Archive for Ciências

Passeio a Braga, Guimarães e Porto, dia 3, Braga

(continuação de quatro posts anteriores, , , e )

Caderno Verde

Explorar Linhas de Longo Curso  e Suburbanos, Arquitetura do Local e afins- Passeio a Braga, Guimarães e Porto

Dia 3 – Braga de novo: avenida central com jardim, teatro, fonte, centro histórico e suburbano até ao Porto (Estação de S. Bento)

Passeando um pouco pela avenida desde a residencial à estação e deleitando-nos com os amores-perfeitos!

O Alexandre gravou-me em vídeo, nesta avenida que desemboca na fonte luminosa.

20150330_100803

20150330_100823

20150330_101014

20150330_101023

20150330_101029

20150330_101057

O teatro…20150330_101133

20150330_101248

20150330_101953

O comboiinho…

20150330_102214

20150330_102242

20150330_102306

20150330_102311

20150330_102321

20150330_102323

… e a fonte

20150330_102410

20150330_102434

20150330_102451

20150330_102628

Uma árvore de metal! Arte urbana…

20150330_102726

20150330_102813

20150330_102817

20150330_102827

20150330_102838

20150330_102843

20150330_103748

20150330_103757

20150330_103801

20150330_104434

20150330_104442

E depois de mais visitas ao centro histórico, mais uma exploração da rede de Urbanos-Porto: Braga-Porto.

Na estação comprámos mais dois pins da CP para a coleção do Alexandre que, como aqui já mostrámos coleciona pins dos vários tipos de comboios que a CP mantém e, desta vez, encontrámos o pin com o logotipo da CP! O engraçado é que apanhámos o mesmo revisor com quem o Alexandre tanto conversou na ida a Guimarães e desta vez o revisor  informou-o de que, quem fazia (fazia mesmo à mão e pintava) a maior parte dos pins da CP era o maquinista deste comboio que nos estava a conduzir…

20150330_111429

20150330_111434

20150330_111447

20150330_111456

20150330_111536

20150330_111555

20150330_111618

20150330_111629

Como já contei neste outro post o Alexandre conhece e estuda a “evolução” dos logotipos das empresas (CP, Metro e outras), e cria logotipos próprios para as empresas que cria nas suas histórias.

20150330_111655

20150330_111701

20150330_111710

Uma das coisas a visitar era a Estação de S. Bento (que o Alexandre não conhecia ainda, só a de Campanhã e Uau!, gostámos logo da estrutura e a seguir do edifício e dos seus belos adornos e pinturas.

20150330_124528

20150330_124534

20150330_124824

20150330_124831

20150330_124838

20150330_124846

20150330_124905

Mal sabíamos nós que aqui voltaríamos ainda este ano, com amigos que também são apaixonados por estações e comboios e percursos de comboio. E que, por sinal, também, praticam o Ensino Doméstico.

20150330_124907

20150330_124916

20150330_124924

De seguida ala apanhar o metro para fazer o seu “percurso de maior distância” (ver no próximo post).

20150330_131029

20150330_131036

20150330_131051

20150330_131103

20150330_131831

20150330_131834

20150330_163401

 

… Porto-Póvoa do Varzim!

20150330_163407

 

(os terminais na Póvoa)

20150330_163413

 

Comments (1) »

Passeio a Braga, Guimarães e Porto, dia 2, Guimarães

(continuação da parte do Caderno Verde deste post,  deste outro e do primeiro desta “série”)

Caderno Verde

Explorar Linhas de Longo Curso  e Suburbanos, Arquitetura do Local e afins- Passeio a Braga, Guimarães e Porto

Dia 2 – Guimarães: o centro e o teleférico

A pé pelo centro de Guimarães desde a estação, passando pela porção de muralha no meio do casario com o emblemático dizer “Aqui Nasceu Portugal” e após uma refeição ligeira num cafézinho do centro depressa decidimos que o primeiro local a visitar com toda a nossa energia seria a Montanha da Penha à qual acederíamos de teleférico.

“O Teleférico de Guimarães entrou em funcionamento a 11 de março de 1995, e está aberto todo o ano, ligando o Centro Histórico de Guimarães à Montanha da Penha, num trajeto de 1700 metros, vencendo um desnível de 400 metros em apenas 8 minutos.” _ tinhamos lido no prospeto turístico.

