Archive for Música

Feliz Natal e Explorar Linhas de Longo Curso e Suburbanos, Arquitetura do Local e afins- Braga

Olá a todos!

Mais uma vez este blog esteve uns tempinhos em hibernação. As nossas atividades como unschoolers, essas sim, continuaram, o registo de algumas delas por aqui é que não foi feito.

Vão escapar-me coisas que acharia importantes assinalar e do resto do semestre até Julho (aniversário do Alexandre) quero ainda registar por aqui 3 momentos que não poderia deixar passar em claro:

1 – Uma visita a Braga, Guimarães e Porto, na senda da continuação da exploração das redes de transportes portuguesas

2 – Uma visita a Madrid (pois que nos estendemos pelo resto da Península, também a explorar redes de infraestruturas e a própria arquitetura da cidade)

3 – A comemoração do aniversário do Alexandre que este ano de 2015 “casou os anos” (isto é, fez 12 anos no dia 12! )

🙂

Dos tempos pós aniversário até ao novo ano que se avizinha, falarei depois das Festas.

Desejo-vos desde já um Feliz Natal, através deste que é este ano o meu postal de Natal: Have Yourself a Merry Little Christmas pela voz da mana Catarina e com o arranjo rock da sua banda Pop Turns To Rock.

 

 

 

Caderno Verde

Explorar Linhas de Longo Curso  e Suburbanos, Arquitetura do Local e afins- Passeio a Braga, Guimarães e Porto

Dia 1 – Alfa pendular Lisboa-Braga

 

Na linha dos anteriores posts sobre Arquitetura e Urbanismo, continuando o Alexandre na onda de estudar as redes dos vários transportes e infraestruturas e “testá-los, na prática”, planeámos um fim de-semana prolongado (4 dias) com poiso em Braga

Uma excitação, como sempre, acordar às 5h da manhã para ir apanhar o Alfa que liga Lisboa a Braga com partida de Lisboa-Oriente às 7h e o9 min da manhã.

Ver o nascer do sol na estação do Oriente numa bela manhã ainda um tanto fria do final de Março, foi bonito…

🙂

 

20150328_063736

20150328_063742

20150328_063751

20150328_063758

20150328_063802

20150328_063810

IMG_3483

IMG_3484

IMG_3485

20150328_071322

20150328_071326

20150328_071331

E viajar de alfa é sempre para ele uma excitação embora o faça desde pequenino, não muitas vezes (é caro), mas algumas e desta vez aprovritámos os bilhetes comprados com uma semana de antecedência que dão desconto de 50% …

20150328_071620

20150328_071653

20150328_074624

Jogar Uno no comboio…

😉

 

20150328_074629

20150328_094545

20150328_094556

O Alexandre vai-nos sempre a explicar os percursos, estações e tudo o mais…

20150328_094601Vistos do ângulo do pai…

IMG_3488

Chegada à estação de Braga (o Alfa em que viémos)

20150328_102822

E noutra linha, um suburbano do Porto, que iríamos também experimentar durante a estadia em Braga, em dias seguintes…

20150328_102841

O Alexandre tinha muita curiosidade em ver e fotografar a estação de Braga que ele já tinha visto (e analisado!) no Google Maps…

20150328_102845

…sobretudo por saber que ela tem esta linda esfera no topo!

20150328_103222

20150328_103231

No próximo post continuarei com o restante deste soberbo passeio. Até lá e Feliz Natal, uma vez mais!

 

Anúncios

Comments (4) »

E um belo 2015 para todos!

Vivam! Feliz 2015!

