem aquecimento e em condições precárias). O Alexandre já sabia dessa parte, pois esperou por mim (e não foi comigo à reunião precisamente por causa do frio). Até me tinha perguntado, quando eu voltei, sobre contas (quando lhe falei nas contas do condomínio), para perceber exatamente como funcionavam. Ele sabe que pagamos um x por mês “para o condomínio” e queria perceber em que se gastava, quais eram as despesas das partes comuns, etc., etc.

Depois, no dia a seguir, continuámos a conversa, pois para além das contas, queriam saber que mais se tratou por lá e interei-os, de entre outros dois assuntos, de um que lhes depertou alguma curiosidade: termos duas pessoas no edifício que já só se deslocam de cadeira de rodas e, como o nosso prédio é anterior à Lei das Acessibilidades, não possui qualquer rampa alternativa às escadas de entrada e acesso aos elevadores e cntão vamos ver se se resolve o problema criando umas rampas de acesso (têm que ser duas e, mediante o espaço disponível, não vai ser muito fácil…).

Ficaram não só interessados como com vontade de ajudar a “resolver o problema” e cheios de ideias.

🙂

 

Leave a comment »

Trocas de informação e o projeto da cidade subaquática no Japão

Vivam, bom dia!

Pois como é bom conetarmo-nos com pessoas com interesses afins! Neste caso do Ensino Doméstico e do unschooling, desde ter blogs a pertencer a grupos onde se partilham factos e informações sobre o tema e a trocarmos e-mails uns com os outros (e a encontrarmo-nos de vez em quando!). Um dos grandes benefícios é a troca de informação e de recursos. Vamos sabendo das características e interesses das diferentes crianças e quando deparamos com algo específico lembramo-nos “X deve gostar disto, deixa lá enviar a informação…”

Foi o que deve ter pensado a C. (obrigada!), quando me enviou a informação sobre a existência destes livros para “pequenos arquitetos”.

Ou a P., quando me enviou o link para a notícia da existência de um projeto para uma cidade subaquática no Japão que vou relatar aqui em baixo, no Caderno Verde.

Eu também remeto muita informação para vários amigos, ah, ah, mas não me lembro nem sei muitas vezes qual a que, especificamente, “deu frutos”.

Beijinhos e bela troca de informações para todos!

Isabel

x

Caderno Verde

Projeto para uma cidade subaquática no Japão

Uma das “sessões” entre mãe e filho desta semana passou-se à volta da notícia deste projeto para uma cidade subaquática no Japão.

Já tinha recebido o link há quase um mês atrás, enviei-o para o meu e-mail d’A Escola É Bela (por uma questão de organização), informei o Alexandre de que havia uma notícia sobre esse projeto para vermos os dois e esperei que ele solicitasse vê-la. Esta semana disse-me, “Mãe, vamos ver o que me disseste sobre o projeto da cidade subaquática!”

E lá estivémos a ler e a ver o pequeno vídeo, o que depois deu azo a muitas novas “invenções urbanísticas” e muita conversa, pois entretanto apareceram a mana Catarina e o Bato e o Alexandre esteve a contar-lhes deste projetos e de vários outros pensados por ele.

Leave a comment »