E como andar de teleférico sempre foi um continua a ser uma das preferências do Alexandre bem como observar as vistas lá de cima, lá fomos, pois então!

 

20150329_144838

“Aqui Nasceu Portugal”!

O mote para recordar mais uma vez a História por nós muito desenvolvida nas várias leituras dos livros de História de Portugal que possuímos.

20150329_144912

20150329_144926

20150329_145158

20150329_145613

E sempre a pé, desde a estação até ao teleférico…

20150329_145638

20150329_152246

20150329_152256

20150329_153600

20150329_153606 20150329_153706

20150329_153710

Ei-lo!

20150329_153808

20150329_153814

20150329_154301

20150329_154311

20150329_154313

20150329_154325

20150329_154333

20150329_154339

20150329_154349

20150329_154411

As fotos não fazem jus à grandiosidade do percurso (longo, alto e com vistas fabulosas)

20150329_154424

20150329_154446

20150329_154455

20150329_154505

20150329_154518

20150329_154529

20150329_154553

20150329_154604

20150329_154629

20150329_154646

20150329_154652

20150329_154705

20150329_154710

20150329_154719

20150329_154800

20150329_154820

20150329_154836

20150329_154857

20150329_154901

20150329_154940

20150329_155003

20150329_155007

20150329_155023

20150329_155026

20150329_155047

20150329_155053

20150329_155058

8 minutos sempre em ascensão!

20150329_155156

20150329_155208

A chegar ao topo…20150329_155245

20150329_155255

20150329_155354

20150329_155400

20150329_160050

20150329_160059

20150329_160122

O Mapa da Montanha da Penha, que não podia faltar. Magnífica, a montanha.

20150329_160223

20150329_160317

20150329_160929

20150329_160953

20150329_164102

20150329_164129

 

20150329_164204

20150329_164210

20150329_164259

20150329_164303

20150329_164335

Agora a descida…

20150329_165926

20150329_165943

20150329_170009

20150329_170035

20150329_170047

20150329_170105

20150329_170221

 

20150329_170301

20150329_170310

20150329_170319

20150329_170353

20150329_170434

20150329_170505

Chegando de novo ao centro histórico…

20150329_170515

20150329_170832

Bom, a visita seguinte era obviamente o Castelo, mas como o teleférico e a Montanha da Penha ocuparam horas, quando lá chegámos estava a fechar… ficará para a próxima visita a Guimarães (desta vez fizémos base em Braga, da próxima talvez a “nossa base” seja o Porto, mas ficou já a pretensão de voltarmos).

E assim voltámos a percorrer a linha dos “Urbanos Porto”, desta vez fazendo um percurso maior, de propósito, para trocarmos noutra estação, a de Ermesinde (vejam os folhetos dos horários da CP Porto, porque é assim que fazemos, estudamos o percurso através dos folhetos, as possíveis estações para a troca de comboio, para percorrermos os trajetos o mais exaustivamente possível!)

🙂

 

20150329_205428

20150329_205434

20150329_205443

(fotografando e observando sempre as estruturas)

20150329_205449

Continuamos no próximo post.

Comments (2) »

O nosso Natal e a continuação do passeio a Braga

Olá a todos!

Aqui fica um cheirinho do nosso Natal em Família.

Este ano, como sempre de há uns anos para cá, o Alexandre e as suas manas voltaram a improvisar um teatrinho com a entrega das prendas. O Pai Natal este ano foi a mana Celina!!!! A mana Catarina, a mãe Natal e o Alexandre o cientista que ajudou o Pai Natal a ir distribuir prendas num foguete especial, pois este ano as renas estavam doentes!

🙂

Fartámo-nos de rir com os pequenos! Pois embora tivessem um mini-guião de base, acordado entre eles uns 20 minutos antes, eram muito cómicos a improvisar… a historiazinha meteu Geografia, pois a viagem de foguete deu a volta ao mundo, só que no fim avariou-se e caíu nos Açores. Descobriram uma solução para vir até Cascais, serraram o foguete ao meio o que deu um semi-cilindro para fazer de um belo barco (davam às pernas como remos) e em Cascais descobriram a motorizada da Celina (uma menina que “não estava ali no momento”, quem lá estava era o Pai Natal) e vieram nela os três até Mem Martins…para contar a história antes de distribuir os nossos presentes.