Que tenham começado bem o ano e, mais importante (digo eu) que venham belos momentos ao longo de todo ele…

🙂

Deixo-vos com umas fotos:

– De um pequeno passeio (almoço num chinês ao Martim Moniz e passeio pela Costa da Caparica a aproveitar um dia bonito)

DSC01187

DSC01191

DSC01192

– Das “atuações” dos meus pequenos no Natal. No dia 24, a mana Catarina foi a Sr.ª Cozinheira, com peruca, uma barriguinha e tudo e o Alex o duende Tomás. Nunca se “desmancharam” durante toda a tarde e noite e sempre me chamaram de Dª Isabel (em vez de mãe). A mana Celina era uma rena. Fizeram uma pequena peça à noite, inventada por eles e cantaram, ainda. Fartei-me de rir com eles, o dia todo…

DSC01197

DSC01199

DSC01200

DSC01201

DSC01203

DSC01206

DSC01208

DSC01209

DSC01210

No dia 25 o “teatro” teve mais um personagem, o Pai Natal (o Bato). A mana Catarina era agora a Mãe Natal, a mana Celina a rena Rodolfo e o Alexandre o duende Davenport,  duende das Ciências…

DSC01211

DSC01212

DSC01214

DSC01216

DSC01217

DSC01221

DSC01224

DSC01225

DSC01226

DSC01229

DSC01233

DSC01234Voltaram a cantar!

😀

 

DSC01235

DSC01238E uma festa de bolas de sabão!

DSC01240

DSC01241Beijinhos a todos e um belo 2015!

Isabel

Comments (2) »

Tempos Pós Aniversário

Caderno Verde

Tempos Pós Aniversário

Após o aniversário do Alexandre em Julho, destacamos estas atividades:

1 – Jogar muito Ticket To Ride. Já conhecemos as cidades de cor e salteado (de todos os tabuleiros que temos, da Ásia, Europa, Estados Unidos…).

A nós, junta-se muitas vezes o nosso vizinho G. (não só para jogar Ticket To Ride como também Catan, Mémoire, Risk e até jogos de cartas e jogos da Wii U).

DSC00884

DSC008862 – Observar e registar alguns “fenómenos naturais”.

Peixes a nadar em “fila indiana” (a propósito, o Alexandre quiz saber porque se deu o nome de fila indiana à fila um a um e fomos ver à net e descobrimos duas explicações plausíveis (que podem ler, por exemplo aqui)

DSC00887

DSC00888

O que os habitantes locais costumam chamar de “barrão na serra”, uma espessa camada de nevoeiro sobre a serra em dia de Verão de sol brilhante e céu limpo.

DSC00891

À medida que nos aproximamos da serra (de Sintra) vamos “entrando” no nevoeiro.

DSC00892

O Alexandre interessa-se muito por meteorologia. Temos abordado o tema com bastante frequência.

Daí que gostou muito quando eu comprei uma “estação meteorológica” cá para casa (é mesmo assim que designam o pequeno aparelhómetro caseiro, com um dispositivo interior e outro exterior, que indica a temperatura interior, a exterior e a hora local). Não só ficou muito contente como andou todo entusiasmado a montar o dispositivo exterior na varanda, com a mana Celina, e a verificar as leituras obtidas, seguindo o livrinho de instruções.

DSC01112

DSC01114

DSC01115

DSC01116

Alguns dos jogos que tem, tais como este simulador de condução de navios, utilizam conceitos meteorológicos, bem como outros de navegação e matemáticos, que ele de alguma forma já domina.

DSC00894

DSC00895

DSC00896

As nossas plantas em flor (ele e eu gostamos de observar cada botão a abrir, um após outro e dia após dia até à floração plena!)

DSC009053 – Fotografar, fotografar.

Aqui eternizámos o pormenor das meias que trouxémos dos Estados Unidos para a mana Catarina (que gosta deste tipo de coisas “diferentes”) que fazem parecer que está a usar uns “ténis-bota”.

DSC00908

4 – Aproveitar o parque com aparelhos de ginástica de manutenção que existe pertinho da nossa casa, para fazermos algum exercício físico.

Estivémos tão concentrados nos exercícios que nem nos lembrámos de tirar fotos connosco “em acção”. Tirámos à volta. Desta vez tínhamos ido eu, o Alexandre e a mana Celina.

DSC00912

Eles apanharam folhas “já de Outono” que apanham sempre que podem e trazem para as “manualidades” e decorações que volta e meia gostam de fazer.

DSC00913

5 – Passar uns quantos dias em Coimbra, terra natal da mãe e das manas, desta vez com o intuito de estarmos com todos os nossos familiares, o que foi um tanto difícil (porque são muitos! Avós, tios, primos…), mas démos o nosso melhor, visitámos quase todos!

Começámos por levar a avó materna (minha mãe) a comer um geladinho à Figueira da Foz e, como estava muito calor (foi no fim de Agosto), ainda aproveitámos para estar na praia, para além de dar um passeio (a pé) pela “marginal” da Figueira que é bem compridinha.

DSC00929Claro está que o Alexandre adorou este edifício novo, recentemente inaugurado, um novo Hotel na Figueira.

Já depois de voltarmos para casa, dei com ele no Google Earth a procurar o edifício que fizera as suas delícias e a encontrá-lo tão rapidamente que lhe perguntei como. E ele responedeu-me que tinha sido só “seguir” junto à praia (é uma grande extensão) pelo caminho que percorreramos desde a estação até junto do edifício (nós fomos de carro, mas o Alexandre e a mana Celina tinham ido de comboio de Lisboa à Figueira da Foz e nós fomos ter com eles junto à estação).

 

DSC00930Depois o pai e a avó foram de carro e nós os 4 fomos para Coimbra de comboio (regional) e conhecemos na viagem uma rapariga (da idade das manas) que transportava no comboio a sua bicicleta (tinha ido até á praia) e que conversou muito connosco. Fomos a viagem toda a conversar, ela achou muito interessante o que desenvolvemos em Ensino Doméstico e o Alexandre contou-lhe tudo o que gosta de fazer e se interessa, as suas pesquisas e os seus projetos e ela fez-lhe muitas perguntas e ele explicava-lhe tudo.

Já em Coimbra, a mana nas suas cantorias, em casa do primo (meu sobrinho), que tem guitarra, microfone, amplificador, bateria e muitas mais coisas (tais como uma cama-elástica, divertimento para os grandes “saltadores” acrobatas)

DSC00945

DSC00947Fomos dar um passeio de barco no Rio Mondego. O barco chama-se “Basófias”, a relembrar os tempos em que o rio secava no Verão e a malta queria ir tomar banho e quase não tinha água que lhe passasse dos tornozelos e então chamávamos basófias ao rio. Desde que construíram o açude, que tal já não acontece (nem as cheias de Inverno). Também passámos no açude, pois o Alexandre gosta dessas obras hidraúlicas (já tinha gostado muito de observar a barragem quando fomos ao Gerês e vê vários documentários de construção de barragens).

DSC00956

DSC00958Não foi a primeira vez que andámos no “Basófias” o Alexandre já se tinha estreado há uns três ou quatro anos atrás, com o pai e o Bato, na altura, eu deixei aqui no blog uma “reportagem” fotográfica.

DSC00965

DSC00967Ali está ela, a torre da Universidade!

DSC00969

DSC00970

DSC00973

DSC00976

DSC00979Também passeámos pelo Largo da Portagem e pela baixa de Coimbra e mostrei-lhes as pastelarias, cafés e algumas (poucas) lojas da minha juventude, ainda “sobreviventes”!

DSC00984

DSC00985

DSC00986

DSC00989

DSC00992O Arco d’Almedina e a calçada do Quebra-Costas (que as quebra mesmo, de íngreme e escorregadia).

Eu e as manas (e tios e primos) ainda lá fomos à noite a um pequeno concerto de jazz _ as noites de jazz no Quebra-Costas.

DSC00993A zona perto do Jardim Botânico

DSC00994e dos arcos do Jardim. Que o Alexandre logo achou semelhante ao Aqueduto das Águas Livres de Lisboa. Ele sabe que antigamente por estes aquedutos se conduziam as águas que abasteciam as cidades e que tiveram um grande desenvolvimento com a civilização romana.