As avós riram-se muito (a avó Rosário teve alta uns dias antes do hospital onde esteve três meses internada e foi sujeita a uma operação complicada, ao coração) e foi um momento bem-disposto.

Um dos primos também esteve na assistência.

20151225_193036

20151225_193045

20151225_193109

20151225_193247

20151225_193438

20151225_193445

20151225_193512

20151225_193520

20151225_193525

20151225_193534

20151225_193540

20151225_193603

20151225_193610

20151225_193629

20151225_193645

20151225_193657

20151225_194320

(Os três na motorizada)

20151225_194419

20151225_194423

20151225_194430

E agora umas fotos do momento de construção de uma “square” do Lego City (prenda nossa e da avó), nos dias seguintes

20151226_133619

20151226_133634

20151226_133644

20151226_133651

20151226_133656

20151226_133706

20151227_120302

(com direito a elétrico e helicóptero e tudo)

20151227_120311

 

E a nossa árvore!

20151224_161123

20151224_161330

Feliz Ano Novo!

 

Caderno Verde

Explorar Linhas de Longo Curso  e Suburbanos, Arquitetura do Local e afins- Passeio a Braga, Guimarães e Porto

Dia 1 – Bom Jesus de Braga

Este apontamento do caderno verde continua o do post passado.

Chegámos cedinho, pois… e como só podíamos entrar na residencial a seguir ao almoço, fomos lá guardar as malas e ala começar a visitar alguma coisa logo pela manhã!

Apanhámos um autocarro até ao Bom Jesus.

A ideia era também conhecer as redes de transportes públicos (comboios, autocarros, elétricos se os houvesse e metropolitano _ o do Porto, quando lá fomos num dia a seguir…)

E claro, o ascensor que no transportou até ao Bom Jesus!

20150328_125429

20150328_125445

Lá vem ele a descer (o ascensor)… não fotografei a entrada que dizia ainda “Sahida”, com “h”… O Alexandre achou muita piada e ficou interessado por palavras que antigamente se escreviam de forma diferente, como “pharmácia” e outras.

🙂

20150328_125613

20150328_125623

20150328_125629

20150328_125632

Esta aguinha vinha lá de cima (ainda andámos um bocado à procura da nascente mas não chegámos lá…)

20150328_130132

20150328_130208
20150328_130220

20150328_130237

20150328_130253

20150328_130257

O musgo nas árvores, o Alexandre também gostou, pareciam atapetadas:

20150328_131244

20150328_132546

20150328_140307

20150328_140313

20150328_140335

Andamos sempre a apreciar os mecanismos destes ascensores antigos, o Alexandre faz sempre perguntas ao condutor.

20150328_142909

20150328_142922

20150328_142936

20150328_142944

20150328_142952

20150328_143010

20150328_143021

20150328_143204

20150328_143235

20150328_143257

20150328_143308

20150328_143908

20150328_143859

20150328_143936

20150328_143951

20150328_144704

20150328_144716

20150328_144733

20150328_144747

A moda dos cadeados também anda por cá (há dois anos colocámos aqui as fotos deles na Ponte de Brooklyn)

20150328_144840

20150328_144850

20150328_144908

20150328_145423

20150328_145441

Voltámos, descendo de novo pelo elevador e depois o pai ainda foi subir as escadinhas todas.

E então fomos almoçar e depois fazer o check-in na residencial para à tarde darmos um passeio pelo centro de Braga.

 

Comments (3) »

“Códigos”

Caderno Verde

“Códigos”

Na sequência do assunto que contei no artigo anterior, “Empresas e Logotipos”, conto mais este desenvolvimento, ou seja: a abordagem das empresas e dos logotipos das empresas estendeu-se naturalmente a outras áreas (neste caso à área alimentícia), numa brincadeira que o Alexandre instituíu.