DSC00996Estivémos com grande parte da família (materna, da minha parte, portanto), mas o mais importante foi podermos estar este ano presentes no aniversário do bisavô (meu avô materno) que fez a bela idade de 89 anos (e que ainda conduz!). Ele ficou muito contente e emocionado. E eu também, pois fui praticamente “criada”, na minha infância, pelos meus avós e emociona-me sempre ver o meu avô (a minha avó já faleceu) e voltar à casa onde vivi a maior parte da minha infância e da qual tenho tantas recordações (e acho sempre piada àquela história das proporções, de me lembrar de tudo, através dos olhos de criança, como muito maior do que o percebo agora).

O bisavô mostrou uma data de fotos antigas (a preto e branco, ainda) às manas e elas adoraram ver-me e aos meus irmãos e pais e tios em pequenitos e tiraram muitas “fotos às fotos”. Gostaram especialmente de uma foto minha, com 13 anos, que o meu avô tinha pendurada na parede.

10579722_10204814903276122_1795577113_o[1]

10673355_10204814892635856_1720274821_o[1]

Só um cheirinho das “fotos das fotos”:

A tal dos meus 13 anos:

-1

Os meus pais e avós no casamento dos meus pais:

-11

Eu e os meus irmãos (3, 4 e 5 anos), pequenitos em África, com um vizinho nosso:

-6

Foi muito divertida esta estadia em Coimbra!

 

Leave a comment »

Pré-Natal

Caderno Verde

Pré-Natal

Do calendário do Advento saiem várias surpresas, desde o dia 1 até ao dia 24… Uma delas foi esta bússula que o Alexandre logo experimentou com a mana Celina… (como não cabia na “caixinha do dia” estava lá uma pista que levava a outra… até descobrir o Norte, Sul, Este e Oeste!

🙂

DSC09644

DSC09645

DSC09646

DSC09647

A família que veio passar uns dias connosco mesmo antes do Natal…

DSC09639

Jardim da música do Parque das Nações, à noite (aqui imagens do mesmo Jardim da Música, de dia), fomos passear com o nosso vizinho G., que não conhecia ainda o Parque das Nações (nem este, da música e adorou… o Alexandre fez de guia turístico_ os teleféricos já estavam “fechados”, ficou logo combinada nova ida, após o nosso vizinho entrar de férias de Natal, para lhe mostrarmos também o Oceanário e o Pavilhão do conhecimento, para além da viagem de teleférico).

DSC09648

DSC09649

DSC09650

DSC09651

Ora que eu já fui algumas vezes a este parque da música e nunca tinha reparado nesta “Pedra de Zunido”, que achei muito interessante… basicamente enfiamos a cabeça dentro da pedra (oca) e emitimos um som (zunido) até reverberar em todo o nosso corpo, que é quando ressoamos com a nossa “frequência própria” (o que achei muito interessante, por ter já escrito sobre esta frequência própria de cada ser e de cada objeto, aqui neste outro post, a propósito de outros assuntos) e essa vibração alinha-nos e o corpo restabelece-se até de doenças, segundo está especificado junto à pedra…

DSC09652

DSC09653

(o pai a colocar lá a cabeça, mas estava tudo muito escuro…)

🙂

DSC09654

Resolvi fotografar o edifício mais alto de Portugal à noite (aqui fotos do mesmo edifício, tiradas de dia) _ mais um tema de interesse do Alexandre (os edifícios altos) que relatou ao seu amigo G., como “guia turístico”.

DSC09655

DSC09656

DSC09657

Este ano a Roda Gigante voltou a Cascais…

DSC09662

E voltámos a refazer o puzzle das 4 000 peças do Mapa Mundi, que o Alexandre pretende usá-lo como tabuleiro de um jogo que anda a magicar. Já construíu umas naves em peças “Lego” e depois foi desenhar a réplica das peças que construíu no programa da Lego no computador

DSC09672

DSC09673

DSC09674

DSC09675

Entretanto também já combinou com a irmã irem dar uns passeios à noite (por Sintra, Cascais, Lisboa) para verem as iluminações de Natal (a Catarina, que é a entusiasta das iluminações de Natal).

E andam os três (manos) muito em segredo (eu e o pai não podemos saber, “estar por dentro”) a preparar/ensaiar a peça que vão representar este ano no Natal, cá em casa, como tem sido habitual (aqui o que partilhei do Natal passado).

Muitos beijinhos para todos e um bom tempo Pré-Natal!

😉

Leave a comment »

Alargando e encolhendo fronteiras ao longo da História

Caderno Verde

Alargando e encolhendo fronteiras ao longo da História

Um belo dia, a Marta Pires partilhou este link no facebook, para um “mapa em movimento” da Europa onde podemos ver como os países esticaram e encolheram ao londos anos.

Claro que tem sido um sucesso, cá em casa. A ligação com a História é completamente evidente e o interesse em “pararmos o vídeo nos anos” para verificarmos milhentas coisas, relacionarmos e interligarmos é inesgotável.

Vejam por vocês mesmos:

http://www.liveleak.com/view?i=14d_1348362692

Ah! E não esqueçamos a componente musical, que o Alexandre coloca o som bem alto enquanto analisa o mapa e adora o crescendo que a música empresta à actividade!

Leave a comment »

Variações Sobre Um Tema _ Cinema e Parabéns Filhinha!

Caderno Verde

Variações sobre um Tema _ Cinema

DSC07254

(este foi o voucher feito pela mana Celina para representar o presente que ofereceu à sua irmã no Natal _ uma ida ao cinema com direito a pipocas_, foto que já tinha colocado aqui no blog, num outro post)

x

O Alexandre nem sempre foi adepto de idas ao cinema, se bem que sempre tenha tido interesse por filmes, documentários e séries, que via na televisão.

Quando era mais pequeno não gostava de ir ao cinema pois, dizia, não se podia parar o filme quando queria fazer uma pausa.

Mais crescidinho começou a ir (a mana Catarina preserverou!… ) uma vez e outra e chegou a ir ver o mesmo filme duas e três vezes (como aconteceu com o Wall-E, por exemplo).

Mas a 7ª arte não se consome apenas nos cinemas e o interesse do Alexandre pelos filmes está seguramente documentado na sua coleção de DVD’s da qual ciosamente cuida e organiza. Foi das primeiras atividades em que demonstrou o seu espírito de organização/arrumação, pediu-me especificamente que eu lhe disponibilizasse uma prateleira só para os seus filmes (que agora já se multiplicou em duas), organiza-os por temas e por coleções, com algum brio. E vê-os e revê-os e volta e meia pede que lhe compremos um filme (o último a engordar a sua coleção foi agora há dias, o Bolt).

Uma das atividades que praticamos inerentes aos filmes é a dança; ele sempre se levantou para dançar as músicas dos filmes (mesmo durante os filmes e também as do final), desde pequenino e então é quase como que um ritual. Houve uma altura que viu repetidas vezes os Happy Feet 1 e 2 e os Alvim e Os Esquilos, 1, 2 e 3 que têm muita música pelo meio e aquilo foi uma atividade tal!

Outra particularidade muito interessante aqui para o unschooling é que ele aprende imensas coisas com os filmes (não estou a falar de documentários, que ele também vê muitos e são específicos para se aprender certas coisas). O seu interesse por mapas leva-o a localizar todas as cidades e todos os países, ilhas e afins nos quais se passam as ações dos diversos filmes e séries, bem como pormenores culturais e históricos que são abordados nalguns. Por exemplo, no Sábado passado, quando estávamos a ver e ler um enorme livro que o pai tem sobre As Maravilhas do Mundo, quando apareceu o Coliseu de Roma, o Alexandre reconheceu-o de imediato (e ainda disse que era ao pé do Vaticano) e eu perguntei-lhe como é que ele o conhecia, pois não me lembrava de termos visto imagens ou termos falado do coliseu e a sua resposta pronta, foi: “Do Madagáscar 3!” Filme que eu também já vi com ele mais do que uma vez, mas não atentei nesse pormenor. E ainda, ao explorarmos o mesmo livro, apareceram as Estátuas da Ilha da Páscoa e a Esfinge do Egito e ele também as identificou de imediato e à pergunta idêntica “Já conhecias estas estátuas???”, ele respondeu: “Sim, na série dos desenhos animados do Gerónimo Stilton, eles vão a muitos sítios do Mundo e têm muitas aventuras em locais históricos”.