Começou a querer falar noutras coisas por “códigos” ou etiquetas, ou siglas ou o que lhe quisermos chamar, designando, nesta primeira “brincadeira” os alimentos, pelas suas iniciais: “Mãe, hoje para o almoço gostaria muito de comer BC com FF, SS e Se com ms (leia-se “… gostaria muito de comer Batatas Cozidas com Feijão Frade, Salsicha de Soja e Seitan com molho de soja”). “E para sobremesa uns Mo (Morangos). No dia seguinte: “Mãe, temos Ag?”. “Água???” _ perguntei. _ “Claro que temos Água!”. “Mãe… Ag, Água gelada”.

Como Ag me fez lembrar o símbolo químico da prata, resolvi dizer-lhe isso mesmo e foi assim que nos iniciámos nos símbolos químicos (embora, “oficialmente isso ainda não seja para a idade dele”). Não voltámos ainda a desenvolver esse novo assunto (o dos símbolos químicos e tabela periódica), mas já o abordámos e daí até passarmos ao resto será um pulinho, pois o rapaz já ficou “com a pulga atrás da orelha” quanto ao “estudo dos símbolos químicos”. E, pensando bem, a comida e os alimentos têm a ver com química e a minha associação não foi assim tão fora de propósito em relação ao assunto que estávamos a tratar…

🙂

Leave a comment »

Arquitetura e Urbanismo V – Redes, suburbanos, metro e barco – passeio ao Barreiro

Caderno Verde

Arquitetura e Urbanismo V – Redes, suburbanos, metro e barco – passeio ao Barreiro

Continuando a exploração das redes de transportes, logo depois da nossa “avaliação da linha da Azambuja” em fevereiro, a 1 de março  fomos, de transportes públicos, até ao Barreiro.

O Alexandre preparou o itenerário com a devida antecedência (normalmente anota numa folha de papel, após consultar na internet os mapas das redes e itenerários possíveis, o itenerário que pretende explorar nessa próxima viagem e depois consulta-nos (se queremos “alinhar” nesse passeio).

Ainda não tinha começado a primavera, mas por todo o lado já despontavam as flores e já havia “cheiro a primavera”…

20150301_144127

A caminho da estação de Algueirão-Mem Martins

20150301_144714

Os seus pins de coleção (da CP…)

20150301_150524

20150301_150547

A estação do Rossio (há tempos que eu não parava por lá… )

20150301_155218

O Alexandre fotografou a a estrutura da cobertura da estação do Rossio (sempre o fascinaram as estruturas)

20150301_155251

O itenerário tinha começado então pela linha de Sintra, de Algueirão-Mem Martins ao Rossio, depois iríamos a pé até ao Terreiro do Paço para apanhar o barco até ao Barreiro.

Enquanto a pé, fomos apreciando a baixa de Lisboa por onde também já não passeávamos a pé há alguns anitos e aqui está mais uma estrutura, esta antiga e em arco, o Arco da Rua Augusta:

20150301_161826

20150301_162044

O cais para apanhar o barco para o Barreiro

20150301_164133

20150301_164153

20150301_164226

20150301_164816

20150301_164836

Eu não me lembro se há uns anos atrás já tínhamos apanhado este para o Barreiro, creio que só os que atravessam até Cacilhas, mas talvez… Fiquei surpresa com a rapidez (num quarto de hora estamos lá do outro lado) e com o tamanho e conforto do barco (bem espaçoso, neste dia tinha poucos passageiros, fim-de-semana…)

20150301_170215

(aqui está um cheirinho do interior do barco)

20150301_170243

Vistas…

20150301_170549

20150301_171532

Chegada ao Barreiro…

20150301_172202

Fomos pesquisar a estação logo ao pé, dos suburbanos que nos levam a Praias do Sado, a Setúbal… Não fomos fazer esse percurso, mas o Alexandre magicou logo voltar com a mana Celina para depois percorrer esta linha numa próxima oportunidade.

20150301_172558

20150301_172645Aqui ainda estava a “fazer contas de cabeça” de como viria cá então, numa próxima vez, com a irmã.

20150301_172655

À volta, já ao entardecer…

20150301_180918

20150301_181026

20150301_181142

20150301_181217

20150301_181326

E depois lá voltámos, não a pé até ao Rossio, mas apanhando o metro no Terreiro do Paço até 7 Rios e depois de volta à linha de Sintra (ainda trocámos de comboio numa estação entre Benfica e Cacém, já não me lembro qual que o Alexandre gosta de ir variando as estações em que podemos trocar para não irmos parar a Mira-Sintra-Meleças e chegarmos bem ao nosso destino: Casa!)