Mais uma variação: em Janeiro deste ano ele recebeu os filmes Madagáscar, 1, 2 e 3 aos quais já tinha assistido através do “clube de vídeo da tv”, mas como queria ver tantas vezes não compensava alugar tantas vezes. Então ele e a irmã (Catarina) resolveram fazer umas sessões de cinema cá em casa (também com direito a pipocas salgadas, que é das que ele gosta), “cobrando bilhete” e cuja receita reverteu para uma caixinha já antiga do Alexandre, onde ele poupa para poder comprar algo que queira muito comprar. Desta vez a poupança é para comprar o lego do Burj Kalifa (o edifício mais alto do mundo). Assim, tivémos três sessões seguidas ao longo de um dia,  para vermos os Madagáscar 1, 2 e 3. Eles fizeram os cones para as pipocas, as pipocas, os bilhetes no computador (e depois imprimiram e recortaram), as listagens onde iam apontando os valores recebidos e proporcionaram-nos sessões confortáveis e às escuras, como no cinema:

DSC07314

DSC07315

DSC07322

DSC07316

DSC07317

DSC07325

DSC07326

DSC07327

x

E agora uma última variação: o Dia e a Festa de Aniversário da Catarina _ PARABÉNS FILHINHA!!! _ , que coincidiu com a noite da entrega dos Óscars, domingo, 24 de fevereiro. Primeiro, enquanto planeávamos a festa que ela queria (assistir com alguns amigos _ alguns também atores, como ela_ à entrega dos óscars, que incluía jantar e guloseimas e pipocas pela noite dentro), estivémos a explicar ao Alexandre o que era a cerimónia da entrega dos Óscars e o Óscar (prémio), que ele ainda não conhecia. Depois cozinhámos, chegaram os convidados, jantámos e jogámos ainda um jogo que o Bato ofereceu à sua companheira, mana Catarina, o Cluedo (que eu nunca tinha jogado e achei a sua piada). Ora que me retirei da festa lá pelas três da manhã, pois tinha que me levantar às sete, para ir trabalhar e uns poucos lá ficaram até ao final.

DSC07598

DSC07599

O bolo de aniversário, foi um bolo de chocolate todo coberto de m&m’s (para a gulosa da mana Catarina)

DSC07593

😉

DSC07594

(guardanapos especiais)

A mana, para além do jogo Cluedo e outras prendas recebeu umas collants coloridas “à Catarina”, com muitas flores e borboletas

DSC07596

e uma estatueta oferecida pela mana Celina: Um Óscar de Melhor Irmã!

DSC07601

😀

Comments (1) »

Unschooling num fim-de-semana de temporal

Caderno Verde

Unschooling num fim-de-semana de temporal

Sábado.

Estava programado irmos a uma festa de aniversário da filha de uns nossos amigos, em Lisboa. Um temporal assolou este distrito, pelo menos. O vento assobiava tanto que assustava um pouco (caíram umas árvores do parque de estacionamento defronte de casa). Desistimos de ir. Ficámos os três (pai, mãe e filho) no quentinho e o dia decorreu assim:

Desenhos animados de manhã, juntos, aninhados no sofá.

Alexandre e pai jogaram Super Mario Paper.

Brincadeira e alguma ginástica em cima da cama.

Comidinha boa.

Construção de uma cidade através de um novo (cá em casa) programa de computador.

Pensámos por várias vezes praticar os três uma aulinha de Tai Chi que fomos adiando ao longo do dia e acabámos por substituí-la por uma sessão de dança ao som das músicas do final de um filme, que o Alexandre gosta de dançar.

Jogo das aventuras 4 (tínhamo-lo comprado na Sexta, finalmente…):  completámos 1 dos módulos _ aula de português, de estudo do meio, de matemática e atividades propostas. Estivémos à volta de quadros, gráficos, tabelas, animais em vias de extinção, famílias de palavras e mais uns assuntos. Foi o Alexandre que quiz ir estrear o “jogo” e esteve bastante interessado.

DSC07347

China: luzes da china _ imagens de satélite à noite) e vários mapas da China. Começámos por pesquisar imagens de satélite onde mostrassem “China à noite”, a pedido do Alexandre (de bónus vieram as da Índia à noite, da Europa à noite e mais umas quantas; é giro ver onde brilha mais (ele queria perceber quais os países do mundo que têm mais luzes o que significa para ele que são os que têm mais cidades!!!). Como bónus, encontrámos os mapas da China (coloquei o link, em cima), muito mais compostos que alguns que já tínhamos visto (ele já sabe o nome de várias cidades chinesas e que nós chamamos Pequim a Beijing).

Documentário sobre os cinco melhores comboios do mundo (de cerca de 1h de duração):

Bem! Este foi já à noite e rendeu bem! Agora que acedemos, na tv, às gravações dos programas de até 7 dias atrás (o Alexandre disse que assim já percebe que se pague para ver televisão, antes desta hipótese não achava equilibrado o binómio custo-benefício), o pai desencantou o documentário no Discovery Channel, sobre o top-five dos melhores comboios do mundo. Há mais de 1500 tipos de comboios em todo o mundo, de modo que os critérios para este top-five são baseados em cinco qualidades: robustez, velocidade máxima, velocidade operacional, distâncias percorridas e capacidade quanto ao nº de passageiros transportados (vejam abaixo mais sobre o que aprendemos com este documentário).

Domingo.

Quase que nem à varanda nos atrevemos a ir. O temporal de Sábado amainou um pouco, ainda assim, dentro de casa é que se estava bem. Para além dos desenhos animados em contínuo aninhados no sofá e  da comidinha de forno para aquecer a alma, construíu um novo edifício no Minecraft

DSC06897

DSC06926

DSC06927

(do qual não tirei fotos, estas são de um outro parecido _ também tinha um heliporto) que construíu há uns tempinhos e do qual ainda não tinha colocado fotos aqui)

e desenvolvemos o assunto dos mapas da China.

Também revimos o documentário sobre os cinco melhores comboios (ele queria decorar pormenores vários da informação disponível):

Bem, o comboio considerado mais robusto e com maior força mecânica é o QNSL canadiano que transporta minério de ferro num percurso de 418 km, por vezes a temperaturas inferiores a 40º C negativos e num percurso rodeado de ursos. Pesa 33 000 toneladas (46 vezes mais que o candidato mais próximo!!!), usando um depósito cheiinho de 20 000 l de combustível! Cada locomotiva consegue puxar 80 vagões e chegam a acoplar duas e três locomotivas transportando no máximo 240 vagões tornando o comboio muuuiiito comprido (2,5 km de comprimento) para ir buscar minério a Labrador City. É por isso um tanto lento, atinge os 65 Km/h quando vazio e a sua velocidade operacional é de 56 Km/h.

DSC07357

DSC07358

DSC07359

O mais rápido é, sem dúvida, o mais recente TGV Duplex (de dois andares) que consegue atingir os 575 Km/h. No entanto, a sua velocidade operacional (a velocidade que atinge carregado de passageiros e nas condições regulares) é de 320 Km/h. Consegue transportar mais passageiros que o anterior TGV (chega aos 1020) e chega a percorrer 1278 km (os que separam Nice de Bruxelas). Como é muito rápido, o maquinista nem consegue ver os sinais vermelhos na linha, apenas se guia plos indicadores do painel de controle, de modo que quando alguma luzinha se avaria tem que ir logo para a manutenção. E também pelo desgaste rápido de algumas peças, como o eixo das rodas que é inspecionado a cada 3 dias. Também mostram, no documentário como em La Rochelle já trabalham no sucessor do TGV, o AGV que será 12,5 % mais rápido (em vez de dois motores, um em cada ponta do comboio, terá dez motores acoplados nos chassis).