🙂

 

Depois, no dia seguinte, andei a fotografar a sua performance com o programa Lego-Design, onde “constrói” todas estas estações e comboios e pormenores de ligação, de construção e de design e me vai explicando como o faz e todos os pormenores que acha importantes:

20150302_182917

20150302_182943

20150302_182948

 

20150302_183002

20150302_183106

20150302_183112

20150302_183139

20150302_183143

20150302_183155

20150302_183223

20150302_183356

 

20150302_183750

20150302_183756

20150302_183807

(é ele que “desenha” estes comboios, no programa).

 

Comments (2) »

Arquitetura e Urbanismo III – Documentários

Caderno Verde

Arquitetura e Urbanismo III – Documentários

Voltámos a rever duas das séries que temos gravadas: Desmontando a Cidade (que passou no Discovery Channel) e Arranha-Céus (que passou no canal Odisseia) e gravámos e vimos pela primeira vez a série Como Funcionam as Cidades que tem andado a passar também no Discovery.

Cada episódio dura cerca de 45-50 minutos e cada série tem vários episódios.

A série Desmontando a Cidade tem oito episódios: Sidney, Toronto, Londres, Dubai, Los Angeles, Roma Antiga, e outros dois que não temos gravados nem vimos. Há ainda uma 2ª temporada que ainda não “apanhámos no Discovery”.

Na internet, só conseguimos descobrir os episódios que passaram em Espanha (que não foram passados/numerados pela ordem que passaram no Discovery, cá, e que temos gravados), mas dá para terem uma ideia. Vejam, por exemplo, este episódio sobre Sidney. E este sobre Londres. E este sobre o Dubai.

Da série Arranha-Céus temos oito episódios gravados (faltam-nos dois). O Alexandre gosta especialmente do episódio sobre o Cira Centre de Filadélfia (já o vimos ao vivo, na nossa viagem a Nova York (!), de onde apanhámos o comboio até Filadélfia), do episódio sobre o One World Trade Center (que também já vimos ao vivo!), a Torre Mayor da Cidade do México e a One Canada Square de Londres. Eu ainda não vi todos os episódios que temos. Ele já, mais do que uma vez.

Não consegui encontrar nenhum dos episódios da série na internet, para poderem ter uma ideia, mas são muito bons, desde características da sua construção mencionando os autores do projeto, dificuldades e coisas assim.

A série Como Funcionam as Cidades tem então sido nova para nós. Já vimos e gravámos cinco episódios: um sobre a Eletricidade, outro sobre como se abastecem as cidades de Comida, outro sobre a construção de Arranha-Céus como solução para a falta de espaço para construção nas cidades, outro sobre Sistemas de Transportes e o quinto sobre o Abastecimento de Água.

 

Leave a comment »

Bolas de sabão através das mãos

Caderno Verde

Bolas de sabão através das mãos

Como já devem ter percebido, as bolas de sabão são por aqui uma constante.

Desde pequeno que o Alexandre sente um grande fscínio por estas pequenas bolas frágeis, transparentes e ao mesmo tempo coloridas, completamente voláteis, mas que sobem, sobem e de repente se diluem no ar, ou descem, descem e estouram ao tocar numa qualquer superfície.

Tem sempre tido vários dispositivos (o último até foi em forma de “pistola de bolas de sabão”, ganho no Natal!) para andar nesta brincadeira sempre que se lembre e lhe apeteça, mas agora descobriu, num belo dia a lavar as mãos, que colocando alguma água e muito sabão, consegue fazer bolas soprando através dos seus próprios dedos entreabertos!!! Ora vejam:

20150129_002118

Pronto! Tem passado horas nisto…

20150129_002246

Aqui até deu para fazer duas bolas ao mesmo tempo:

20150129_002251E aqui estava a ver quão grande conseguia fazer uma bola:

20150129_002300

20150129_002309

20150129_002317
Logicamente, passou logo a técnica ao seu amigo G. e puseram-se os dois a fazer bolas ao despique.

20150129_195712

E aqui, resolveram uni-las,  até ficarem coladas uma à outra.

20150129_195924

Experiências mágicas!

😀

 

Leave a comment »