DSC07360

DSC07361

DSC07364

A maior velocidade operacional pertence ao comboio de levitação magnética Maglev chinês (flutuante, portanto) que atinge os 5oo Km/h e cuja velocidade operacional é de 431 Km/h e com uma taxa de pontualidade de 99,97 % (era a que precisávamos cá em Portugal para os nossos comboios)!. Faz uma viagem curta, de 30 Km, em Xangai, transportando 562 passageiros. É extremamente leve, feito de uma liga de alumínio de alta resistência e baterias que fornecem energia e fazem o Maglev flutuar num campo magnético que eleva o comboio a 12 mm. Usa muito menos energia que um automóvel comum ou que um ar-condicionado e esta tecnologia foi desenvolvida por uma empresa alemã tendo sido a China, até agora, o único país a investir nela (1,4 milhões de dólares).

DSC07374

DSC07376

DSC07377

DSC07378

Quem percorre uma maior distância e em condições inóspitas é o Qingzang, também na China, a raiar os 2000 Km entre Xining e o coração do Tibete, atingindo apenas os 120 Km/h e transportando 900 passageiros que têm que assinar uma declaração de responsabilidade sanitária para fazer tal percurso, dadas as dificuldades de pressão ao atingir as zonas montanhosas a 5072 m de altitude e cerca de 30º C negativos; estes passageiros passam cerca de 12h a 4000 m acima do nível do mar e recebem oxigénio extra para uma viagem potencialmente fatal; ainda assim, este comboio já transportou mais de 41 mil milhões de passageiros desde que circula e uma nota interessante é que a água dos lavabos é aquecida ou sairia pelas torneiras em cubos de gelo                 🙂                A tecnologia para a construção e viabilidade da linha férrea teve que ser especificamente desenvolvida, pois atravessa várias zonas com uma camada instável de lama e gelo (que descongela), com um sistema genial de ventilação que permite manter o solo congelado todo o ano.

DSC07367

DSC07368

DSC07370

DSC07371

DSC07372

DSC07373

E o que nos resta dos cinco especiais, o comboio-bala do Japão, líder mundial na capacidade de transporte de passageiros: 1323 passageiros (em 16 carruagens). A velocidade máxima é de 332 Km /h e o percurso, de 1069 Km. Liga frequentemente Tóquio a Osaka. Para ser maquinista de um comboio destes são necessários 7 anos de experiência a conduzir comboios e passar por uma formação de 591 h de teoria e 571 h de prática mais simulações mensais de situações de emergência, dada a responsabilidade pela vida de tantos passageiros. É obra!

DSC07379

DSC07380

DSC07381

DSC07383

DSC07384

Depois, ainda encontrámos e vimos (no mesmo canal, o Discovery) um documentário sobre a construção de Tokyo Sky City.

DSC07386

DSC07387

DSC07388

DSC07389

Também descortinámos esta informação sobre Tóquio não ser bem, tecnicamente, uma cidade (isto porque o Alexandre tinha descoberto um edifício que num sítio dizem ser em Tóquio noutro numa outra cidade e quando procurava por essa cidade no mapa do Japão ela aparecia-lhe localizada em Tóquio e o rapaz estava muito confuso e eu também): “Embora Tóquio seja considerada o maior e mais importante centro financeiro do mundo[9] (ao lado de Nova York e Londres[10]), e uma “Cidade Global Alfa++“, ela não é, tecnicamente, uma cidade. Não há no Japão uma cidade chamada “Tóquio”. Na verdade, Tóquio é designada como uma metrópole, similar a uma prefeitura do Japão e é constituída por 23 bairros, 26 cidades primárias, cinco cidades secundárias e oito vilas diferentes. Cada uma delas possui um governo que opera no nível regional. Também fazem parte de Tóquio pequenas ilhas no Oceano Pacífico, localizadas a mais de mil quilômetros sul, nos subtrópicos.”

Pronto, foi um fim-de-semana muito proveitoso, aconchegante e intimista, ao mesmo tempo “viajando” por alguns lugares do mundo!

😀

E o que eu aprendi em conjunto com o meu filho, sobretudo sobre comboios do que percebo muito pouco e nem imaginava que ia ser assim interessante e que gostava de reter esta informação (também vi o documentário duas vezes com ele _ e durante esta semana já voltámos a repetir a dose).

Comments (1) »